Monitoramento para controle do Mosquito Aedes no município de João Monlevade (Minas Gerais)

Rafael Aldighieri Moraes, Ediene Monteiro Romão, Adriano José de Barros

Resumo


Estudos que utilizam armadilhas para mensurar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti auxiliam no controle das doenças causadas por eles.Armadilhas de oviposição acrescidas de grãos de arroz foram instaladas em 18 escolas na cidade de João Monlevade com o objetivo de verificar mensalmente o nível de infestação do vetor da dengue e os possíveis pontos focais. O projeto tem como objetivo o monitoramento do mosquito Aedes em escolas públicas e privadas em busca de focos a partir de armadilhas recicláveis. Estas são atrativos onde o mosquito deposita seus ovos, permitindo assim indicar a presença do mosquito no local e gerar o mapa de risco de infestação. No total das ovitrampas, com grãos de arroz coletou-se 1.060 ovos, sendo uma escola com média mais alta de 36 ovos ao mês, que em contrapartida resultou em um maior desvio padrão gerado por períodos de chuva, que é típico o aumento do nível de infestação dos vetores nessa estação. Existem diferenças significativas entre as quantidades de ovos de Aedes encontrados em diferentes locais de coleta em áreas próximas de estudo. A quantidade de ovos coletada em cada ponto em seis meses não estabelece um padrão médio de distribuição.


Palavras-chave


Aedes Aegypti, Escolas, Nível de infestação.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Aetrepp. Sobre o projeto. Disponível em: < https://www.aetrapp.org/projeto-2/>. Acesso em:

março 2019.

Braga, I. A.; &Valle, D. (2007). Aedes aegypti: histórico do controle no Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde [online]; v.16, n.2 , pp.113-118.

Copernicus Climate Change Service (C3S). ERA5-Land hourly data from 1981 to present: C3S ERA5-Land reanalysis. Copernicus Climate Change Service. Site. Disponível em: . Acesso em: 10 fevereiro 2020.

Correios Brasiliense. (2016).Governo facilita uso de drones no combate ao Aedes. Jornal Online.

Disponível em:

/governo-facilita-uso-de-drones-no-combate-ao-aedes.shtml>. Acesso em:15 janeiro 2020.

dos Santos Nunes, L., Trindade, R. R., & Souto, R. N. (2011). Avaliação da atratividade de ovitrampas a Aedes (Stegomyia) aegypti Linneus (Diptera: Culicidae) no bairro Hospitalidade, Santana, Amapá. Biota Amazônia (BioteAmazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota), 1(1), 26-31.

Ferreira, Vinicius. (2018).Estudo aponta alta resistência de ovos do Aedes à desidratação. Agência Fiocruz de notícias.Disponível em: . Acesso em:15 janeiro 2020.

Gubler D. J. (2002).Epidemic dengue/dengue hemorrhagicfever as a publichealth, social and

economic problem in the 21st century. TrendsMicrobiol v10:100-3.

Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. (2016).Drone Legal -Combate ao Aedes aegypti.Disponivel em: . Acesso em:15 janeiro 2020.

Miyazaki, RosinaDjunko, Ribeiro, Ana Lúcia Maria, Pignatti, Marta Gislene, Campelo Júnior, José Holanda, &Pignati, Marina. (2009). Monitoramento do mosquito Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) (Diptera: Culicidae), por meio de ovitrampas no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, Estado de Mato Grosso. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 42(4), 392-397.

Moraes, R. A., Neto, E.Q., Lamparelli, R.A.C. (2009). Relação entre o número de larvas do mosquitotransmissor da dengue e elementos climáticos. Apresentado no XVI Congresso Brasileiro de Agrometeorologia – 22 a 25 de Setembro de 2009 - Minas Centro, Belo Horizonte, MG.

Oliveira, C.R.T. ,& Link, D. (2011). A educação ambiental como estratégia de prevenção à dengue nas

comunidades rurais de Mata Grande e São Rafael, Município de São Sepé-RS. Revista

eletrônica em Gestão, Educação e tecnologia Ambiental, v. 4, p. 618-629.

Peru. (2002). Ministerio de Salud. Direccion General de laSalud Ambiental (DIGESA). Manual de campo para La vigilância entomológica. LIMA: DIGESA, 2002.

Sobral, Marcos Felipe Falcão, & Sobral, Ana Iza Gomes da Penha. (2019). Casos de dengue e coleta de lixo urbano: um estudo na Cidade do Recife, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 24(3), 1075-1082.

Vigilância Sanitária Municipal. Dados Epidemiológicos de João Monlevade-MG. Acesso em:20 fevereiro 2020.


Apontamentos



Direitos autorais 2020 Ediene Monteiro Romão

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn