Guardiões da memória: um estudo na Serra do Evaristo sobre os aspectos semelhantes entre cultura africana e brasileira

Luana Mateus de Sousa

Resumo


O presente trabalho busca compreender a importância que os guardiões da memória exercem na formação da cultura de crianças e jovens na comunidade quilombola Serra do Evaristo no Maciço de Baturité – CE, por meio de uma relação com o papel dos anciões na África. Metodologicamente o estudo fundamenta-se em uma abordagem qualitativa e baseia-se na pesquisa em campo, associada a leitura bibliográfica para compreender a relação entre os guardiões da memória da Serra do Evaristo e sua ligação com os ancestrais africanos. Através do estudo, perceber-se que nas sociedades africanas tradicionais a função do ancião é de transmissão da herança cultural para às novas gerações, fato semelhante ao papel do guardião da memória na comunidade quilombola da serra do Evaristo que é a de manter viva as tradições e costumes da comunidade. Demonstrando as similaridades das relações entre ancião e guardião memória no processo de formação da consciência e estratégias de luta para fortalecer a identidade de pertencimento ao território e a cultura.

Palavras-chave


Ancestralidade; Serra do Evaristo; Maciço de Baturité.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Arruti, J. M. Mocambo – Antropologia e História do processo de formação quilombola, Edusc/Anpocs, 2006.

Fiabani, A, 2008. Os Novos Quilombos: Luta Pelas Terras e Afirmação Étnica no Brasil (1988-2008). Tese de Doutorado. Programa de Pós graduação em História. Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. São Leopoldo. P.255, Brasil.

Gorayeb, A; Meireles, J. Cartografia social vem se consolidando como instrumento de defesa de direitos. Rede Mobilizadores, 10 fev. 2014.

Halbwachs, M. A Memória coletiva. Trad. de Laurent Léon Schaffter. São Paulo, Vértice/Revista dos Tribunais, 1990. Tradução de: La mémoire collective.

Lima, I. C. & Silva, D. Territórios quilombolas no Ceará: educação, processo histórico e identidades. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 5, n. 6, p. 5814-5827, 2019.

Lopes, E. D. S.; Paixão, C. F. & Santos, D. B. “Os Cansaços e Golpes da Vida”: Os Sentidos do Envelhecimento e Demandas em Saúde entre Idosos do Quilombo Rincão do Couro, Rio Grande do Sul. Psicol. cienc. prof. vol.39, Brasília, 2019.

Maia, M. E. 2015. A escola e a formação do estudante negro: o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Dissertação de Mestrado. Mestrado Acadêmico Intercampi em Educação e Ensino. Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Filosofia Dom Aureliano Matos. Limoeiro do Norte. p.102. Brasil.

Malcher, M. A. F. Formação e territorialização quilombola no estado do Pará. In: Revista da ABPN v. 9, n. 23, 2017, p.57-8.

MUNANGA, K. Origem e histórico do quilombo na África. Revista de Antropologia da USP, n. 28. São Paulo: USP, dezembro, 1995/ fevereiro, 1996.

Oliveira, et al., Cartografia Social da Comunidade Quilombola da Serra do Evaristo-Baturité–CE: Um estudo de caso. REGNE, Vol. 2, Nº Especial, 2016.

Santos, J. 2019. Formação, educação e práticas socioambientais sustentáveis: um estudo na comunidade quilombola da Serra do Evaristo, Baturité - Ceará. Dissertação de mestrado, Mestrado acadêmico em Sociobiodiversidade e Tecnologias Sustentaveis. Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira. Redenção-CE. p.104. Brasil.

Wiredu, K. As religiões africanas desde um ponto de vista filosófico. Tradução para uso didático de WIREDU, Kwasi. African Religions from a Philosophical Point of View In: TALIAFERRO, Charles; DRAPER, Paul; QUINN, Philip L. (eds.). A Companion to Philosophy of Religion. Second Edition. Malden; Oxford; West Sussex: Blackwell, 2010, p. 34-43, por Lana Ellen T. de Sousa. Revisão de Wanderson Flor do Nascimento.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Luana Mateus de Sousa

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn