Conflitos de uso do solo em Áreas de Preservação Permanente em uma região do Alto Rio Grande, Minas Gerais

Humberto Tadeu Furtado Vilela, Anny Francielly Ataide Gonçalves, Luciano Cavalcante de Jesus França, Fausto Weimar Acerbi Júnior

Resumo


Esse estudo teve como objetivo mapear as Áreas de Preservação Permanente (APP) do município de Luminárias, Minas Gerais e analisar a dinâmica dos conflitos no seu uso e ocupação nos últimos 14 anos, relacionado ao contexto dessa região localizada na bacia hidrográfica do Rio Grande, zona de grande fator em beleza cênica e interesses socioeconômicos no turismo ecológico. Com uso de técnicas de Sistemas de Informação Geográfica e Sensoriamento Remoto, executou-se a averiguação para os anos 2003, 2010 e 2017. Utilizou-se de imagens dos satélites Landsat 5 e 8 (TM e OLI) e RapidEye, processados nos softwares ArcGis 10.1 e eCognition Developer 9.0. A partir dos resultados obtidos, observou-se que as APP representam 21,72% da área total do município, e que as atividades como sistemas agropastoris, solos expostos, florestas plantadas e malha urbana, foram aquelas de maior participação no impacto da redução em cobertura vegetal natural nestas áreas. As zonas conflitantes entre o uso do solo e as APP, ocorreram em 21,26% da área em 2003, 16,56% em 2010 e 17,80% em 2017. Em todos períodos avaliados, as APP no entorno das nascentes foram as que apresentaram maiores conflitos com a legislação. A classe de florestas plantadas foi a que apresentou maior avanço sobre as APP. Estes resultados podem auxiliar na gestão das paisagens locais e ordenamento territorial regional.


Palavras-chave


Sensoriamento Remoto; Manejo de Paisagens; Ordenamento Territorial; Planejamento Ambiental; SIG;

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Aldwaik, S. Z., & Pontius, R. G. (2012). Intensity analysis to unify measurements of size and stationarity of land changes by interval, category, and transition. Landscape and Urban Planning, 106 (1), 103-114.

Almeida, A. S. de, Werneck, G. L., & Resendes, A. P. da C. (2014). Classificação orientada a objeto de imagens de sensoriamento remoto em estudos epidemiológicos sobre leishmaniose visceral em área urbana. Cadernos de Saúde Pública, 30(8), 1639- 1653.

Almeida, F. C., Silveira, E. M. O., Acerbi Júnior, F. W., França, L. C. J., Bueno, I. T., & Terra, B. J. O. (2020). Análise multicritério na definição de áreas prioritárias para recuperação florestal na bacia do Rio Doce, em Minas Gerais. Revista Nativa, 8(1), 81-90.

Alvares, C. A., Stape, J. L., Sentelhas, P. C., Gonçalves, J. L. de M., & Sparovek, G. (2013). Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22(6), 711-728.

Alves, W. S., Martins, A. P., & Scopel, I. (2020). Análise da evolução temporal do uso e cobertura da terra na bacia do Ribeirão da Laje, no

Sudoeste de Goiás, de 1987 a 2017. Revista Caminhos de Geografia, 21(74), 1-20.

Anderson, J. R., Hardy, E. E, Roach, J. T., & Witmer, R. E. (1976). A land use and land cover classification system for use with remote sensor data. United States: Geological Survey Professional Paper.

Arbiol, R., Zhang, Y., & Palá, V. (2007). Advanced Classification Techniques: a review. Revista Catalana de Geografia, 12(31), 292-296.

Baatz, M., & Schäpe, A. (2000). Multiresolution segmentation: an optimization approach for high quality multi-scale image segmentation. Disponível em: http://www.ecognition.com/sites/default/files/405_baatz_fp_12.pdf. Acesso em: 07/06/2019.

Borges, M. G., Leite, M. E., & Leite, M. R. (2018). Mapeamento do eucalipto no estado de Minas Gerais utilizando o Sensor Modis. Espaço Aberto, 8(1), 53-70.

BRASIL. Lei n° 12.651, de 25 de maio de 2012. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 25 maio. Disponível em: http://www.botuvera.sc.gov.br/wp- content/uploads/2014/09/Lei-12651-2012-C%C3%B3digo-Florestal.pdf. Acesso em: 06/06/2018.

______. Lei Nº 11.428, de 22 de dezembro de 2006. (a). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 22 dez. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11428.htm. Acesso em: 23/05/2020.

______. Lei nº 12.727, de 17 de outubro de 2012. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 17 out. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12727.htm. Acesso em: 01/10/2019.

______. Resolução nº 369, de 28 de março de 2006. (b). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 22 dez. Disponível em: http://www.mp.go.gov.br/portalweb/hp/9/docs/conama_res_cons_2006_369_supressao_de_vegetacao_em_app.pdf. Acesso em: 29/05/2020.

Butt, A., Shabbir, R., Ahmad, S. S., & Aziz, N. (2015). Land use change mapping and analysis using Remote Sensing and GIS: A case study of Simly watershed, Islamabad, Pakistan. The Egyptian Journal of Remote Sensing and Space Science, 18(2), 251-259.

Carvalho, V. C., Silva, M. A. C., & Oliveira, D. V. (2007). Potencialidades espeleoturísticas da área carstica do Município de Luminárias. Caderno Virtual de Turismo, 7(2), 23-34.

Carvalho, V. C., Silveira-JR, W. J., Souza, C. R., Fernandes, T. M. S., & Fontes, M. A. L. (2020). A percepção autóctone sobre os ambientes naturais com potencial ecoturísticos em Luminárias (MG): dinâmica e consequências. Revista Brasileira de Ecoturismo, 13(1), 49-68.

Coutinho, L. M., Zanetti, S. S., Cecílio, R. A., Garcia, G. D. O., & Xavier, A. C. (2013). Usos da terra e Áreas de Preservação Permanente (APP) na bacia do rio da Prata, Castelo-ES. Floresta e Ambiente, 20(4), 425-434.

FAO - Food and Agriculture Organization (2015). Status of the world’s soil resources: main report. Rome. Disponível em: http://www.fao.org/documents/card/en/c/c6814873-efc3-41db-b7d3-2081a10ede50/. Acesso em: 29/10/2019.

Fernandes, R.R., Nunes, G.N., & Silva, T.S.F. (2012). Classificação orientada a objetos na caracterização da cobertura da terra no Araguaia. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 47(9), 1251-1260.

França, L. C. J., Piuzana, D., Morais, M. S., Menezes, E., & Morandi, D. T. (2018). Delimitação automática e quantificação das Áreas de Preservação Permanentes de encosta para o município de Diamantina, Minas Gerais, Brasil. Revista Espinhaço, 7(2), 60-71.

Hasan, S. S., Sarmin, N. S., & Miah, M. G. (2020). Assessment of scenario-based land use changes in the Chittagong Hill Tracts of Bangladesh. Environmental Development, 34(1), 100463.

IBÁ - Indústria Brasileira de Árvores (2019). Relatório 2019 = Report 2019. Brasília. Disponível em: https://iba.org/datafiles/publicacoes/relatorios/iba-relatorioanual2019.pdf. Acesso em: 24/06/2020.

Lambin, E. F., & Meyfroidt, P. (2011). Global land use change, economic globalization, and the looming land scarcity. Proceedings of The National Academy of Sciences, 108(9), 3465-3472.

Morandi, D. T., França, L. C. J., Menezes, E. S., Machado, E. L. M., Silva, M. D., & Mucida, D. P. (2020). Delimitation of ecological corridors between conservation units in the Brazilian Cerrado using a GIS and AHP approach. Ecological Indicators, 115(1), 106440.

Morandi, D. T., Menezes, E. S., França, L. C. J., Mucida, D.P., Silveira, L. P., & Silva, M. D. (2018). Diagnóstico da antropização em Área de Preservação Permanente (APP) em segmento do Rio Jequitinhonha (MG). Biofix Scientific Journal, 3(2), 252-259.

Nardini, R. C., Campos, S., Gomes, L. N., Moreira, K. F., & Piza, M. W. de T. (2012). Analysis of land use and occupancy in permanent preservation areas according to the hydrography of Ribeirão Água Fria - Bofete, SP - Brazil. Engenharia Agrícola, 32(5), 944-950.

Nayak, S., & Mandal, M. (2019). Impact of land use and land cover changes on temperature trends over India. Land Use Policy, 89(1), 104238-104248.

Peluzio, T. M. O., Santos, A. R. dos., Fiedler, N. C., Coelho, A.L. N., Eugenio, F. C., Louzada, F. L. R. O., Saito, N. S., Ferrari, J. L., & Quarto Junior, P. (2010). Mapeamento de áreas de preservação permanente no ArcGIS9.3 (1ª ed.). Alegre: Caufes.

Pereira, L. M. (2007). Em nome da região a serviço do capital: o regionalismo político norte-mineiro. Tese de Doutorado em História Econômica, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Rodrigues, G. A., & Almeida, M. das G. de. (2018). O Registro, a fiscalização e a terra: a ocupação do território e a influência da administração portuguesa na gênese de Contagem em seus primórdios (1700-1720). Igualitária: Revista do Curso de História da Estácio BH, 2(12), 1-24.

Silva, V. G. (2006). Legislação ambiental comentada (3a ed.). Belo Horizonte: Fórum.

Silva, L.F., & Bacani, V. M. (2019). Utilização de técnicas de classificação orientada a objeto no mapeamento do uso da terra e cobertura vegetal no pantanal de Aquidauana. Bol. Geogr., 37(1), 214-233.

Sos Mata Atlântica 2020. Conheça a Mata Atlântica. Brasil. Disponível em: https://www.sosma.org.br/conheca/mata-atlantica/. Acesso em: 23/06/2020.

Souza, K. I. S. d, Chaffe, P. L. B., Pinto, C. R. S. de C., & Nogueira, T. M.

P. (2019). Proteção ambiental de nascentes e afloramentos de água subterrânea no Brasil: histórico e lacunas técnicas atuais. Águas Subterrâneas, 33(1), 76-86.

Trimble Geospatial (2009). Definiens eCognition developer (Version 8). Munich: Trimble GeoSpatial.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Humberto Tadeu Furtado Vilela, Anny Francielly Ataide Gonçalves, Luciano Cavalcante de Jesus França, Fausto Weimar Acerbi Júnior

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn