Diagnóstico do gerenciamento de resíduos sólidos na cidade de Meruoca – Ceará (Brasil)

Érica Valentim Silva, Ana Lúcia Feitoza Freire Pereira

Resumo


Os padrões e a velocidade de consumo da população modificaram-se e consequentemente o volume de resíduos cresceu, trazendo consigo problemas ambientais e de saúde causados por seu mau gerenciamento. Sabe-se que é responsabilidade dos municípios gerenciar os resíduos em seu território. Para tanto, este trabalho teve como objetivo apresentar um diagnóstico sobre o gerenciamento dos resíduos sólidos do município de Meruoca - CE, de modo a conhecer a situação atual e como o mesmo vem se adaptando às mudanças para atender a legislação ambiental. A pesquisa se caracterizou como aplicada, trazendo uma abordagem qualitativo-quantitativa de maneira descritiva, através de método documental e estudo de caso. A metodologia foi dividida em seis etapas para obtenção de informações sobre estrutura administrativa, geração de resíduos, acondicionamento, coleta e transporte, tratamento e disposição final e custos operacionais. Os dados foram coletados através de análise documental, visitas in loco, observação direta, registro fotográfico e pesquisa bibliográfica. A Secretaria de Infraestrutura e urbanismo é responsável pelo gerenciamento dos resíduos sólidos, sendo os serviços prestados exclusivamente por empresa terceirizada. O município gera 11,24 t/resíduos/dia, correspondendo a 1,2 kg/hab.dia. Os resíduos são acondicionados em sacos de lixo e sacolas plásticas e os recicláveis não são separados na fonte. O serviço de coleta abrange 53,63% dos domicílios e conforme o calendário ocorre de segunda a sábado pela manhã, sendo os resíduos dispostos no aterro sanitário de Sobral. Os serviços de limpeza, coleta e transporte custam mensalmente ao poder público R$ 641.245,05 e os de disposição final, R$ 6.688,88.


Palavras-chave


Gestão Ambiental; Gerenciamento; Resíduos Sólidos Urbanos;

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas (2004). ABNT NBR 10004:Resíduos Sólidos - Classificação. Rio de Janeiro: ABNT.

ABRELPE. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (2018). Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil - 2016. São Paulo: ABRELPE.

BRASIL. Resolução nº 416, de 30 de setembro de 2009. Dispõe sobre a prevenção à degradação ambiental causada por pneus inservíveis e sua destinação ambientalmente adequada, e dá outras providências. Brasília, DF: Conselho Nacional do Meio Ambiente, 2009. Disponível em: . Acesso em outubro/2019. 2019.

CARVALHO, G. M.; SILVA, C. H. C.; DE SOUSA, R. C. T.; LIMA , L. H.; PEREIRA, L. L. (2019, maio). Propostas de sustentabilidade para um condomínio residencial em Fortaleza – CE. Anais do II Congresso Sul-americano de Resíduos Sólidos e Sustentabilidade. Foz do Iguaçu, PR, Brasil. Disponível em: . Acesso em novembro/2019.

CASTILHOS JUNIOR, A. B., ZANTA, M. V., LANGE, L. C., GOMES, L. P., PESSIN, N. (2003).Resíduos Sólidos Urbanos: Aterro Sustentável para Municípios de Pequeno Porte. Rio de Janeiro: PROSAB - Programa de Saneamento Básico, 294 p.

CEARÁ, Governo do Estado (2018). Plano de Coletas Seletivas Múltiplas da região Metropolitana de Sobral (resumo executivo). Fortaleza.

CGIRS-RMS, Consórcio de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Sobral (2019). O CGIRS-RMS. Disponível em: https://www.cgirsrms.ce.gov.br/institucional#QuemSomos. Acesso em: 15/09/2019.

COSTA, B. S., DIZ, J. B. M., OLIVEIRA, M. L. (2018). Cultura de consumismo e geração de resíduos. Revista Brasileira de Estudos Políticos, n. 116.

GAIA ENGENHARIA AMBIENTAL. (2015).Panorama dos Resíduos Sólidos do Ceará. v. 3., Fortaleza, 224 p.

GIL, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 159p.

GOMES, A. P., PANDOLFO, A., PASSINI, A. F. C., PRIETTO, P. D. M., PORTELA, N. B. (2012). Diagnóstico do sistema de gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos do município de Passo Fundo/RS. Revista DAE, n. 190.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico: 2008. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca- catalogo?view=detalhes&id=283636 . Acesso em: 23/10/2019.

IPECE, Governo do Estado. Instituto de Pesquisa e de Estratégia Econômica do Ceará (2017). Perfil Básico Municipal – Meruoca. Fortaleza.

MERUOCA. Lei nº 832, de 21 de maio de 2013. Dispõe sobre a alteração da estrutura organizacional do poder executivo municipal de Meruoca aprovada pela lei 731/09 de 20 de janeiro de 2009 e dá outras providências. Meruoca: Câmara Municipal, 2013. Disponível em: https://www.meruoca.ce.gov.br/leis.php?id=35. Acesso em outubro 2013.

MONTEIRO, J. H. P., FIGUEIREDO, C. E. M., MAGALHÃES, A. F., MELO, M. A. F.,BRITO, J. C. X., ALMEIDA, T. P. F., MANSUR, G.L. (2001). Manual de gerenciamento integrado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: IBAM, 200 p.

MOURA, R. A. (2018). Consumo ou consumismo: uma necessidade humana?.Rev. Fac. Direito São Bernardo do Campo.v.24, n.1.

MUCELIN, C. A.; BELLINI, M..(2008)Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Sociedade & Natureza, v. 20, n. 1.

ONU, Organização das Nações Unidas (2017). População mundial atingiu 7,6 bilhões de habitantes. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2017/06/1589091-populacao- mundial-atingiu-76-bilhoes-de-habitantes. Acesso em: 24/10/2019.

ROTH, C. G., GARCIAS, C. M.. (2008). A influência dos padrões de consumo na geração de resíduos sólidos dentro do sistema urbano. REDES. v. 13, n. 3.

SANTOS, G. O. (2015). Resíduos sólidos e aterros sanitários: em busca de um novo olhar. Fortaleza: Imprima Soluções Gráficas, 80 p.

SILVA, C. R. O (2004). Metodologia e organização do projeto de pesquisa. Fortaleza (Guia Prático). Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará – CEFET.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Érica Valentim Silva, ANA LÚCIA FEITOZA FREIRE PEREIRA

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn