Determinação da equação intensidade-duração-frequência da precipitação para a cidade de Itabuna, Bahia (Brasil)

Lorena Lima Ferraz, Juliana Rocha Duarte Neves, Lorena Júlio Gonçalves, Lucas Farias de Sousa, Lais Barbosa Oliveira

Resumo


Para a construção de barragens, dimensionamento de sistemas de drenagem de águas pluviais, obras hidráulicas e de contenção de cheias, garantindo projetos seguros e economicamente viáveis, é necessário o conhecimento da relação intensidade, a duração e a frequência (IDF), sendo primordial a realização de estudos hidrológicos baseados em longas séries históricas de dados adquiridos através de estações pluviométricas. Dessa forma, o presente trabalho teve como objetivo modelar as relações IDF das chuvas para a cidade de Itabuna, localizado no Sul da Bahia. Foi utilizada uma série histórica contínua de 26 anos de dados pluviométricos disponíveis na plataforma de informações hidrológicas da Agência Nacional de Águas. Para estimar a intensidade de precipitação, foram considerados os tempos de retorno de 2, 10, 20, 50 e 100 anos, e as durações de 5, 10, 15, 20, 30, 60, 360 e 1440 minutos, aplicando a distribuição probabilística de Gumbel, com aderência aos dados previamente checada pelo teste Kolmogorov-Smirnov a 5% de probabilidade. O estudo permitiu a estimativa dos parâmetros da equação de chuvas intensas através do método Gradiente Reduzido Generalizado e a determinação das curvas IDF para a região analisada. A equação calibrada apresentou alta confiabilidade segundo os coeficientes estatísticos de desempenho, podendo ser empregada na estimativa da precipitação máxima utilizada para elaboração de projetos de estruturas hidráulicas a serem implantados na região urbana do município de Itabuna.


Palavras-chave


Chuvas intensas, hidrologia, modelagem ambiental.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Abreu, M. C.; Cecílio, R. A.; Pruski, F. F.; Santos, G. R; Almeida, L. T; Zanetti, S. S. (2018). Critérios para Escolha de Distribuições de Probabilidades em Estudos de Eventos Extremos de Precipitação. Revista Brasileira de Meteorologia, 33(4), 601–613.

Aragão, R.; Santana, G. R.; Costa, C. E. F. F; Cruz, M. A. S.; Figueiredo, E. E.; Srinivasan, V. (2013). Chuvas intensas para o Estado de Sergipe com base em dados desagregados de chuva diária. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 17(3), 243-252.

Arboit, N. K. S.; Mancuso, M. A.; Fioreze, M. (2017). Ajuste de Equação IDF por Desagregação de Chuvas Diárias para o Município de Iraí. Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ, 40(1), 248–253.

Bertoni, J. C.; Tucci, C. E. M. (2013). Precipitação. In: TUCCI, C. E. M. (Org.). Hidrologia: ciência e aplicação (4a ed.). Porto Alegre: ABRH.

Camargo, A. P.; Sentelhas, P. C. (1997). Avaliação do desempenho de diferentes métodos de estimativa da evapotranspiração potencial no Estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Agrometeorologia, 5(1), 89-97.

Campos, A. R.; Santos, G. G.; Silva, J. B. L.; Irene Filho, J.; Loura, D. S. (2014). Equações de Intensidade-duração-frequência de chuvas para o Estado do Piauí. Revista Ciência Agronômica, 45(3), 488-498.

Carvalhais, R. M.; Moraes, N. A.; Silva, H. F.; Bernardes, I. M. M. (2019). Deslizamento de encostas devido a ocupações irregulares. Brazilian Journal of Development, 5(7), 9765-9772.

CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. (1980). Drenagem urbana: manual de projeto (2a ed.). São Paulo: DAEE/CETESB.

Chow, V. T. (1964). Hanndbook of applied hydrology (1a ed.). New York: McGraw Hill.

Cohen, J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences (1a ed.). New Jersey: Lawrence Erlbaum.

Damé, R. C. F.; Teixeira-Gandra, C. F. A.; Guedes, H. A. S.; Silva, G. M.; Silveira, S. C. R. (2016). Intensity-duration-frequency relationships: stochastic modeling and disaggregation of daily rainfall in the Lagoa Mirim watershed, Rio Grande do Sul, Brazil. Engenharia Agrícola, 36(3), 492-502.

Dorneles, V. R.; Damé, R. C. F.; Gandra, C. F. A. T.; Méllo, L. B.; Ramirez, M. A. A.; Manke, E. B. (2019). Intensity-duration-frequency relationships of rainfall through the technique of disaggregation of daily rainfall. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 23(7) 506-510.

Dornelles, F; Collischonn, W. (2016). Hidrologia para engenharias e ciências ambientais (2a ed.). Porto Alegre: ABRH.

Gonçalves, L. J.; Tagliaferre, C.; Filho, M. N. C.; Neto, R. L. B.; Silva, B. L.; Rocha, F. A. (2019). Determinação da equação intensidade-duração-frequência para algumas localidades do estado da Bahia. Irriga, 1(1), 109-115.

Gonçalves, L. J.; Tagliaferre, C.; Filho, M. N. C.; Neto, R. L. B.; Nascimento, F. M. (2018). Equação intensidade-duração-frêquencia das precipitações de algumas localidades do estado da Bahia. SEEFLOR-BA, Vitória da Conquista, Bahia, 6.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Estimativa da população. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=downloads. Acesso em 23/08/2019.

Köppen, W. (1931). Grundriss der Klimakunde: Outline of climate Science (1a ed.). Berlin: Walter de Gruyter.

Lorenzoni, M. Z.; Prado, G.; Rezende, R.; Maller, A.; Oliveira, J. M. (2013). Chuvas intensas para a macrorregião de Cianorte/PR, Brasil: Uma avaliação a partir de desagregação de chuvas diárias. Enciclopédia Biosfera, 9(17), 656-669.

Londe, L. R.; Coutinho, M. P.; Gregório, L. T.; Santos, L. B. L.; Soriano, E. (2014). Desastres relacionados à água no Brasil: perscpectivas e recomendações. Ambiente & Sociedade, 17(4), 133-152.

Marcuzzo, F. e Goularte, E. (2013). Índice de anomalia de chuvas do estado do Tocantins. Geoambiente On-line, 19 (1), 01-17.

Moriasi, D. N.; Gitau, M. W.; Pai, N.; Daggupati, P. (2015). Hydrologic and water quality models: Performance measures and evaluation criteria. Trans. ASABE, 58(6), 1763-1785.

Nascimento, Y. S.; Jesus, J. B. (2017). Relações intensidade-duração-frequência de precipitações para o município de Tucano, Bahia. Agropecuária Científica no Semiárido, 13(4), 302-306.

Oliveira, L. F. C. de; Cortês, F. C.; Wehr, T. R.; Borges, L. B.; Sarmento, P. H. P.; Griebeler, N. P. (2005). Intensidade-duraçãofrequência de chuvas intensas para algumas localidades no Estado de Goiás e Distrito Federal. Pesquisa Agropecuária Tropical, 35(1), 13-18.

Pereira, D. C.; Duarte, L. R.; Sarmento, A. P. (2017). Determinação da curva de intensidade, duração e frequência do município de Ipameri – Goiás. Revista Eletrônica de Engenharia Civil, 13(2), 233-246.

Pereira, S. B.; Fietz, C. R.; Peixoto, P. P. P.; Sobrinho, T. A.; Santos, F. M. (2007). Equação de Intensidade, Duração e Freqüência da Precipitação para a Região de Dourados, MS (1a ed.). Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste.

Petrucci, E.; Oliveira, L. A. (2019). Relações entre intensidade, duração e frequência das precipitações máximas de 24 horas e equação de chuvas intensas para a cidade de Uberlândia-MG. Revista Brasileira de climatologia, 25(1), 337-354.

Pruski, F. F.; Silva, D. D.; Teixeira, A. F.; Cecílio, R. A.; Silva, J. M. A.; Griebeler, N. P. (2006). Hidros: dimensionamento de sistemas hidroagrícolas (1a ed.). Viçosa: UFV.

Santos, D. L.; Palácio, H. A. Q.; Moura, M. M. S.; Filho, J. C. R.; Costa, G. B. R. (2019). Determinação das equações de intensidade, duração e frequência de precipitação para cidades do sudeste do estado do Ceará. Revista Científica Rural, 21(2), 16-30.

Silva, K. B. (2016). Caracterização das bacias dos Rios Colônia, Salgado e Cachoeira e suas contribuições para estudos de confluências. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, BA, Brasil.

Souza, R. O. R. D. M.; Scaramussa, P. H. M.; Amaral, M. A. C. M. D.; Pereira Neto, J. A.; Pantoja, A. V. et al. (2012). Equações de chuvas intensas para o estado do Pará. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 16(1), 999-1005.

Teodoro, P. E.; Neivock, M. P.; Marques, J. R. F.; Flores, A. M. F.; Rodrigues, C. C. B. (2014). Influência de diferentes coeficientes de desagregação na determinação de equações IDF para Aquidauana/MS. Revista Eletrônica de Engenharia Civil, 9(2), 1-9.

Tucci, C. E. M. (2013). Hidrologia: ciência e aplicação (4a ed.). Porto Alegre: ABRH.

Villela, S.M.; Mattos, A. (1975). Hidrologia aplicada (1a ed.). São Paulo: Mcgraw-Hill do Brasil,

Viola, M. R.; Avanzi, J. C.; Mello, C. R. D.; Lima, S. D. O.; Alves, M. V. G. (2014). Distribuição e potencial erosivo das chuvas no Estado do Tocantins. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 49(1), 125-135.

Willmot, C. J.; Ackleson, S. G.; Davis, J. J.; Feddema, K.; Klink, D. R. (1985). Statistics for the evaluation and comparison of models. Journal of Geophysical Research, 90(5), 8995- 9005.

Xavier, A. C.; King, C. W.; Scanlon, B. R. (2015). Daily gridded meteorological variables in Brazil (1980–2013). International Journal of Climatology, 36(6), 2644-2659.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Lorena Lima Ferraz, Juliana Rocha Duarte Neves, Lorena Júlio Gonçalves, Lucas Farias de Sousa, Lais Barbosa Oliveira

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn