Ecologia e conservação de porcos-do-mato no conhecimento tradicional indígena: Uma abordagem da Etnociência na Educação

Valeria dos Santos Moraes-Ornellas

Resumo


A queixada (Tayassu pecari) e o cateto (Pecari tajacu) são espécies dispersoras de sementes florestais. Sua ausência no meio pode ser impactante para a dinâmica dos habitats e, portanto, a caça de ambas sem bases sustentáveis é uma ameaça ao seu meio como um todo. Este trabalho faz uma revisão em torno de processos indígenas que envolvem aprendizagem significativa da ecologia de ambas as espécies os quais possam servir de embasamento para a restauração do conhecimento étnico e a preservação de Taiassuídeos no Brasil. Descreve-se a aquisição de conhecimento por observação e participação no contexto indígena, o que envolve indicadores naturais importantes para o manejo sustentável dos porcos-do-mato e significados religiosos da caça a eles. Porém, a subjetividade da percepção indígena sobre a fauna silvestre está se perdendo devido à uma mudança cultural que vem empobrecendo a etnodiversidade e causando depleção das populações da queixada e do cateto. Como soluções, sugere-se: a circulação da etnociência entre comunidades e como integrante da formação de professores, o resguardo de tradições pedagógicas indígenas e a restauração de práticas que se perderam. O objeto deste estudo é um exemplo vivo da biodiversidade Brasileira e algumas etnias indígenas podem ser fonte de conhecimento acerca de uma relação mais ecologicamente sustentável com ele. Os resultados desta revisão podem ser úteis para o embasamento de outros estudos voltados a aprendizagem significativa, restauração de etnobiodiversidade, Educação Indígena, manejo sustentável e ensino de Ecologia.


Palavras-chave


Conhecimento tradicional, porcos-do-mato, educação indígena

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Adiseshan, T. (2000). Human as an essential part of the Amazon ecosystem: An analysis of land, plant, and game cultivation methods of Kayapó and Ese eja. Disponível em: < https://socobilldurham.stanford.edu/sites/g/files/sbiybj10241/f/adiseshan_tara_amazon_2010_final_paper.pdf>. Acessado em fev/2019.

Alfred, T. (2014). The Akwesasne cultural restoration program: A Mohawk approach to land-based education. Decolonization, Indigeneity, Education and Society, 3(3), 134-144.

Altrichter, M. (2005). The sustainability of subsistence hunting of peccaries in the Argentine Chaco. Biological Conservation, 126(3), 351-362.

Bergamasch, M. A., & Silva, R. H. D. da. (2007). Educação escolar indígena no Brasil: da escola para índios às escolas indígenas. Agora, 13(1): 124-150.

Córdula, E. B. de L., Nascimento, G. C. C. do, & Lucena, R. P. F. de. (2018). Comunidade, meio ambiente e Etnociência: saberes locais na conservação dos recursos naturais. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 13(2): 85-103.

Costa, R. G. de A. (2008). Os saberes populares da Etnociência no ensino das Ciências Naturais: Uma proposta didática para aprendizagem significativa. Revista Didática Sistêmica, 8, 162-172.

Dias, S. B. N. (2013). Etnociências na sala de aula: uma possibilidade para aprendizagem significativa. Trabalho apresentado no XI Congresso Nacional de Educação, Curitiba – PR. Disponível em: . Acessado em mar/2020.

Dounias, E., & Aumeeruddy-Thomas, Y. (2017). Children’s Ethnobiological knowledge: An introduction. AnthropoChildren, 7, 1-12. Disponível em: < https://popups.uliege.be/2034-8517/index.php?id=2799>. Acessado em fev/2019.

Freitas, A. E. de C. (2014). Garra de jaguar, botão de camisa, cartucho de bala: um olhar sobre arte, poder, prestígio e xamanismo na cultura material Kaingang. Mediações, 19(2): 62-83.

Freitas, D. de, & Villani, A. (2002). Formação de professores de Ciências: um desafio sem limites. Investigações em Ensino de Ciências, 7(3), 215-230.

Galois, S., Duda, R., Hewlett, B., & Reyes-García, V. (2015). Children’s daily activities and knowledge acquisition: A case study among the Baka from southeastern Cameroon. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 11(86), 1-13.

Keuroghlian, A., Desbiez, A. L. J., BEisiegel, B. de M., Medici, E. P., Gatti, A., Pontes, A. R. M., Campos, C. B. de, Tófoli, C. F. de, Moraes-Junior, E. A., Azevedo, F. C. de, Pinho, G. M. de, Cordeiro, J. L. P., Santos-Júnior, T. da S., Morais, A. A. de, Mangini, P. R., Flesher, K., Rodrigues, L. F., & Almeida, L. B. de (2012). Avaliação do risco de extinção do Queixada Tayassu pecari Link, 1795, no Brasil. Biodiversidade Brasileira, 2(3), 84-102.

Keuroghlian, A., Eaton, D. P., & Longland, W. S. (2004). Area use by white-lipped and collared-peccaries (Tayassu pecari and Tayassu tajacu) in a tropical forest fragment. Biological Conservation, 120, 411-425.

King, U., & Furgal, C. (2014). Is hunting still healthy? Understanding the interrelationships between Indigenous participation in land-based practices and human-environmental health. International Journal of Environmental Research and Public Health, 11, 5751-5782.

Lu, F. (2010). Patterns of indigenous resilience in the Amazon: A case study of Huaorani hunting in Ecuador. Journal of Ecological Anthropology, 14(1), 5-21. Disponível em: . Acesso em: 8/2/ 2019.

Luz, A. C., Guèze, M., Paneque-Gálvez, J., Pino, J., Macía, M. J., Orta-Martínez, M., & Reyes-García, V. (2015). How does cultural change affect indigenous peoples’ hunting activity? An empirical study among the Tsimane’ in the Bolivian Amazon. Conservation and Society, 13(4), 382-394.

Luzar, J. B., & Fragoso, J. M. V. (2013). Shamanism, Christianity adn culture change in Amazonia. Human Ecology, 41: 299-311.

Maher, T. M. (2006). A formação de professores indígenas: uma discussão introdutória. In: Grupioni, L. D. B. (Ed.). Formação de Professores Indígenas – Repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. p. 11-38.

Mesquita, G. P., & Barreto, L. N. (2015). Evaluation of mammals hunting in indigenous and rural localities in Eastern Brazilian Amazon. Ethnobiology and Conservation, 4(2), 1-14.

Ohl-Schacherer, J., Shepard-Junior, G. H., Kaplan, H., Peres, C. A., Levi, T., & Yu, D. W. (2007). The sustainability of subsistence hunting by Matsigenka native communities in Manu National Park, Peru. Conservation Biology, 21(5), 1174-1185.

Paula, M. J. de, Xerente, V. S., Silva, A. A. F., Godoy, S. S., & Pezzuti, J. C. B. (2018). Collaborative research and the hunting in the Brazilian Cerrado: the case of Xerente Indigenous Land. Biota Neotropica, 18(4): 1-8.

Pereira, J. P. R., & Schiaveti, A. (2010). Conhecimentos e usos da fauna cinegética pelos caçadores indígenas “Tupinambá de Olivença” (Bahia). Biota Neotropica, 10(1): 175-183.

Peres, C. A. (1996). Population status of white-lipped Tayassu pecari and collared peccaries T. tajacu in hunted and unhunted Amazonian forests. Biological Conservation, 77, 115-123.

Ramírez, F. P., & Balladares, A. Z. (2010). Productive education and indigenous curricula in the Bolivian Amazonian region. In: Llorente, J. C., Kantasalmi, K., Simón, J. de D. (Eds.). Approaching indigenous knowledge: Complexities of the research processes. Helsinki: Institute of Behavioural Sciences. p. 131-161.

Remorini, C. (2015). Learning to inhabit the forest: Autonomy and interdependence of lives from a Mbya-Guarani perspective. In: Correa-Chávez, M., Mejía-Arauz, R., Rogoff, B. (Eds.). Advances in Child Development and Behavior. v. 49: Children Learn by Observing and Contributing to Family and Community Endeavors — A Cultural Paradigm. Londres: Elsevier. p. 273–288.

Simpson, L. B. (2014). Land as pedagogy: Nishnaabeg intelligence and rebellious transformation. Decolonization: Indigeneity, Education & Society, 3(3): 1-25.

Tommasino, K. (2003). A educação escolar indígena no Paraná. Revista Mediações, 8(1): 71-98.

Tosta, S. P. (2011). Antropologia e Educação: Interfaces em construção e as culturas na escola. Revista Inter-Legere, 1(9), 234-252.

Welch, J. R. (2015). Learning to hunt by tending the fire: Xavante youth, Ethnoecology, and ceremony in Central Brazil. Journal of Ethnobiology, 35(1), 183-208.

Wieczorkowski, J. R. S., Pesovento, A., & Téchio, K. H. (2018). Etnociência: um breve levantamento da produção acadêmica de discentes indígenas do curso de educação intercultural. Revista Ciências & Ideias, 9(3): 153-168.

Wildcat, M., Mcdonald, M., Irlbacher-Fox, S., & Coulthard, G. (2014). Learning from the land: Indigenous land-based pedagogy and decolonization. Decolonization: Indigeneity, Education and Society, 3(3), 1-15.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Valeria dos Santos Moraes-Ornellas

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn