Distribuição espacial de famílias botânicas em uma savana amazônica brasileira

Hilton Lucas Gonçalves Durão, Kelli Garboza da Costa, Carla Braga Perreira

Resumo


As savanas amazônicas vêm sofrendo constante degradação ambiental devido a ações humanas por queimadas e exploração ilegal de areia branca para a construção civil. Poucos estudos sobre a flora foram desenvolvidos nesse ecossistema. O presente estudo teve como objetivo avaliar a distribuição espacial das famílias botânicas em uma savana do município de Cametá (PA). Para identificação das espécies herbáceas e arbustivas foram coletadas amostras e o número de indivíduos em 25 quadrantes (1 m²), divididos em cinco zonas. Um total de 41 espécies de plantas foram coletadas, sendo 15 arbustivas e 26 herbáceas. Poaceae, Cyperaceae e Eriocaulaceae são as mais diversas, mais abundantes, com os maiores valores de densidade e mais frequentes, representando 80% da comunidade. As zonas A e D se assemelham devido a predominância de Fabaceae-Caesalpinioideae e Portulacaceae. As zonas B, C e E obtiveram mais semelhança por conta dos altos índices fitossociológicos das famílias Poaceae e Cyperaceae. O estudo demonstrou que o estrato herbáceo predomina na savana amazônica cametaense. A abundância relativa demonstra uma distribuição equitativa das famílias dentro de cada quadrante, porém, uma variação espacial significativa que pode ser notada através da paisagem. Foi observada a presença de espécimes indicadoras (famílias comuns e raras), podendo contribuir para estudos científicos de vegetação natural que consubstanciam estratégias de conservação.


Palavras-chave


Amazônia, Gramíneas, Fitossociologia.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Amaral, D. D., Rocha, A. L., Pereira, J. L. G., & Costa Neto, S. V. (2019). Identificação dos subtipos de savanas na Amazônia oriental (Pará e Amapá, Brasil) com uma chave dicotômica de individualização. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Ciências Naturais,14(2), 83-195.

Barbosa, R. I., & Miranda, I. S. (2004). Fitofisionomias e diversidade vegetal das savanas de Roraima. In: Barbosa, R. I., Xaud, H. A. M., & Costa, S. J. M (eds). savanas de Roraima - etnoecologia, biodiversidade e potencialidades agrossilvipastoris. Boa Vista: FEMACT.

Chaves, P. P., & Ferreira, L. V. (2014). Variação da riqueza e composição de espécies da vegetação arbustiva dos campos rupestres da serra norte na floresta nacional de Carajás, Pará. Pesquisas botânica, 65(9), 201-216.

Chaves, A. D. C. G., Santos, R. M. S., Santos, J. O., Fernandes, A. A., & Maracajá, P. G. 2013. A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. ACSA – Agropecuária Científica no Semiárido, 9(2), 43-48.

Dias, L. C., Moschini, L. E., & Trevison, D. P. (2017). A influência de atividades antrópicas na paisagem da área de proteção ambiental estadual do rio Pandeiros, MG – Brasil. Fronteiras: jornal of social, technological and environmental Science, 6(2), 85-105.

Felfili, J. M., & Rezende, R. P. (2003). Conceitos e métodos em fitossociologia. Comunicações Técnicas Florestais, 5(1), 1-68.

Ferreira, C. A. C. (2009). Análise comparativa de vegetação lenhosa do ecossistema campina na Amazônia brasileira. Tese de doutorado, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Manaus, AM, Brasil.

Ferreira, L. V., Chaves, P. P., Cunha, D. A., Rosário, A. S., & Parolim, P. A. (2013). Extração ilegal de areia como causa do desaparecimento de campinas e campinaranas no estado do Pará, Brasil. Pesquisas botânica, 64(5), 157-173.

Ferreira, L. V., Chaves, P. P., Cunha, D. A., & Parolim, P. (2014). Florística e estrutura das campinaranas do baixo rio Tocantins como subsídio para a criação de novas unidades de conservação no estado do Pará. Pesquisas botânica, 65(7), 69-182.

Ferreira, L. V., Thales, M. C., Pereira, J. L. G., Fernandes, J. A., Furtado, C. S., & Chaves, P. P. (2010) Biodiversidade. In: Monteiro, M. A., Menezes, R. C., & Galvão, I. F. (coord.). Zoneamento Ecológico-Econômico da Zona Leste e Calha Norte do Estado do Pará: Diagnóstico do Meio Físico-Biótico. Belém: Núcleo de Gerenciamento do Programa Pará Rural, p. 25-102.

Filgueiras, T. S., & Pereira, B. A. S. (1994). Flora do Distrito Federal. In: Pinto, M. N (Ed.). Cerrado, caracterização, ocupação e perspectivas. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, p. 345-404

Filgueiras, T. S. Herbaceous plant communities. (2002) In: Oliveira, P. S.; Marques J. R (eds). The cerrados of Brazil: Ecology and natural history of a neotropical savanna. Columbia University Press, 121-139.

Flora do Brasil. (2020). Jardim botânico do Rio de Janeiro. Rio de janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acesso em: 20/09/2020.

Gonçalves, C. N., Mesquita, F. W., Lima, N. R. G., Coslope, L. A., & Lintomen, B. S. (2011). Recorrência dos Incêndios e Fitossociologia da Vegetação em Áreas com Diferentes Regimes de Queima no Parque Nacional da Chapada Diamantina. Biodiversidade Brasileira, 2(6), 161-179.

Govaerts, R., Simpson, D. A., Goetghebeur, P., Wilson, K. L.; Egorova, T., & Bruhl, J. (2007). World checklist of Cyperaceae. Kew: The Board of Trustees of the Royal Botanic Gardens.

Guimarães, F. S., & Bueno, G. T. (2016). As campinas e campinaranas amazônicas. Caderno de Geografia, 26(45), 113-133.

Heringer, I., & Jacques, A. V. A. (2001). Adaptação das plantas ao fogo: enfoque na transição floresta – campo. Ciência Rural, 31(6), 085-1090.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2008). Mapa de vegetação da Amazônia Legal. Brasília. Disponível em: https://mapas.ibge.gov.br/tematicos/amazonia-legal.html. Acesso em: 14/09/2020.

IDESAP - Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará. (2011). Estatística municipal, Cametá. Belém. Disponível em: http://www.fapespa.pa.gov.br/upload/Arquivo/anexo/357.pdf?id=1463578473. Acesso em: 14/02/2020.

MADERGAN, S. F. (2007). Abundância Natural de N em Solos e Folhas de Áreas de Campina e Campinarana da Reserva Biológica da Campina – INPA, Região de Manaus, Amazonas. Dissertação de Mestrado, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/Fundação da Universidade do Amazonas, Manaus, AM, Brasil.

Mardegan, S. F., Nardoto, G. B., Higuchi, N., Moreira, M. Z., & Martinelli, L. A. (2009). Nitrogen availability patterns in white-sand vegetations of Central Brazilian Amazon. TREES, 23(2), 479- 488.

Magnossum, W. E., Lima, A. P., Albernaz, A. L. K. M., Sanaiotti, T. M., & Guillaumet, J. L. (2008). Composição florística e cobertura vegetal das savanas na região de Alter do Chão, Santarém – PA. Revista Brasileira de Botânica, 31(1) 165-177.

Monteiro, E. D. (2013). Ecologia de paisagem aplicada à análise fitogeográfica dos campos de natureza do município de Cametá-Pará. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.

Moraes, B. C. D., Costa, J. M. N. D., Costa, A. C. L. D., & Costa, M. H. (2005). Variação espacial e temporal da precipitação no estado do Pará. Acta Amazonica, 35(2), 207-214.

Prance, G. T. (1975). Estudos sobre a vegetação das Campinas Amazônicas. Introdução a uma série de publicações sobre a vegetação de Campinas Amazônicas. Acta Amazonica, 5(3), 207-209.

Rocha, A. E. S., & Costa Neto, S. V. (2019). Florística e fitossociologia do estrato herbáceo/arbustivo em 19 áreas de savanas amazônicas, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi - Ciências Naturais, 14(2), 159-181.

Rocha, A. E. S., Miranda, I. S., & Costa Neto, S. V. (2014). Composição florística e chave de identificação das Poaceae ocorrentes nas savanas costeiras amazônicas, Brasil. Acta Amazonica, 44(3), 301-314.

Santos, C. P. F., Valles, G. F., Sestini, M. F., Hoffman, P., Dousseau, S. L., & Homem de Mello, A. J. (2007). Mapeamento dos remanescentes e ocupação antrópica no bioma Amazônia. Anais do Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, SC, Brasil, 8.

SiBBr - Sistema de Informação Sobre a Biodiversidade Brasileira. (2020). Explore sua área. Brasília. Disponível em: https://ala-hub.sibbr.gov.br/ala-hub/explore/your-area#-15.7801/-47.9292/12/ALL_SPECIES. Acesso em: 21/08/2020.

Sanaiotti, T. M., Martinelli, L. A., Victoria, R. L., Trumbore S. E., & Camargo, P. B. (2002). Past vegetation changes in Amazon savanas determined using carbon isotopes of soil organic matter. Biotropica, 34(5), 2-16.

Silva, C. L. B. (2018). Cyperaceae Juss. nos campos de natureza de cametá, Pará, Amazônia, Brasil. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal Rural da Amazônia e Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, PA, Brasil.

Silva, H. L. S.; Rocha, A. L., & Santos, J. U. M. 2014. Leguminosae em savanas do estuário amazônico brasileiro. Rodriguésia, 65(2), 329-353.

Watanage, M. T. C., Chagas, E. C. O., & Giulietti, A. M. (2017). Flora das cangas da Serra dos Carajás, Pará, Brasil: Eriocaulaceae. Rodriguésia, 6(3), 965-978.

Wittmann, F., Zorzi, B. T., Tizianel, F. A. T., Urquiza, M. V. S., Faria, R. R., Sousa, N. M., Módena, E. S., Gamarra, R. M., & Rosa, A. L. M. (2008). Tree Species Composition, Structure and Aboveground Wood Biomass of a Riparian Forest of the Lower Miranda River, Southern Pantanal, Brazil. Folia Geobotanica, 43, 397-411.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Hilton Lucas Gonçalves Durão, Kelli Garboza da Costa, Carla Braga Perreira

Revista Brasileira de Meio Ambiente | ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn