A implementação do novo Código Florestal no estado de São Paulo: uma análise de discurso

Alice Dantas Brites

Resumo


A análise de discurso aplicada à implementação do novo Código Florestal no estado de São Paulo permite um melhor entendimento do estabelecimento deste mecanismo legal e, consequentemente, pode auxiliar no direcionamento de políticas mais efetivas. A análise de 243 documentos revelou a existência de três discursos centrais a este contexto, cada qual representado por um conjunto de narrativas e coalizões de atores. O primeiro discurso, chamado de social econômico, é composto por narrativas que focam na facilitação do processo de regularização ambiental, no direito de uso da propriedade privada e no valor econômico do uso agropecuário da terra. Um segundo discurso, aqui chamado de ambiental conservacionista, baseia-se na valorização dos serviços ecossistêmicos fornecidos pela vegetação nativa do Estado e na insuficiência da lei estadual atual em proteger tais recursos. O terceiro discurso identificado enfatiza a necessidade de estratégias para atingir um equilíbrio entre uso econômico das terras em propriedades privadas rurais e a conservação da vegetação nativa presente nas mesmas. A escala estadual reflete os conflitos e impasses existentes na escala federal desde a proposta de revisão do Código Florestal de 1965. Fatores como, o uso do conflito entre atores como uma estratégia para alcançar interesses específicos e o atual contexto político brasileiro, dificultam o estabelecimento de uma solução de equilíbrio, como a proposta pelo terceiro discurso. No entanto, um melhor entendimento de quais são estes conflitos, através da análise de discurso, pode auxiliar na tomada de decisões que visem esta situação ganha-ganha em termos econômicos e ambientais.


Palavras-chave


Programa de Regularização Ambiental, política ambiental, Brasil, discurso, PRA

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Agência Brasil. (2012). Manifestação em SP pede veto ao texto do novo Código Florestal. Disponível em: . Acesso em: 07/05/2020.

Bartel, R. (2014). Vernacular knowledge and environmental law: Cause and cure for regulatory failure. Local Environment, 19(8), 891–914.

Benton, L., & Short, J. (1999). Environmental discourse and practice. Hoboken: John Wiley & Sons.

Brancalion, P. H. S.; Garcia, L. C.; Loyola, R.; Rodrigues, R. R.; Pillar, V. D.; & Lewinsohn, T. M. (2016). A critical analysis of the Native Vegetation Protection Law of Brazil (2012): Updates and ongoing initiatives. Natureza e Conservação, 14, 1–15.

Brasil. Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, institui o novo Código Florestal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4771.htm. Acesso em: 07/05/2020. 1965.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 07/05/2020. 1988.

Brasil. (2012). Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012 Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em 07/05/2020. 2012.

Burby, R. J.; & Paterson, R. G. (1993). Improving Compliance with State Environmental Regulations. Journal of Policy Analysis and Management, 12(4), 753–772.

Butteriss, C.; Wolfenden, J.; & Goodrige, A. (2001). Discourse analysis: A technique to assist conflict management in environmental policy development. Australian Journal of Environmental Management, 8, 48–58.

Canto, R. (2020). Mente sã, corpo são e o meio ambiente, não? Agência Envolverde. Disponível em: .

Carrilho, C. D. (2016). Identificação e valoração econômica e sociocultural dos serviços ecossistêmicos da Baia do Araçá, São Sebastião, SP, Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Carta Capital. (2012). Protestos marcam a votação do novo Código Florestal Brasileiro. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/sustentabilidade/protestos-marcam-a-votacao-do-novo-codigo-florestal-brasileiro. Acesso em 05/05/2020.

de Lima, J. (2018). O que São Paulo não aprendeu com a crise hídrica, segundo este pesquisador. Disponível em . Acesso em: 07/05/2020.

Diniz, T.; & Ferreira Filho, J. B. (2015). Impactos econômicos do Código Florestal brasileiro: Uma discussão à luz de um modelo computável de equilíbrio geral. Revista de Economia e Sociologia Rural, 53(2), 229–250.

dos Santos, M. A.; Filho, J. B.; Filho, J. E.; & Ywata, A. X. (2017). Setor agropecuário brasileiro pós novo Código Florestal: Uma simulação de impactos econômicos. Rio de Janeiro: IPEA.

Dryzek, J. (1997). The Politics of the Earth: Environmental Discourses. Oxford: Oxford University Press.

Durigan, G.,; Siqueira, M. F.; Franco, G. A. D. C.; & Ratter, J. A. (2006). Seleção de fragmentos prioritários para a criação de unidades de conservação do cerrado no Estado de São Paulo. Revista do Instituto Florestal, 12(1).

Escobar, H. (2019). Bolsonaro’s first moves have Brazilian scientists worried. Science, 363(6425), 330–330.

Fairclough, N. (1993). Discourse and social change. Cambridge: Polity Press.

Foley, J. A.; Asner, G. P.; Costa, M. H.; Coe, M. T.; DeFries, R.; Gibbs, H. K.; Howard, E. A.; Olson, S., Patz, J.; Ramankutty, N.; & Snyder, P. (2007). Amazonia revealed: Forest degradation and loss of ecosystem goods and services in the Amazon Basin. Frontiers in Ecology and the Environment, 5(1), 25–32.

Foucault, M. (1982). The archaeology of knowledge. New York: Vintage.

Garcia, Y. M. (2012). O Código Florestal brasileiro e suas alterações no Congresso Nacional. GeoAtos, 1(12), 54–74.

Giulietti, A. M.; Harley, R. M.; De Queiroz, L. P.; Wanderley, M. D. G. L.; & Van Den Berg, C. (2005). Biodiversity and Conservation of Plants in Brazil. Conservation Biology, 19(3), 632–639.

Guidotti, V.; Freitas, F. L. M.; Sparovek, G.; Hamamura, C.; Cerignoni, F.; & Pinto, L. F. G. (2017). Números detalhados do novo código florestal e suas implicações para os PRAs. Piracicaba: Imaflora.

Hajer, M. (1995). The Politics of Environmental Discourses: Ecological Modernization and Policy Process. Oxford: Oxford University Press.

Hajer, M. (2006). Doing Discourse Analysis: Coalitions, Practices, Meaning. Em: Words matter in policy and planning. Discourse theory and method in the social sciences (M. Brink & T. Metze, ed). Utrecht: Netherlands Geographical Studies.

Hirota, M.; & Mantovani, M. (2016). São Paulo deve rever sigilo de dados do Cadastro Ambiental Rural. Disponível em: . Acesso em: 04/05/2020.

Howard, T. M. (2020). Regulatory resistance to environmental law in rural Australia: Land clearing, murder and the media. Local Environment, 25(2), 130–146.

Kabii, T.; Horwitz, P.; Kabii, T.; & Horwitz, P. (2012). A review of landholder motivations and determinants for participation in conservation covenanting programmes. Environmental Conservation, 33(1), 11–20.

Kahane, A. (2017). Collaborating with the Enemy: How to Work with People You Don’t Agree with or Like or Trust. São Francisco: Berrett-Koehler Publishers.

Lester, J. P. (1995). Environmental Politics and Policy: Theories and Evidence. Durham: Duke University Press.

Lewinsohn, T. M.; Joly, C. A.; Verdade, L. M.; Martinelli, L. A.; & Rodrigues, R. R. (2010). Science, 329(5989), 276–277.

Lindenmayer, D. B.; Margules, C. R.; & Botkin, D. B; (2001). Indicators of Biodiversity for Ecologically Sustainable Forest Management. Conservation Biology, 14(4), 941–950.

Metzger, J. (2010). O Código Florestal tem base científica? Natureza & Conservação, 8, 92–99.

Metzger, J.; Lewinsohn, T. M.; Joly, C. A.; Verdade, L. M.; Martinelli, L. A.; & Rodrigues, R. R. (2010). Brazilian Law: Full Speed in Reverse? Science, 329(5989), 276–277.

Metzger, J. (2001). Effects of deforestation pattern and private nature reserves on the forest conservation in settlement areas of the Brazilian Amazon. Biota Neotropica, 1, 1–14.

Metzger, J.; Bustamante, M. M. C.; Ferreira, J.; Fernandes, G. W.; Librán-Embid, F.; Pillar, V. D.; Prist, P.; Rodrigues, R. R.; Vieira, I.; & Overbeck, G. (2019). Why Brazil needs its Legal Reserves. Perspectives in Ecology and Conservation, 17(3), 91–103.

Ministério da Saúde. (2018). SP: 250 municípios em situação de alerta ou risco para dengue, zika e chikungunya. Disponível em: . Acesso em: 08/05/2020.

Nazareno, A. G.; Feres, J. M.; de Carvalho, D.; Sebbenn, A. M.; Lovejoy, T. E.; & Laurance, W. F. (2012). Serious new threat to Brazilian forests. Conservation Biology, 26(1), 5–6.

O’Leary, R. (1994). The Bureaucratic Politics Paradox: The Case of Wetlands Legislation in Nevada. Journal of Public Administration Research and Theory, 4(4), 443–467.

Pacheco, J. (2012). Manifestantes pedem que Dilma cumpra promessa de campanha e vete novo Código Florestal. Disponível em: . Acesso em: 08/05/2020.

Pereira-Silva, E. F. L.; Santos, J. E. dos; Kageyama, P. Y.; & Hardt, E. (2004). Florística e fitossociologia dos estratos arbustivo e arbóreo de um remanescente de cerradão em uma Unidade de Conservação do Estado de São Paulo. Brazilian Journal of Botany, 27(3), 533–544.

PGR (2013). Ação Direta de Inconstitucionalidade de dispositivos da Lei no 12.651/12. Brasília: Ministério Público Federal.

Pinho, A. (2018). Hipóteses para alta da febre amarela vão de viagens a crime ambiental. Disponível em: . Acesso em: 08/05/2020.

Prizibisczki, P. (2019). Após 5 anos da crise de abastecimento, SP ainda busca alcançar segurança hídrica. Disponível em: . Acesso em: 09/05/2020.

São Paulo. (1989). Constituição Estadual de 05 de outubro de 1989. Disponível em: . Acesso em: 09/05/2020. 1989.

São Paulo. (2015). Lei no 15.684, de 14 de janeiro de 2015, dispõe em caráter específico e suplementar, nos termos dos artigos 23, III, VI e VII e 24, VI e parágrafos da Constituição Federal e nos termos dos artigos 191, 193, XVI, 194, parágrafo único, 197, 205, III, 209, 213, da Constituição do Estado de São Paulo, sobre o Programa de Regularização Ambiental - PRA das propriedades e imóveis rurais, criado pela Lei Federal nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e sobre a aplicação da Lei Complementar Federal nº 140, de 8 de dezembro de 2011, no âmbito do Estado de São Paulo. Disponível em: < https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/2015/lei-15684-14.01.2015.html>. Acesso em: 08/05/2020. 2015.

São Paulo. (2016a). Decreto no 61.792, de 11 de janeiro de 2016, regulamenta o Programa de Regularização Ambiental - PRA no Estado de São Paulo, instituído pela Lei nº 15.684, de 14 de janeiro de 2015, e dá providências correlatas. Disponível em: . Acesso em: 08/05/2020. 2016.

São Paulo. (2016b). Ação Direta de Inconstitucionalidade no 2100850-72.2016.8.26.0000 2015, que dispõe sobre o Programa de Regularização Ambiental PRA, criado pela Lei Federal no 12.651/2012. São Paulo: Ministério Público do Estado de São Paulo.

São Paulo. (2016c). Diário Oficial do Estado de São Paulo 2 de novembro de 2016. São Paulo: Imprensa Oficial.

São Paulo. (2020). Decreto no 64.842 de 5 de março de 2020, regulamenta a regularização ambiental de imóveis rurais no Estado de São Paulo, nos termos da Lei federal nº 12.651, de 25 de maio de 2012, e da Lei estadual nº 15.684, de 14 de janeiro de 2015, e dá providências correlatas. Disponível em: . Acesso em: 08/05/2020. 2020.

Silva, J.; Joly, C.; Mazatto, C.; Rech Filho, E.; Skorupa, L.; Cunha, M. C.; May, P.; Rodrigues, R.; Ahrens, S.; Sá, T.; & Ab’Saber, A. (2012). O Código Florestal e a Ciência: O Código Florestal e a Ciência: Contribuições para o diálogo. São Paulo: SBPC.

Soares-Filho, B.; Rajão, R.; Macedo, M.; Carneiro, A.; Costa, W.; Coe, M.; Rodrigues, H.; & Alencar, A. (2014). Cracking Brazil’s Forest Code. Science, 344(6182), 363–364.

SOS Mata Atlântica. (2012). O Brasil contra o novo Código Florestal. Disponível em: . Acesso em: 08/05/2020.

Sparovek, G., Antoniazzi, L. B.; Barretto, A.; Barros, A. C.; Benevides, M.; Berndes, G.; do Prado Braga, E.; Calmon, M.; Groke, P. H.; de Avelar Marques, F. N.; Nogueira, M. P.; Guedes Pinto, L. F.; & Precioso, V. (2016). Sustainable bioproducts in Brazil: Disputes and agreements on a common ground agenda for agriculture and nature protection. Biofuels, Bioproducts and Biorefining, 10(3).

Sparovek, G.; Berndes, G.; Barretto, A. G. de O. P.; & Klug, I. L. F. (2012). The revision of the brazilian forest act: Increased deforestation or a historic step towards balancing agricultural development and nature conservation? Environmental Science and Policy, 16, 65–72.

Tambosi, L. R.;; Martensen, A. C.; Ribeiro, M. C.; & Metzger, J. P. (2013). A Framework to Optimize Biodiversity Restoration Efforts Based on Habitat Amount and Landscape Connectivity. Restoration Ecology, 22(2), 169–177.

Tavares, P. A.; Brites, A. D.; Sparovek, G.; Guidotti, V.; Cerignoni, F.; Aguiar, D.; Metzger, J. P.; Rodrigues, R. R.; Pinto, L. F. G.; Mello, K. de, & Molin, P. G. (2019). Unfolding additional massive cutback effects of the Native Vegetation Protection Law on Legal Reserves, Brazil. Biota Neotropica, 19(4).

Tepedino, G., & Schreiber, A. (2005). A garantia da propriedade no direito brasileiro. Revista da Faculdade de Direito de Campos, 6, 101–119.

Teresa, F. B.; & Casatti, L. (2010). Importância da vegetação ripária em região intensamente desmatada no sudeste do Brasil: Um estudo com peixes de riacho. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, 444–453.

Tong, Y. (2007). Bureaucracy Meets the Environment: Elite Perceptions in Six Chinese Cities. The China Quarterly, 189, 100-121.

Tribunal de Justiça de São Paulo. (2019). Acórdão, registro 2019.0000454001. São Paulo: Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Trigueiro, A. (2019). Vídeo sugerindo que Brasil já tem áreas protegidas demais viraliza nas redes e gera polêmica na comunidade científica. Disponível em: . Acesso em: 08/05/2020.

Valdiones, A. P.; & Bernasconi, P. (2019). Transparência Florestal Mato Grosso: Do papel à prática: A implementação do Código Florestal pelos estados brasileiros. Instituto Centro de Vida, 6(11), 1–12.

Valente, R. de O. A. (2005). Definição de áreas prioritárias para conservação e preservação florestal por meio da abordagem multicriterial em ambiente SIG. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

van Bekhoven, J. (2016). Public Participation as a General Principle in International Environmental Law: Its Current Status and Real Impact. National Taiwan University Law Review, 11, 219.

Victor, M. A.; Cavalli, A. C.; Guillaumon, J. R.; & Filho, R. S. (2005). Cem anos de devastação: Revisitada 30 anos depois. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

Werksman, J.; Cameron, J.; & Roderick, P. (2014). Improving Compliance with International Environmental Law. London: Routledge.

Zarin, D.; Harris, N.; Baccini, A.; Aksenov, D.; Hansen, C.; Azevedo, T.; Margono, B.; Alencar, A.; Gabris, C.; Allegretti, A.; Potapov, P.; Farina, M.; Walker, W.; Shevade, V.; Loboda, T.; Turubanova, S.; & Tyukavina, A. (2016). Can carbon emissions from tropical deforestation drop by 50% in 5 years? Global Change Biology, 1336–1347.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Alice Dantas Brites

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn