Mutirão agroflorestal: experiência de participação e percepção sobre a temática ambiental

Mayara Grazielle Consentino Ferreira da Silva, Cristiane Pimentel Victório

Resumo


R E S U M O

 

O artigo trata-se de uma pesquisa qualitativa por meio da entrevista semiestruturada feita com participantes dos mutirões agroflorestais realizados em uma praça em Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Os sistemas agroflorestais baseiam-se na associação entre plantas herbáceas e arbóreas de maneira sequencial ou simultânea, conciliando produção com conservação ambiental. As entrevistas semiestruturadas foram realizadas entre abril e agosto de 2019 de maneira presencial, analisadas através da análise de conteúdo. O objetivo da pesquisa foi conhecer a experiência de participação e descobrir a percepção dos entrevistados sobre assuntos relacionados à temática ambiental. Conclui-se que a experiência de participação no mutirão agroflorestal foi significativa. Os entrevistados apresentaram tanto percepções mais ingênuas quanto mais críticas sobre a área ambiental. Além disso, alguns entrevistados relataram algum tipo de aprendizado.

 

Palavras-Chaves: Mutirão agroflorestal, Experiência de participação, Percepção ambiental, Educação ambiental.

 

Agroforestry task force: experience of participation and perception on the environmental theme

 

A B S T R A C T

 

The article is a qualitative research through a semi-structured interview made with participants of the agroforestry task forces carried out in a square in Campo Grande, West Zone of Rio de Janeiro. Agroforestry systems are based on the association between herbaceous and arboreal plants sequentially or simultaneously, reconciling production with environmental conservation. The semi-structured interviews were conducted between April and August 2019 in person, analyzed through content analysis. The objective of the research was to know the experience of participation and to discover the perception of the interviewees on subjects related to the environmental theme. It is concluded that the experience of participating in the agroforestry task force was significant. The interviewees presented both more naive and more critical perceptions about the environmental area. In addition, some interviewees reported some type of learning.

 

Keywords: Agroforestry task force, Participation experience, Environmental perception, Environmental education.


Palavras-chave


Mutirão agroflorestal, Experiência de participação, Percepção ambiental, Educação ambiental.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Amador, D. B. (2017). Educação agroflorestal e a perspectiva pedagógica dos mutirões agroflorestais. In: Canuto, J. C. (Ed.). Sistemas Agroflorestais: experiências e reflexões. Brasília: Embrapa.

Barbosa, D. R., & Ramos, K. M. S. (2015). Rio da Prata de Campo Grande, a resistência do sertão carioca e a permanência do rural no urbano. Khóra, Revista Transdisciplinar, 2(2).

Carneiro, F. F., Rigotto, R. M., Augusto, L. G. S., Riedrich, K., & Búrigo, A. C. (Orgs.). (2015). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular.

Ceccon, S. (2014). A educação ambiental em diálogo com os princípios de Paulo Freire. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2018.

Dias, M. C. O. (2017). População quilombola e Unidade de Conservação: outro olhar sobre a paisagem de um parque urbano. Revista Argumentos, Montes Claros, 14(2), 3-22.

Donalisio, M. R., Freitas, A. R. R., & Zuben, A. P. B. V. (2017). Arboviroses emergentes no Brasil, desafios para a clínica e implicações para a saúde pública. Revista de Saúde Pública, 51(30), 1-6.

Freire, P. (2000). Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP.

Freire, P. (2018). Pedagogia do oprimido (65 ed.). Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra.

Freitas, L. A. A., & Freitas, A. L. C. (2014). A Crise Socioambiental: Uma Crise Civilizatória. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 31(1), 24-40.

Guimarães, M. (2013). Por uma educação ambiental crítica na sociedade atual. Margens Interdisciplinares, 1(9), 11-22.

Layrargues, P. P., & Lima, G. F. C. (2011). Mapeando as macro-tendências político-pedagógicas da educação ambiental contemporânea no Brasil. Anais do VI Encontro ‘‘Pesquisa em Educação Ambiental’’, Ribeirão Preto, SP, Brasil, 15.

Luz, W. C., & Tonso, S. (2015). Construção de indicadores e parâmetros de educação ambiental crítica. Anais do VIII Encontro Pesquisa em Educação Ambiental, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 8.

Miccolis, A., Peneireiro, F. M., Marques, H. R., Vieira, D. L. M., Arco-Verde, M. F., Hoffmann, M. R., Rehder, T., & Pereira, A. V. B. (2016). Restauração Ecológica com Sistemas Agroflorestais: como conciliar conservação com produção. Opções para Cerrado e Caatinga. Brasília: Instituto Sociedade, População e Natureza – ISPN/Centro Internacional de Pesquisa Agroflorestal – ICRAF.

Miller, G. T., & Spoolman, S. E. (2015). Ciência Ambiental. São Paulo: Cengage Learning.

Oliveira, M. A. S. A. (2017). Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, entre o rural e o urbano. Iluminuras, Porto Alegre, 18(45), 325-349.

Ministério do Meio Ambiente (Brasil). (2017). Fundamentos e Práticas de Educação Ambiental para Espaços Educadores: módulo 1 - introdução e fundamentos de educação ambiental. (Apostila de curso EAD).

Santos, A. H. (2018). A justiça ambiental e os novos direitos constitucionais: a função socioambiental dos territórios quilombolas do Parque Estadual da Pedra Branca. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 20(3), 457-478.

Munhoz, R. H., & Knüpfer, R. E. N. (2017). Educação Ambiental Crítica: algumas dimensões e sua epistemologia. Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, SC, Brasil, 8.

Reiniger, L. R. S., Wizniewsky, J. G., & Kaufmann, M. P. (2017). Princípios de agroecologia. Santa Maria: UFSM, NTE, UAB.

Silva, R. O., & Steenbock, W. (2013). Aspectos pedagógicos no processo de ensino-aprendizagem de agrofloresta, no âmbito da cooperafloresta. In: Steenbock, W., Silva, L. C., Silva, R. O., Rodrigues, A. S., Perez-Cassarino, J., & Fonini, R. (Orgs.). Agrofloresta, ecologia e sociedade. Curitiba: Kairós.

Schumacher, J., Rocha, E. L., & Martinez, L. S. (2015). Paulo Freire e a educação ambiental como ato político: uma reflexão necessária. Anais do IX Seminário Nacional Diálogos com Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização, Igrejinha, RS, Brasil, 8.

Silva, L. T. M., & Victório, C. P. (2021). Áreas verdes na Zona Oeste do Rio de Janeiro: patrimônio ambiental de Mata Atlântica. Meio Ambiente (Brasil), 3(1), 112-136.

Smac - Secretaria Municipal de Meio Ambiente. (2021). Sig-floresta - Data Rio. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2021.

Varjabedian, R. (2010). Lei da Mata Atlântica, Retrocesso ambiental. Estudos Avançados, 24(68), 147-160.

Victório, C. P., & Silva, M. G. C. F. (2020). Urban and community agroforestry: an experience in Campo Grande, West Zone of Rio de Janeiro. InterEspaço: Revista de Geografia e Interdisciplinaridade, 6.

Victório, C. P., & Tadeu, L. (2019). Nature trails in the Atlantic Forest as a resource for teaching Botany. Práxis, 11(22), 9-22.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Mayara Grazielle Consentino Ferreira da Silva, Cristiane Pimentel Victório

Revista Brasileira de Meio Ambiente | ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn