Dados preliminares de síndromes de polinização e dispersão da flora herbácea em praças do bairro Tambiá da cidade de João Pessoa, Paraíba

Thayana Evangelista Maroja, Maria Alinny Cruz da Silva, Leticia Keyla França de Andrade, Zelma Glebya Maciel Quirino

Resumo


As áreas verdes urbanas são espaços abertos que possibilitam lazer, recreação e descanso para a população além de permitir que o homem se relacione com a natureza. As praças são consideradas áreas verdes e atuam na manutenção da biodiversidade, equilíbrio climático e outras atividades vitais para qualidade de vida da população. O presente trabalho teve como objetivo caracterizar as síndromes de polinização e dispersão em três áreas verdes urbanas na cidade de João Pessoa - PB. Foram coletadas 30 flores e 50 frutos em cada espécie, nas diferentes área de estudo. Para as flores foram observados caracteres morfológicos como cor, tipo de flor, sistema sexual e recompensa floral. Em relação aos frutos foram analisados a cor, consistência, deiscência e tipo de fruto. Foram encontradas 26 espécies de hábito herbáceo, distribuídas em 23 gêneros e pertencentes a 16 famílias. A família mais representativa foi Asteraceae com 5 espécies, seguida da Euphorbiaceae (4) e Fabaceae (3). Foram observados predominância de polinização melitófila (85%) e dispersão autocórica (52%) nas três praças estudadas. A praça da Independência apresentou maior diversidade de síndromes de polinização e dispersão para as espécies herbáceas.


Palavras-chave


área urbana; áreas verdes; melitofilia; autocoria

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALBERTI, M. The effects of urban patterns on ecosystem function. International regional science review 28, n2, 168-192, 2005.

ALFSEN, C; DUVAL, A; ELMQVIST, T. The urban landscape as a social–ecologicalsystem for governance of ecosystem services. In: NIEMELÃ, J; BREUSTE, T; ELMQVIST, G; GUNTENSPERGEN, P; JAMES, P; MCINTYRE, N. Urban ecology– Patterns, processes, and applications. Oxford: Oxford UniversityPress, 2011. p213–218.

ANDERSSON, E; BARTHEL, S; AHRNÉ, K. Measuring social-ecological dynamics behind the generation of ecosystem services. Ecological Applications 17, n.5, 1267-1278, 2007.

ARAÚJO, J. L. O. ; QUIRINO, Z. G. M. ; GADELHA-NETO, P. C. ; ARAUJO, A. C. Síndromes de polinização ocorrentes em uma área de Mata Atlântica, Paraíba, Brasil. Biotemas (UFSC) 22, n.4, 83-94, 2009.

BARROSO, G.M.; MORIN, M.P.; PEIXOTO, A.L.; ICHASO,C.L.F. Frutos e sementes - morfologia aplicada à sistemática de dicotiledôneas. Viçosa: UFV, 443p., 1999.

BATALHA, M. A; MANTOVANI, W. Reprodutive phenological patterns of Cerrado plant espécies at the Pé-de-Gigante Reserve (Santa Rita do Passa Quatro, SP, Brasil): a comparison between the herbaceous and woody floras. Revista Brasileira de Biologia 60, n.1, 129-145, 2000.

BAWA, K.S; BULLOCK, S.H; PERRY, D.R; COVILLE, R.E; GRAYUM, MH. Reproductive biology of tropical lowland rain forest trees. II. Pollination systems. American Journal of Botany 72, n.3, 345-356, 1985.

BREUSTE, T; ELMQVIST, G; GUNTENSPERGEN, P; JAMES, P; MCINTYRE, N. Urban ecology – Patterns, processes, and applications. Oxford: OxfordUniversity Press, 2011. p 263–271.

BUDKE, J.C; ATHAYDE, E.A; GIEHL, E.L.H; ZÁCHIA, R.A; EISINGER, S.M. Composição florística e estratégias de dispersão de espécies lenhosas em uma floresta ribeirinha, arroio Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Iheringia 60, n.1, 17-24, 2005.

BULLOCK, S.H. Breeding systems in the flora of a tropical deciduous forest in Mexico. Biotropica 17, n.4, 287-301, 1985.

CARA, P. A. A. Efeito de borda sobre a fenologia, as Síndromes de Polinização e a dispersão de sementes de uma comunidade arbórea na Floresta Atlântica ao norte do Rio São Francisco. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal), 2006. Recife, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 234p, 2006.

CHIVIAN, E.; BERNSTEIN, A. How human health depends on biodiversity. New York: Oxford University Press, 527 p., 2008.

CONAMA. Conselho Nacional de Meio Ambiente. Art. 8º, § 1º, da Resolução n. 369. 28 de março de 2006.

DAFNI, A; KEVAN, P.G.1997. Flower size and shape: implications in pollination. Israel Journal of Plant Sciences 45, N.2-3, 201-211, 1997.

DAVIDE, A. C.; CARVALHO, L. M. T.; BOTELHO, S. A. Identificação de áreas com potencial para regeneração natural no entorno do reservatório da UHE Funil. Lavras: CEMAC/UFLA, 2003. 352 p. (Relatório técnico).

DÍAZ, S; CABIDO, M; CASANOVES, F. Functional implications of trait-environment linkages in plant communities. In: WEIBER, E; KEDDY, P. Ecological Assembly Rules. Perspectives, advances, retreats. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. p. 338-362.

FAEGRI, K.; VAN DER PIJL, L. The principles of pollination ecology. New York: Persona Press, 1976. p 291.

GONÇALVES, E. D.; LORENZI, H. Morfologia vegetal: organografia e dicionário ilustrado de morfologia das plantas vasculares. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 512 p., 2011.

HENNIG, E. I; GHAZOUL, J. Pollinating animals in the urban environment. Urban Ecosyst 15, n.1, 149-166, 2012.

JANSON, C.H. Adaptation of fruit morphology to dispersal agents in a Neotropical Forest. Science 219, n.4581, 187-189, 1983.

LOMBARDO, M. A. Vegetação e clima. Anais. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE ARBORIZAÇÃO URBANA, Curitiba, 1-13, 1990.

MACHADO, I. C.; LOPES, A. V. Floral traits and pollination systems in the Caatinga, a Brazilian tropical dry forest. Annals of Botany 93, n.3, 365-376, 2004.

MANTOVANI, W.; MARTINS, F. R. Variações fenológicas das espécies do Cerrado da Reserva Biológica de Mogi Guaçu, estado de São Paulo. Revista Brasileira de Botânica 11, 101-112, 1988.

MASCARÓ, L. E. A. R; MASCARÓ, J. L. Vegetação urbana. Porto Alegre: UFRGS FINEP, 242p, 2002.

MENDONÇA, L. B.; ANJOS, L. Beija-flores (Aves, Trochilidae) e seus recursos florais em uma área urbana do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Zoologia 22, n. 1, 51 – 59.,2005.

MURILLO, J. Las Euphorbiaceae de Colombia. Biota Colombia 5, n.2, 183-1994, 2004.

NEWBOLD, T; HUDSON, L.N; AMELL, A. P; CONTU, S; DE PALMA, A; FERRIER, S; HILL, S.L.L; HOSKINS, A.J; LYNSENKO, I; PHILLIPS, H.R.P et al. Has land use pushed terrestrial biodiversity beyond the planetary boundary? A global assessment. Science 353, n.6296, 288–291, 2016.

OKSANEN, J.; BLANCHET, F.G.; KINDT, R.; LEGENDRE, P.; O'HARA, R.G.; SIMPSON, G.L.; SOLYMOS, P.; HENRY, M.; STEVENS, H. & WAGNER, H. (2018). vegan: Community Ecology Package. R package version 2.5-2. https://CRAN.R-project.org/package=vegan

PEDROTTI, D. E.; GUARIM-NETO, G. Flora Ruderal da cidade de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Acta Botanica Brasilica 12, n.2, 135-143, 1998.

PNAD. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2015. IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro, 108 p. 2016.

R Core Team (2018). R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. URL https://www.R-project.org/.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 171p, 2005.

SANTOS, M. F. O.; QUEIROZ, E. P.; PIGOZZO, C. M. Síndromes de polinização em fragmento urbano de Mata Atlântica do 19° Batalhão de Caçadores, Cabula, Salvador, Bahia. Revista Virtual 5, N.1, 26-39, 2009

SANTOS-FILHO, F. S.; SOARES, C. J. R. S. ; SILVA, A. C. R. ; QUEIROZ, Y. D. S. ; HONORIO, S. S. ; SILVA, F. F. . Síndromes de Polinização e de Dispersão das Espécies Lenhosas nos Parques Ambientais em Teresina, Piauí, Brasil. Revista Equador 5, n.3, 360-374, 2016.

SILBERBAUER-GOTTSBERGER, I.; GOTTSBERGER, G. A polinização de plantas do Cerrado. Revista Brasileira de Biologia 48, n. 4, 651-663, 1988.

SILVA, M.C.N.A; RODAL, M.J.N. Padrões das síndromes de dispersão de plantas em áreas com diferentes graus de pluviosidade, PE, Brasil. Acta Botanica Brasilica 23, n.4, 1040-1047, 2009.

SOUSA JÚNIOR, G. A. Zoneamento da faixa tampão do reservatório da UHE Camargos e avaliação de sua regeneração natural. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) 2005. Lavras, Universidade Federal de Lavras, 103p, 2005.

SPJUT, R.W. A systematic treatment of fruit types. New York: Memoirs of the New York Botanical Garden, 182p, 1994.

TAYLOR, L.; TAYLOR, C.; DAVIS, A. The impact of urbanisation on avian species: The inextricable link between people and birds. Urban Ecosyst 16, n.3, 481-498, 2013.

TZOULAS, K; GREENING, K. Urban ecology and human health. In: NIEMELÃ, J; TZOULAS, K; KORPELA, K; VENN, S; YLI-PELKONEN, V; KAZIMIERCAK, A; NIEMELÃ, J; et al. Promoting ecosystem and human health in urban areas using Green Infrastructure: A literature review. Landscape and Urban Planning, 81, n.3, 167–178, 2007.

VALIENTE-BANUET, A; AIZEN, M.A; ALCANTARA, J.M; ARROYO, J; COCUCCI, A; GALETTI, M; GARCIA, D; GOMEZ, J.M; JORDANO, P; MEDEL, R et al. Beyond species loss: the extinction of ecological interactions in a changing world. Functional Ecology 29, n.3, 299–307, 2015.

VAN DER PIJL, L. Principles of dispersal in higher plants. Berlin: Springer-Verlag, 218p, 1982.

VIDAL, W.N & VIDAL, M.R.R. Botânica Organografia: Quadros Sinóticos Ilustrados de Fanerógamos. Viçosa: Editora UFV, p124, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Thayana Evangelista Maroja, Maria Alinny Cruz da Silva, Leticia Keyla França de Andrade, Zelma Glebya Maciel Quirino

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn