Educação socioambiental na escola: olhares sustentáveis sobre os resíduos oriundos da pesca e mariscagem

Betânia Cristina Guilherme, John Lennon Crystian da Silva, Risoneide Nunes de Morais, Jerônimo Costa Bezerra Júnior, Juliana Maria Aderaldo Vidal-Campello, Weruska de Melo Costa

Resumo


A educação Ambiental (EA) numa perspectiva socioambiental fortalece na construção de uma cidadania ambiental em prol da sustentabilidade e a formação cidadã. A abordagem socioambiental foi se consolidando no final da década de 90 a partir do olhar ecológico através da estreita conexão entre os processos naturais de degradação ambiental e os modos sociais de uso dos recursos naturais, criando-se aí a problemática socioambiental. Neste sentido o objetivo da pesquisa é descrever as ações referentes à educação socioambiental em uma escola pública a partir de atividades sustentáveis sobre os resíduos oriundos da pesca e mariscagem. As atividades que permearam a Educação Socioambiental na escola foram confecção do artesanato com escamas de peixes e conchas de mariscos, bem como, a produção de blocos, letras e animais tendo como a matéria prima, cascas de sururu e gesso. As atividades foram vivenciadas com quinze estudantes do ensino Médio da educação básica que participam do núcleo escolar pesquisa (NEP) da escola EREM João Bezerra, localizada na região do baixo Capibaribe. Registramos que o processamento das conchas e escamas de peixes tornaram-se um produto final alternativo de baixo custo para criação de peças decorativas que promovem a redução de poluentes e gera uma fonte renda complementar para comunidade ribeirinha. Como resultado educacional, registramos envolvimento dos estudantes nas discussões científicas e maior engajamento para resolver problemáticas locais. Assim consideramos que as ações de EA são importantes na construção de uma identidade ecológica em prol do desenvolvimento sustentável.

DOI

Palavras-chave


Sustentabilidade; Resíduos sólidos; educação ambiental

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ARAÚJO, C. P. A. Construindo saberes e práticas em educação socioambiental. (2013). Monografia Recife: Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 79p, Brasil.

BRANDÃO, C. R. (2005): Pesquisa Participante. In: Encontros e Caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA, 257-266.

BRASIL (2012). Resolução CNE/CP 2/2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. DOU 18.06..

CARVALHO, I. C. M. (1998). Em Direção ao Mundo da Vida: Interdisciplinaridade e Educação Ambiental. Brasília: IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas.

CARVALHO, I. C. M. (2008). Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. (3a. Ed.). São Paulo: Cortez.

COSTA, W. de M.; VIDAL, J. M. A.; VEIGA, M. C. M.; RODRIGUES, J. M.; SANTOS, J. F. (2016). Aproveitamento de resíduos de pescado: o artesanato com escamas de peixe. Revista Ciência em Extensão (12): 8-17.

COSTA, W. de M.; VIDAL, J. M. A.; SANTOS, J. F.; GUERRA, C. A. M. (2015). O açude saco em Serra Talhada-PE como unidade produtiva. Revista meio ambiente e sustentabilidade, 9(4): 282-296.

COSTA, W. de M.; VIDAL, J. M. A.; VEIGA, M. C. M.; ROCHA, M. A. (2018). Inovando artesanto com escamas de peixe: Tingimento natural e Marca. Revista ambiente: gestão e desenvolvimento, 11(1): 85-101.

.

FREIRE, P. (2007). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 287p.

FIRMINO, H.C. T.; CHAGAS, T. F. das; MELO, P. A.; SILVA, L. B. da. Caracterização de compósitos particulados de polietileno de alta densidade/pó de concha de molusco. Matéria (Rio Janeiro), Rio de Janeiro, 22(4): 11879, 2017. Disponível em. acessos em 15 out. 2020.

JACOBI, P. (2003). Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa. 118:189-205.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. (2010).

Fundamentos de metodologia científica: Técnicas de pesquisa. 7 ed. – São Paulo: Atlas.

OLIVEIRA, B. M. C. de. 2016A gestão dos resíduos da mariscagem pernambucana. Dissertação mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, CFCH. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Recife, Brasil.

PEREIRA, M. O. da R. (2006). Educação Ambiental com pescadores artesanais: um convite à participação. Dissertação Mestrado. Fundação Universidade do Rio Grande do Sul,150, Brasil.

PEREIRA, K. L. S.; SARAIVA, A. G. (2019). Ações de sustentabilidade do descarte e utilização de conchas de mariscos na comunidade pesqueira do distrito de Livramento, Santa Rita (PB). Revista Brasileira de Educação Ambiental, 14 (2), 189-200.

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental. São Paulo, 1994. 77p.

TENÓRIO, H. C. L.; MOTTA, SURUAGY, P. DE M.; GONÇALVES, L. B.; MARINHO, A. A. (2014). Reaproveitamento de conchas de mariscos e resíduos da construção civil em Alagoas. Cadernos de Graduação. Ciências exatas e tecnológicas. Maceió.1(1):61-71. Disponível em < https://core.ac.uk/download/pdf/230433784.pdf> acessos em 14 out. 2020.

SANTOS, G; VEIGA, M. C. M.; MELO JÚNIOR, C. A. F.;

ARAÚJO, T. M. L.; COSTA, W. M.; VIDAL, J. M. A.; SANTOS, J. F.; SILVA, S. G. (2012). Beneficiamento de escamas de pescado do Mercado de São José, Recife-Pernambuco. In: AQUACIENCIA, Palmas. Anais. Palmas: UFRPE, p. 01.

SILVA, A. P. G.; COSTA, W. M.; VIDAL, J. M. A. (2011). Processamento de escamas para confecção de peças artesanais. In: JORNADA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO – JEPEX 2011, 13, Recife. Anais... Recife: UFRPE, 2011.

SILVA, D.; DEBACHER, N. A.; JUNIOR, A. B. DE C.; ROHERS, F. (2010). Caracterização físico-química e microestrutural de conchas de moluscos bivalves provenientes de cultivos da região litorânea da ilha de Santa Catarina. Química Nova, São Paulo, 33(5): 1053-1058. Disponível em . acessos em 15 out. 2020. ]

SOARES, M. F. M.; ARAÚJO, L. M. S. ; FARIAS, W. L.; CAJADO, D. M; LOPES, E. G. F. A.; PINHEIRO, I. O. (2015). Extensão universitária na comunidade pesqueira de Itarema (CE). Extensão em ação, 1(8): 29-41.

VEIGA, M. C. M.; MOURA, J. R.; VIDAL, J. M. A.; ROCHA, M. A.V.; COSTA. W. de M. (2015). Tingimento natural: Alternativa ecológica no aproveitamento de escamas de peixes. Cadernos de Agroecologia, 10 (3): 1-5.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Betânia Cristina Guilherme

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn