A Qualidade da água para o consumo humano nas unidades sanitárias do distrito municipal da Katembe (Moçambique)

António Paulino Rodrigues, Miguel Ysrrael Ramírez-Sánchez, Rodrigo Florencio da Silva

Resumo


A água contaminada é o principal veículo de transmissão de doenças de origem hídrica, havendo necessidade da realização do controlo periódico, rotineiro dos parâmetros físico-químicos e microbiológicos para garantir padrões da potabilidade da água para o consumo humano. Este estudo  analisa  a qualidade da água consumida pelos doentes internados, comunidade, funcionários e a população das proximidades dos centros de saúde de Katembe, Incassane, Mutseco e Chamissava do distrito municipal da Katembe, Cidade de Maputo. Neste distrito regista-se anualmente casos de cólera e doenças diarreicas. A metodologia aplicada foi descritiva observacional com uma abordagem qualitativa, exploratória com procedimentos bibliográficos e documental. A coleta foi realizada uma vez por semana durante um mês nas semanas de 05/06; 12/06; 19/06 e 03/07 de 2019. Do material coletado foram analisados os parâmetros pH, condutividade, cor, turvação, nitratos, nitritos, cloretos, amoníaco, dureza total e quantificação de coliformes fecais enviados ao Laboratório Nacional de Higiene Água e Alimento. Os resultados das amostras microbiológicas de coliformes fecais ultrapassaram os limites admissíveis nos centros de saúde de Katembe e Chamissava. Os parâmetros físico-químicos dureza total e cloretos também ultrapassaram os limites admissíveis nos centros de saúde de Incassane e Katembe. Perante estes resultados conclui-se que a água abastecida nestes centros de saúde, não correspondem aos requisitos de potabilidade de acordo com o Decreto nº 180 de 15 de Setembro do Ministério da Saúde. Recomenda-se o melhoramento dos métodos da desinfecção da água, educação para saúde e ambiental à População.

Palavras-chave


Qualidade da água para o consumo humano, Saúde, Análise de água, Moçambique

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Balasubramanya, S., & Stifel, D. (2020). Water, agriculture & poverty in an era of climate change: Why do we know so little?. Food Policy, 101905.

Burridge, J.D., Findeis, J.L., Jochua, C.N., Miguel, M.A., Mubichi‐kut, F.M., Quinhentos, M.L., Xerinda, S.A.,& Lynch, J.P. (2019) A case study on the efficacy of root phenotypic selection for edaphic stress tolerance in low‐input agriculture: common bean breeding in Mozambique. Field Crops Research, 244, 107612.

Campos, M. M., & Azevedo, F. R. (2013). Aproveitamento de águas pluviais para consumo humano direto. Jornal Eletrônico Faculdade Vianna Júnior, 5(1), 20-20.

CESTEB – Companhia de tecnologia de saneamento ambiental. (2009). Significado ambiental e sanitário das variáveis de qualidade das águas e dos sedimentos e metodologias analíticas de amostragem. São Paulo: CESTEB.

Heller, L., & de Pádua, V. L. (2006). Abastecimento de água para consumo humano. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Libanio, M. (2010). Fundamentos de qualidade e tratamento da água. Campinas: Átomo.

MOÇAMBIQUE. Censo 2017, IV Recenseamento geral da População e habitação. Maputo: INE. Instituto Nacional de Estatística, 2017. Disponível em: . Acessado em maio/2020. 2017.

MOÇAMBIQUE. Diploma ministerial nº 180/2004 de 15 de Setembro de 2004, do Ministério da Saúde. Boletim da República, 15 de set. Disponível em: < http://extwprlegs1.fao.org/docs/pdf/moz65565.pdf>. Acessado em maio/2020. 2004.

MOÇAMBIQUE. Lei n. 16, de 3 agosto de 1991. Lei de águas, atribui ao Ministério da Saúde competências para estabelecer os parâmetros através dos quais se devera reger o controlo da qualidade da água que seja considerada potável e própria para o consumo humano, 1991. Boletim da República, 03 de ago. Disponível em: < https://plama.org.mz/documentos/Lei_de_aguas.pdf >. Acessado em maio/2020. 1991.

Neves-Silva, P., & Heller, L. (2016). O direito humano à água e ao esgotamento sanitário como instrumento para promoção da saúde de populações vulneráveis. Ciência & Saúde Coletiva, 21, 1861-1870.

Parron, L. M., Muniz, H. D. F., & Pereira, C. M. (2011). Manual de procedimentos de amostragem e análise físico-química de água. Embrapa Florestas-Documentos (INFOTECA-E). Disponível em: < https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/921050/1/Doc232ultimaversao.pdf>. Acesso em 29/04/2020.

Queiroz, J. T. M. D., Heller, L., & Silva, S. R. D. (2009). Análise da correlação de ocorrência da doença diarreica aguda com a qualidade da água para consumo humano no município de Vitória-ES. Saúde e Sociedade, 18, 479-489.

Scheid, P. (2018). Free-living amoebae and their multiple impacts on environmental health. In: Encyclopedia of environmental health, 2nd Edtion. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-409548-9.10969-8

Weststrate, J., Gianoli, A., Eshuis, J., Dijkstra, G., Cossa, I. J., & Rusca, M. (2019). The regulation of onsite sanitation in Maputo, Mozambique. Utilities Policy, 61, 100968.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 António Paulino Rodrigues, Miguel Ysrrael Ramírez-Sánchez, Rodrigo Florencio da Silva

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn