Análise Geopoética do Álbum “Salve o São Francisco” de Geraldo Azevedo e Parceiros: Reflexões sobre o rio São Francisco

Jeovane da Silveira Fidelis Querino, Caio Augusto Amorim Maciel

Resumo


Este trabalho tem o intuito de visibilizar a Geopoética e a Musicalidade, intrínsecas nas identidades hidroterritoriais e topofilias contidas nas músicas de Geraldo Azevedo e seus parceiros, a partir do álbum “Salve o São Francisco”, de 2011. Consequentemente, será utilizado o método fenomenológico-hermenêutico na análise geográfica e interpretativa das músicas, apontado o sentido de lugar e das identidades hidroterritoriais contidas nas letras das canções, para posteriormente apontar a relação destas com o rio São Francisco e os lugares que o formam em sua diversidade, a partir das músicas. Serão apontados, também, uma série de Geossímbolos contidos nas músicas e sua relação com a Racionalidade Ambiental e Geopoética. Assim, a importância deste artigo repousa em conhecer as relações de poder simbólico, os discursos, as corporeidades e afetividades em relação ao rio São Francisco, colaborando com a campanha de preservação ambiental deste rio, tão admirado pelos ribeirinhos e por este reportório musical e geopoético.


Palavras-chave


Geopoética, Geraldo Azevedo, Rio São Francisco.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALMG. Obras de Referência: Rio São Francisco - Patrimônio Cultural E Natural. In: . Acesso por último em: 15/12/2017.

AVENTURAS, Sentido Obrigatório. Conheça a história do nome do Rio São Francisco. Disponível em: . Acesso por último em: 25/08/2018.

AZEVEDO, Geraldo et al. Salve São Francisco. Gravadora: Biscoito Fino, c 2011. 1 CD.

AZEVEDO, Geraldo. Salve São Francisco. Disponível em: . Acesso por último em: 17/12/2017.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. 1ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BONNEMAISON, Jöel. Viagem em Torno do Território. In: CORRÊA, Roberto L.; ROSENDAHL, Zeni (Org.). Geografia Cultural: um século. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2002. P. 83-131.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o poder simbólico. In: BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001, p.07-16.

BOUVET, Rachel. Como habitar o mundo de maneira geopoética? Revista Interfaces Brasil/Canadá. V. 12, N. 1, 2012. p. 09-14.

CICLO VIVO. População ribeirinha se une para salvar afluentes do rio São Francisco. Disponível em: . Acesso por último em: 11/04/2018.

CBHSF. A lenda de Iati. Disponível em: . Acesso por último em: 25/08/2018.

DARDEL, Éric. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. (Trad. Werther Holzer) São Paulo: Editora Perspectiva, 2011.

GONÇALVES, Claudio Ubiratan. Questão Agrária e Ribeirinhos do Rio São Francisco. In: IV Simpósio Internacional de Geografia Agrária, 2009, Niterói. Anais (Simpósio Nacional de Geografia Agrária...Simpósio Internacional de Geografia Agrária. CD-Rom). Niterói: Uff/Uerj ffp, 2009. v. 1. p. 30-43.

HAESBAERT, Rogério. Identidades territoriais. In: ROSENDHAL, Z. CORRÊA, R. (Orgs.). Manifestações da cultura no espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999, pp. 169-190.

HONNETH, Axel. Luta pelo reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Rio de Janeiro: Editora 34, 2003.

IPHAN. Patrimônio do Rio São Francisco é tema de seminário no Norte de Minas Gerais. In: < http://portal.iphan.gov.br/noticias/detalhes/642/patrimonio-do-rio-sao-francisco-e-tema-de-seminario-no-norte-de-minas-gerais >. Acesso por último em: 15/12/2017.

LEFF, Enrique. A Aposta pela Vida: imaginação sociológica e imaginários sociais nos territórios ambientais do Sul. Tradução: João Batista Kreuch, Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

LYOTARD, Jean-François. O pós-moderno. Tradução: Ricardo Correia Barbosa. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1993.

MASSEY, Doreen. O sentido global de lugar. In: ARANTES, Antonio. O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000.

MATURANA R., Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001.

MERLEAU-PONTY, Maurice, 1908-1961. Fenomenologia da percepção. [tradução Carlos Alberto Ribeiro de Moura]. - 2- ed. - São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MOREIRA NETO, Henrique Fernandes. Aproximações da Autopoiese com a Geografia Humanista. Revista Geograficidade, v.01, n.01 - inverno 2011. p. 87-93.

OLIVEIRA, Lívia de. O Sentido de lugar. In HOLZER, W., MARANDOLA JR. E., OLIVEIRA, L. de. (orgs) Qual o Espaço do Lugar?: Geografia, epistemologia, fenomenologia. – São Paulo: Perspectiva, 2012. p. 3 – 16.

QUERINO, Jeovane. Conflitos Hidroterritoriais das Águas do Rio São Francisco em Cabrobó-PE. In: NÓBREGA, Ranyére Silva et. al (Orgs.). Reflexões sobre o semiárido: obra do encontro do pensamento geográfico [livro eletrônico] – 1.Ed. – Ananindeua: Itacaiúnas, 2017. p. 378-386.

SILVA, Ana Carolina Aguerri Borges da. As águas rio, rio São Francisco: disputas, conflitos e representações do mundo rural. Campinas, SP: Orientador: Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas., 2017.

SPOSITO, Eliseu Savério. Geografia e filosofia: contribuição para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo: Editora da UNESP, 2004.

TORRES, Avaní Terezinha. Hidroterritórios (novos territórios da água): os instrumentos de gestão dos recursos hídricos e seus impactos nos arranjos territoriais. 121f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2007.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Jeovane da Silveira Fidelis Querino, Caio Augusto Amorim Maciel

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn