Avaliação da eficiência de uma estação de tratamento de efluentes instalada em uma universidade federal: questão de gestão ambiental

Marcelo Guerreiro Crizel, Ana Claudia Lara

Resumo


O impacto do lançamento de efluentes de estações de tratamento de esgotos (ETE) em corpos d’água é motivo de grande preocupação para a maioria das organizações. Uma série de legislações ambientais, critérios e políticas procuram influir no nível de tratamento exigido para garantir que os impactos ambientais provocados pela disposição de efluentes tratados sejam aceitáveis. Nessa perspectiva, o objetivo deste estudo é avaliar a eficiência da Estação de Tratamento de Efluentes de uma Universidade Federal localizada no estado de Santa Catarina. Considerando o objetivo proposto, a presente pesquisa, quanto à abordagem, caracteriza-se como qualitativa e quantitativa, predominantemente, de caráter descritivo e aplicado através de um estudo de caso. Os resultados evidenciam que a ETE possui conformidade em grande parte dos parâmetros de lançamento, contudo, apresenta desconformidade para as concentrações no lançamento de Fósforo e Nitrogênio, tornando-a parcialmente eficiente. Cabe ressalvar que a estação opera sem licença ambiental definitiva, o que expõe a vulnerabilidade dessa instituição perante órgãos fiscalizadores, embasados na Lei n. 9.605/1998, que trata da poluição e outros crimes ambientais. A diversidade do efluente contribui para sobrecarga do processo na ETE, a qual provém majoritariamente do restaurante universitário (RU). Como contribuição são apresentadas alternativas a serem desenvolvidas na universidade, buscando a conscientização da comunidade local e a melhoria na qualidade do efluente descartado que apresenta potencial para reúso em sistemas de irrigação e lavagem de frotas. Dessa forma, obtendo resultados com o menor impacto ambiental, ressalta-se o compromisso e dever da Universidade quanto à organização em contribuir para desenvolvimento sustentável.

 


Palavras-chave


Gestão ambiental, esgotamento sanitário, tratamento de efluentes.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Amaral, S. T., Machado, P. F. L., Peralba, M. do C. R., Camara, M. R., Santos, T. dos., Berleze, A. L., Falcão, H. L., Martinelli, M., Gonçalves, R. S., Oliveira, E. R., Brasil, J. L., Araújo, M. A., & Borges, A. C. A. (2001). Relato de uma experiência: recuperação e cadastramento de resíduos dos laboratórios de graduação do instituto de química da universidade federal do Rio Grande do Sul. Revista Química Nova, 24(3), 419-423.

Barros, C. J. (2002). Os resíduos sólidos urbanos na cidade de Maringá: um modelo de gestão (Tese de doutorado). Departamento de Engenharia Química, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.

Barroso, H. C. M. P., & Costa, F. (2005). A gestão voltada para a responsabilidade ambiental: considerações sobre as instituições educacionais. Revista Ciências Administrativas, 11(2), 250-257.

Beuren, I. M. (2004). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. Teoria e prática (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Braga, B., Hespanhol, I., Conejo, J. G. L., Mierzwa, J. C., Barros, M. T. L., Veras, M., Porto, M., Nucci, N., Nucci, J., Juliano, N., & Eiger, S. (2005). Introdução à Engenharia Ambiental (2a ed.). São Paulo: Prentice Hall.

Brasil. (2007). Constituição da República Federativa do Brasil (40a ed.). São Paulo: Saraiva.

Brasil. (2006). Manual de Saneamento (3a ed.). Brasília: Fundação Nacional de Saúde.

Castro, A. A., Costa, A. M. L. M., Chernicharo, C. A. L., Von Sperling, E., Moller, L. M., Heller, L., Casseb, M. M. S., Von Sperling, M., & Barros, R. T. V. B. (1995). Manual de Saneamento e Proteção Ambiental para os municípios. Volume II. Belo Horizonte: Escola de Engenharia da UFMG.

Davignon, A., Pierre, C. V., Kligerman, D. C., Silva, H. V. O., Barata, M. M. L., Malheiros, T. M. M. (2002). Manual de auditoria ambiental de estações de tratamento de esgotos. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Farrugia, B. (2013). Conheça como funciona uma estação de tratamento de efluentes. Revista TAE, 2(12).

Ferraz, D. F. M. (2014). Eficiência de um ETE em escala real composta por reator UASB seguido de lodo ativado (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Sanitária, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Gil, A.C. (1994). Métodos e técnicas de pesquisa social (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Guimarães, J. R., & Nour, E. A. A. (2001). Tratando nossos esgotos: processos que imitam a natureza. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola, 1(1): 19-30.

Jordão, E. P., & Pessoa, C. C. (2005). Tratamento de esgotos domésticos (4a ed.). Rio de Janeiro: SEGRAC.

Kinlaw, D. C. (1997). Empresa competitiva e ecológica. São Paulo: Makron Books.

Layrargues, P. P. (2000). Sistemas de gerenciamento ambiental, tecnologia limpa e consumidor verde: a delicada relação empresa-meio ambiente no ecocapitalismo. Revista de Administração de Empresas, 40(2): 80-88.

Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas lesivas ao meio ambiente e dá outras providências. São Paulo: RT.

Lei n. 5.326, de 7 de setembro de 2007. Dispõe sobre a política municipal de saneamento básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento e o Fundo Municipal de Água e Esgoto. Recuperado de https://leismunicipais.com.br/prefeitura/sc/chapeco?q=5326

Lei n. 6.503 de 22 de dezembro de 1972. Dispõe sobre a promoção, proteção e recuperação da Saúde Pública. Recuperado de al.rs.gov.br/legis/M010/M0100099.ASP?Hid_Tipo=TEXTO&Hid_TodasNormas=35819&hTexto=&Hid_IDNorma=35819

Lei n. 6.938 de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional de Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938.htm

Lei n. 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis n. 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei n. 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm

Lei n. 14.675, de 13 de dezembro de 2009. Institui o Código Estadual do Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina, estabelece e dá outras providências. Recuperado em: http://www.sc.gov.br

Mazzer, C., & Cavalcanti, O. A. (2004). Introdução à gestão ambiental de resíduos. Infarma, 16(11-12): 67-77.

Metcalf, L., & Eddy, H. P. (2003). Wastewater engineering: Treatment, disposal, reuse (4a ed.). New Delhi: McGraw-Hill.

Mota, S. (2003). Introdução a engenharia ambiental. Rio de Janeiro: ABES.

Nuvolari, A. (2011). Lançamento in natura e seus impactos. In: Nuvolari, A., organizador. Esgoto sanitário, coleta, transporte, tratamento e reúso agrícola (pp. 203-207). São Paulo: Brucher.

Nuvolari, A., Telles, D. D., Ribeiro, J. T., Miyashita, N. J., & Araújo, R. (2003). Esgoto Sanitário: coleta, transporte, tratamento e reúso agrícola. São Paulo: Edgar Blucher.

Pereira, S. S., & Curi, R. C. (2012). Meio Ambiente, impacto ambiental e desenvolvimento sustentável: conceituações teóricas sobre o despertar da consciência ambiental. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 2(4): 35-57.

Pimenta, H. C. D. (2008). A produção mais limpa como ferramenta em busca da sustentabilidade empresarial: um estudo de múltiplos casos em empresas do estado do Rio Grande do Norte (Dissertação de mestrado). Programa de Engenharia de Produção, Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.

Portaria n. 518, de 24 de março de 2004. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/portaria_518_2004.pdf

Resolução n. 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Recuperado de http://www.simae.sc.gov.br/admin/arquivos_download/resolucao-conama-n-3572005.pdf

Resolução Conama n. 375, de 29 de agosto de 2006. Define critérios e procedimentos, para o uso agrícola de lodos de esgoto gerados em estações de tratamento de esgoto sanitário e seus produtos derivados, e dá outras providências. Recuperado de http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=5956

Resolução Conama n. 430 de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução 357/2005. Recuperado de http://www.adasa.df.gov.br/images/stories/anexos/8Legislacao/Res_CONAMA/Resolucao_CONAMA_430_2011.pdf

Richter, C. A., & Netto, J. M. A. (2007). Tratamento de água: tecnologia atualizada. São Paulo: Edgard Blücher.

Rodrigues, F. L., & Cavinatto, V. M. (1997). Lixo: de onde vem? Para onde vai? (7a ed.). São Paulo: Moderna.

Sant’Anna Jr., G. L. (2010). Tratamento biológico de efluentes: fundamentos e aplicações. Rio de Janeiro: Interciência.

Scottá, J. (2015). Avaliação e otimização de uma estação de tratamento de esgoto com sistema fossa e filtro de um município da serra gaúcha (Monografia de conclusão de curso). Curso de Engenharia Ambiental, Centro Universitário Univates, Lajeado, RS, Brasil.

Seiffert, M. E. B. (2007). Gestão Ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. São Paulo: Atlas.

Silva, J. R. N. (2010). Lixo eletrônico: um estudo de responsabilidade ambiental no contexto no Instituto de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas – IFAM Campus Manaus Centro. Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Bauru, SP, Brasil, 1.

Silva, S. A., & Oliveira, R. (2001). Manual de análises físico-químicas de águas de abastecimento e residuárias. Campina Grande: ABES.

Sorrentino, M. (2002). Desenvolvimento sustentável e participação: algumas reflexões em voz alta. In: Castro, R. S. et al., organizadores. Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania (pp. 15-21). São Paulo: Cortez.

Souza, R. S. (2002). Evolução e condicionantes da gestão ambiental nas empresas. READ, 8(6): 1-22.

Valle, C. E. (2004). Qualidade Ambiental: ISO 14000 (5a ed.). São Paulo: SENAC.

Von Sperling, M. (2005). Princípios do tratamento biológico de águas residuárias. Vol. 1. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos (3a ed.). Belo Horizonte: UFMG.

Yin, R. K. (2014). Case Study Research Design and Methods. (5th ed.). Thousand Oaks, CA: Sage.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Marcelo Guerreiro Crizel

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn