Política ambiental e as faces do mercado imobiliário na RMR: apropriação da natureza, empreendedorismo e símbolos ambientais

Ronaldo Campos, Fabiano Diniz, Josimar Reis

Resumo


Os estudos atuais sobre política ambiental no contexto do mercado imobiliário tratam na maioria da regulação dos espaços sócio-ambientais no urbano. Observa-se a dinâmica do mercado imobiliário como mecanismo excludente nos espaços urbanos provocando degradação ambiental. A apropriação imobiliária nos espaços ambientais representa desafios entre a modernidade urbanística e a necessidade de preservação do ambiente natural. Os símbolos ambientais utilizados pelo mercado imobiliário apontam o ambiente natural no processo de mercantilização, geram ofertas através do uso dos selos ecológicos e consolidam a mercadoria natureza no comércio capitalista dos símbolos ambientais. Deste modo, o objeto de pesquisa é a Região Metropolitana do Recife (RMR), Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, cidades onde a natureza transformada em símbolos ambientais pelo mercado empreendedor tornou-se cada vez mais visível. A análise parte da bibliografia temática, documentos e levantamento empírico nos espaços litorâneos destas cidades representantes da natureza expropriada pelo mercado imobiliário. Os resultados apontam a natureza sendo explorada de forma contínua como mercadoria nos discursos oficiais das oligarquias empreendedoras do setor imobiliário turístico.

Palavras-chave


Política ambiental, Mercado imobiliário, Símbolos ambientais

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


CAMPOS, R. Política Ambiental e Mercado Imobiliário: A mercantilização do espaço nolitoral sul da RMR. Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, 2017.

CAMPOS, R.; PONTES, B. A. N. M. Impactos dos Ecomegaempreendimentos Imobiliários na Ocupação do Espaço Urbano da Região Metropolitana do Recife. Anais do XV Encontro da Associação Nacional de Planejamento Urbano e Regional, Recife, 2013. In: XV ENANPUR, 1, ST1-1216, 1-18, 2013.

CPRH. Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (CPRH). Diagnóstico do turismo nos municípios do Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca e São José da Coroa Grande. Recife: CPRH, 2005.

FOLADORI, G. Limites do Desenvolvimento Sustentável. São Paulo: UNICAMP, 2001.

LAYRARGUES, P. P. A Crise Ambiental e suas Implicações na Educação. In: QUINTAS, J.S. (Org.) Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente. Brasília: IBAMA, 2002. p.159-196.

LEAL, S. Produtos e Inovações na Oferta Imobiliária nas Cidades Brasileiras: Os ‘ecomegaempreendimentos’ na metrópole do Recife. Recife: NUGEPP/MDU/CNPq, 2012.

OLIVEIRA, J. A. P. Instrumentos econômicos para gestão ambiental, Lições das experiências nacional e internacional. Salvador: NEAMA, 2003.

SILVA, A.F. C. da; FERREIRA, A. L. Três Momentos da Urbanização Turística: estado, mercado e desenvolvimento regional no Nordeste brasileiro, 1997-2007. Barcelona: UB, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ronaldo Campos, Fabiano Diniz, Josimar Reis

Revista Brasileira de Meio Ambiente | ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn