A relação da população urbana com as áreas verdes locais, segundo a percepção dos moradores de uma cidade da região metropolitana de São Paulo (Brasil)

Guilherme Nogueira Martins, Augusto Tolentino Camargo, Danilo Correia da Silva, Luiz Felipe Bedore Lima, Rafael Borges Rosa

Resumo


As áreas verdes urbanas são locais com a presença de espécies botânicas nos centros urbanizados. Podem ser públicas como hortas comunitárias, praças, parques, arborização de vias ou unidades de conservação, ou privadas como os quintais residenciais. Esses locais provêm diversos benefícios ao homem e ao meio ambiente, como conservação da biodiversidade, atenuante dos efeitos da poluição, fornecimento de alimentos, utilizações de cunho medicinais, culturais e religiosos, permeabilidade do solo, sensações de bem-estar, dentre outros. A forma como os seres humanos percebem e se relacionam com esses espaços podem ser peças fundamentais para a conservação, ampliação e melhorias nestes locais. Objetivou-se neste artigo identificar a relação e percepção da população da Vila Jaguaribe, Osasco, SP, sobre as áreas verdes urbanas, sendo elas restritas a quintais, praças e parques. Para isso, foram realizadas entrevistas por meio de um questionado estruturado, com os moradores da Vila Jaguaribe. Este bairro misto (residencial e comercial) dispõem de 3 praças e 2 parques. Os dados foram compilados, classificados e analisados pelos softwares SPSS 25 e Iramuteq 0.7 alpha 2. Os resultados indicam a estreita relação dos entrevistados com os quintais residenciais, sendo que 98% das residências entrevistadas possuí ao menos uma planta cultivada, sendo as mesmas utilizadas para usos ornamentais (87,54%), alimentícios (5,61%), medicinais (5,26%) e mágicas (1,58%). Em relação as praças e parques, obtiveram declarações similares, como sendo um espaço de lazer, recreação e práticas esportivas, mas que carece principalmente de segurança. Os entrevistados solicitaram mais atividades culturais e segurança nos espaços.


Palavras-chave


Percepção Ambiental; Áreas Verdes Urbanas; Planejamento Urbano;

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Albuquerque de, U. P. (2005). Introdução à etnobotânica. Interciência.

Bargos, D. C., & Matias, L. F. (2011). Áreas verdes urbanas: um estudo de revisão e proposta conceitual. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 6(3), 172-188.

Barros, R. C. J., & Ferreira, A. P. D. N. L. (2017). Praça Sílvio Romero: Infraestrutura e Percepção de frequentadores em São Paulo–SP. Periódico Técnico e Científico Cidades Verdes, 5(11).

Bomm, B. F. H., Biondi, D., dos REIS, A. R. N., Ho, T. L., de OLIVEIRA, J. D., & MARTINI23, A. (2020). Percepção dos moradores sobre os canteiros da arborização viária de Curitiba, Paraná. Acta Biológica Catarinense, 7(1), 46-56.

Campos, R. B. F., & Castro, J. M. (2017). Áreas verdes: Espaços urbanos negligenciados impactando a saúde. Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, 8(1), 106-116.

Castro, S. M., Castro Morini, M. S., Nagatani, V. H., dos Santos, I. F., Alvares, L. R., de Campos Mello, T. R., & de Melo Bonini, L. M. (2020). Visitantes de um parque urbano oriundo de área degradada pela mineração: perfil e percepção ambiental. South American Development Society Journal, 6(16), 164.

Dorigo, T. A., & Lamano-Ferreira, A. P. N. (2015). Contribuições da percepção ambiental de frequentadores sobre praças e parques no Brasil (2009-2013): revisão bibliográfica. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 4(3), 31-45.

Depollo, M. L., & Bovo, M. C. (2020). A pequena cidade e a praça: diferentes funcionalidades do espaço público. Brazilian Journal of Development, 6(7), 49498-49508.

Fernandes, M. M. D. C. (2019). Espaços públicos urbanos dialógicos: a praça Matriz-o caso da praça Rui Barbosa. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual Paulista, Bauru-SP, 352 p, Brasil.

Freitas, A. V. L., Coelho, M. D. F. B., Biserra, Y., Pereira, E. C. D. F. N., Camili, E. C., & Spiller, C. (2020). Farmers homegardens in São João da Varzea, Rio Grande Do Norte, Brazil. Journal of Global Biosciences, 9(2), 6819-6841.

FREITAS, Ruskin; AZERÊDO, Jaucele. Do natural ao construído: proposta para estimar acúmulo de calor em metrópoles. Cadernos Metrópole, v. 23, n. 50, p. 331-354, 2021.

George, M. V., & Christopher, G. (2020). Structure, diversity and utilization of plant species in tribal homegardens of Kerala, India. Agroforestry Systems, 94(1), 297-307.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/osasco/panorama. Acesso em: 21/05/2020.

Klepacki, P., & Kujawska, M. (2018). Urban allotment gardens in Poland: Implications for botanical and landscape diversity. Journal of Ethnobiology, 38(1), 123-137.

Lamano-Ferreira, A. P. N., Ferreira, M. L., Francos, M. S., & Molina, S. M. G. (2015). Espaços residenciais urbanos e suas implicações na conservação da biodiversidade. Estudos Urbanos: uma abordagem interdisciplinar da cidade contemporânea. 1ed. Tupã: ANAP, 349-362.

Loboda, C. R., & De Angelis, B. L. D. (2005). Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência, 1(1), 125-139.

Londe, P. R., & Mendes, P. C. (2016). Qualidade ambiental das áreas verdes urbanas na promoção da saúde: o caso do parque municipal do Mocambo em Patos de Minas/MG. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 12(22), 177-196.

MACEDO, T. J. R., & ROCHA, Y. T. (2010). Qualidade ambiental urbana do bairro Jaguaribe, Município de Osasco, Estado de São Paulo, Brasil. Anais do VII Seminário Latino Americano de Geografia Física, II Seminário Ibero Americano de Geografia Física, Portugal, Universidade de Coimbra, 1-13.

Mallmann, A. D. S. (2019). Praça Municipal do Parque Alvorada-Dourados/MS: apropriação do espaço público como lugar de lazer. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 109 p, Brasil.

Miranda, R. W. S, & Soares, D. A. S. (2021). Percepção da degradação patrimonial e de áreas verdes na cidade de Belém (Pará, Brasil) e as implicações para o turismo. Turismo e Sociedade, 13(3).

Souza Mota, M., de Moura Régis, M., & do Nascimento, A. P. B. (2019). Perfil e Percepção Ambiental dos Frequentadores do Parque Tenente Siqueira Campos (Trianon), no Município de São Paulo/SP. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista, 15(2).

Martins, G. N., do Nascimento, A. P. B., & Gallardo, A. L. C. F. (2020). QUALIDADE DE PRAÇAS E PARQUES URBANOS PELA PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO. Revista Projetar-Projeto e Percepção do Ambiente, 5(3), 34-47.

Queiroz, D. P. N., & do Nascimento Lamano-Ferreira, A. P. (2014). Diversidade e uso de plantas cultivadas em quintais residenciais urbanos localizados na região da Vila Maria, zona norte de São Paulo, SP, Brasil. Journal of Health Sciences, 16(4).

Quinlan, M. (2005). Considerations for collecting freelists in the field: examples from ethobotany. Field methods, 17(3), 219-234.

Moura Regis, M., & do Nascimento Lamano-Ferreira, A. P. (2015). Espaços Residenciais: Percepção e Cultivo de Plantas em Duas Regiões da Zona Leste do Município de São Paulo. Journal of Health Sciences, 17(4).

SÃO PAULO. Lei nº 17.202 de 16 de outubro de 2019, que determina uma taxa mínima de área permeável nas residências do município de São Paulo, SP, Brasil, e dá outras providências. Casa Civil, 16 de out. Disponível em: . Acessado em abril/2021. 2019.

Santos, S. R., Francos, M. S., & do Nascimento Lamano-Ferreira, A. P. (2014). perfil socioambiental de moradores que cultivam recursos vegetais em espaços residenciais no município de Guarulhos, SP. Periódico Técnico e Científico Cidades Verdes, 2(3).

Santos, T. B., Do Nascimento, A. P. B., & de Moura Regis, M. (2019). Áreas verdes e qualidade de vida: uso e percepção ambiental de um parque urbano na cidade de São Paulo, Brasil. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 8(2), 363-388.

Silva, I. G., da Costa, M. E. L., Bacarji, A. G., da Silva, J. L., & da Silva, S. L. C. (2019). Valoração econômica ambiental: Comparação de técnicas em uma unidade de conservação urbana, Cuiabá, Mato Grosso. Profiscientia, (12), 154-169.

Silva, J. R.O., de Oliveira Silva, I. C., Coelho, M. D. F. B., & Camili, E. C. (2019). As plantas e seus usos nos quintais de Alta Floresta, Mato Grosso. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 14(3), 420-428.

Szeremeta, B., & Zannin, P. H. T. (2013). A importância dos parques urbanos e áreas verdes na promoção da qualidade de vida em cidades. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, 29, 177-193.

Tuan, Y. F. (2012). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. SciELO-EDUEL.

Viero, V. C., & Barbosa Filho, L. C. (2009). Praças públicas: origem, conceitos e funções. Jornada de Pesquisa e Extensão. Anais da ULBRA. Santa Maria, 1-3.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Guilherme Nogueira Martins, Augusto Tolentino Camargo, Danilo Correia da Silva, Luiz Felipe Bedore Lima, Rafael Borges Rosa

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn