Perfil das arboviroses Dengue, Chikungunya e Zika no Distrito Sanitário III do município de Recife (Brasil)

Maria Beatriz Araújo Silva, Maria Isabelle Barbosa da Silva Brito, Jaizyara Mary Silva, Joane Otavio Farias Barreto, Katiúscia Araújo de Miranda Lopes, Larissa Lins do Egito Vasconcelos, Thamires Myllene Monteiro dos Santos, Karla Souza Firmino de Oliveira

Resumo


As mudanças climáticas, desmatamento, a ocupação urbana desordenada, a falta de saneamento básico e políticas públicas de urbanização, o baixo nível socioeconômico, além do abastecimento hídrico deficiente e água parada, contribuem para a evolução das arboviroses. Este estudo teve como objetivo descrever o perfil clínico-epidemiológico dos indivíduos acometidos por arboviroses no Distrito Sanitário III do Município do Recife/PE. Trata-se de estudo do tipo transversal, retrospectivo, com análise da tendência temporal. Os dados clínico-epidemiológicos foram obtidos através das fichas de notificação dos casos confirmados de arboviroses no período de 2017-2018. Totalizaram 191 notificações, sendo 101 casos confirmados na classificação final. Destes, 98 (51,3 %) são indivíduos do sexo feminino e 93 (48,6 %) do sexo masculino. A faixa etária mais acometida foi a de 21 a 31 anos 39 (20,0%). Observou-se o acometimento de indivíduos de bairros com um processo habitacional desordenado. Dentre os sinais e sintomas, destacaram-se a febre, com 151 (63,8%), seguido de mialgia com 131(58,6%). A caracterização do perfil epidemiológico das arboviroses e a correlação com os determinantes sociais e ambientais pode contribuir com a melhoria dos serviços de saúde considerando a criação de estratégias direcionadas ao combate ao vetor.


Palavras-chave


Saúde Pública, Infecções por Arbovirus, Meio Ambiente.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Adams, M.J.; Lefkowitz, E.J.; King, A.M.Q.; et al. (2017). Changes to taxonomy and the International Code of Virus Classification and Nomenclature ratified by the International Committee on Taxonomy of Viruses (2017). Arch Virol, 162(8), 2505-2538.

Braga, I. A.; Valle De. (2007). Aedes aegypti: histórico do controle no Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde [online], 16(2), 113-118.

Brasil. Ministério da Saúde. Monitoramento do Período Sazonal da Febre Amarela. Informe nº 12, 2017/2018. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2018.

Brasil. Sistema de Informação de Agravos de Notificação/SINAM. Notificação Individual - 2018. Disponível em: .

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 52, 2016. Bol Epidemiol. 2017; 48:1-11. [cited 2018 Jul 14]. Available from: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/06/2017-002-Monitoramento-dos-casos-dedengue--febre-de-chikungunya-e-febre-pelo-v--rus-Zika-ate-a-Semana-Epidemiologica-52--2016.pdf [ Links ]

Honorio, N. A.; et al. Chikungunya: uma arbovirose em estabelecimento e expansão no Brasil. (2015). Cad. Saúde Pública, 31(5), 906-908.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades: Recife [Internet]. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010: síntese das etapas da pesquisa. Rio de Janeiro, 2010.

_______Lei nº 15.547/91. Recife, 1992.

_______Lei nº 17.511/08. Recife, 2008.

Lima-Camara, T.N. Arboviroses emergentes e novos desafios para a saúde pública no Brasil (2016). Rev. de Saúde Pública, 50, 02-06.

Montenegro, D.; et al. Aspectos clínicos e epidemiológicos da epidemia de dengue no Recife, PE, em 2002. (2006). Revista Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 39 (1), 9-13.

Mourão, M.P.; Bastos, M.D.E.; Figueiredo, R.P. de; Gimaque, J.B.; Galusso, S.; Kramer, V.M.; et al. Febre de Mayaro na cidade de Manaus, Brasil, 2007-2008. (2012). Vector Borne Zoonotic Dis, 12, 42-46.

Oliveira, R.L.; Marques, A.D.; Barreto, F.S.; Silva, F.M.; Sousa, C.M. Saúde e desigualdade regional: A questão das arboviroses no nordeste brasileiro. (2017) II CONIDIS. II Congresso internacional da diversidade do semiárido, 2017.

Pernambuco. Secretaria Estadual de Saúde. Boletim Epidemiológico - Arboviroses: SE 44. 2018. Disponível em: https://docs.wixstatic.com/ugd/3293a8_df44399b33ae4eecae6dd1c16928778b.pdf.

Pernambuco. Secretaria Estadual de Saúde. Boletim Epidemiológico - Arboviroses: SE 44. 2018. Disponível em: https://docs.wixstatic.com/ugd/3293a8_df44399b33ae4eecae6dd1c16928778b.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.

Porto, W. L.; Terto, T. F.; Soares, L. C.; Aguiar, A. C. C.; Castro, V. M. A. de; Silva, B. A. K. da; Andrade, A. R. O. de; Nóbrega Neto, A. DE P. R.; Bezerra, A. S. P.; et al. Cenário epidemiológico das arboviroses no Piauí. (2019). Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11 (14), e1054.

Recife. Governo Municipal. Secretaria de Saúde do Recife,/Secretaria Executiva de Coordenação Geral. Plano Municipal de Saúde 2018 - 2021 / Governo Municipal, Secretaria de Saúde do Recife, Recife. Secretaria Executiva de Coordenação Geral, Diretoria Executiva de Planejamento, Orçamento e Gestão da Informação. _ 1ª. Ed. - Secretaria de Saúde do Recife, 2018. xxx p.: - il.

Santos, D.R.X., et al. Fatores predisponentes ao surgimento das arboviroses emergentes no Brasil: Revisão integrativa da literatura. (2016). Revista Saúde, 1(10), 41-41.

Silva, T.C.C.; Santos, A.B.; Moussallem, T.M.; Koski, A.P.V.; Nader, P.R.A. Aspectos Epidemiológicos da Chikungunya no Estado do Espírito Santo, Brasil, 2014 a 2017. (2018). Revista Guará, 4, 21-30.

Silva, V.I.A.; Ramos, J.F. Arboviroses e políticas públicas no Brasil / Arboviruses and public policies in Brazil. (2017). Revista Ciências em Saúde, 7(3), 1-2.

Sitta, E.I.; et al. A contribuição de estudos transversais na área da linguagem com enfoque em afasia. (2010). Rev. CEFAC, 12(6), 1059-1066.

Sousa, C.A.; et al. Zikavírus: knowledge, perceptions, and care practices of infected pregnant women. (2018). Rev. Gaúcha Enferm, 39, e20180025.

Valle, D; et al. Zika, dengue e chikungunya: desafios e questões. (2016). Epidemiologia e Serviços de Saúde, 25, 419-422.

Valle, D.; et al. Dengue: Teorias e Práticas. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2015.

Vasconcelos, F.C. Doença pelo vírus Zika: um novo problema emergente nas Américas? (2015). RevPan-AmazSaude, 6(2).

Villar, E. Los Determinantes Sociales de Salud y la lucha por la equidad en salud: desafíos para el estado y la sociedad civil. (2007). Saude soc, 16 (3), 7-13.

Zara, A.L.S.A.; et al. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão. (2016). Epidemiol. Serv. Saúde, 25 (2), 391-404.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Maria Beatriz Araújo Silva, Maria Isabelle Barbosa da Silva Brito, Jaizyara Mary Silva, Joane Otavio Farias Barreto, Katiúscia Araújo de Miranda Lopes, Larissa Lins do Egito Vasconcelos, Thamires Myllene Monteiro dos Santos, Karla Souza Firmino de Oliveira

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn