Contribuições social, ambiental e econômica do projeto Cultura Sustentável para a comunidade do Alto da Penha em Crato - Ceará (Brasil)

Elenice Bezerra Viana

Resumo


Este artigo tem por objetivo identificar as contribuições do Projeto Cultura Sustentável para a comunidade do Bairro Alto da Penha na cidade de Crato – CE. São relatadas no referencial teórico breves considerações acerca da distinção conceitual entre crescimento e desenvolvimento econômicos, bem como o significado de sustentabilidade sob ótica de três dimensões: econômica, social e ambiental. Trata-se de uma pesquisa exploratória e descritiva, conduzida sob a forma de um estudo de caso, com abordagem quanti-qualitativa. Os procedimentos de coleta de dados foram compostos por observação direta não participante, entrevista e aplicação de questionários semiestruturados. A tabulação e análise dos dados, permitiu-nos tecer considerações sobre a importância do Projeto Cultura Sustentável na minimização dos problemas ambientais ocasionados pelo descarte inadequado dos resíduos sólidos que ocorria no Bairro Alto da Penha, visto que, após o projeto, os resíduos passaram a ser trocados por itens da cesta básica, atenuando as dificuldades econômicas e sociais de muitos participantes.

 

 


Palavras-chave


Resíduos Sólidos; Sustentabilidade; Inclusão Social.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


BOFF, Leonardo. Sustentabilidade: o que é e o que não é. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

BORGES, Ana Rosa Dias. Narrativas orais no Barro Vermelho. 1. ed. Crato (2011).

BRASIL, Lei N° 12.305 de 02 de agosto de 2010 - Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acessado em março/2019.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. O conceito histórico de desenvolvimento econômico (2006).

CARMO, Michelly Eustáquia do; GUIZARD, Francini Lube. O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Cad. Saúde Pública. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n3/1678-4464-csp-34-03-e00101417.pdf. Acesso em: 25/07/2019.

CARNEIRO, Douglas Mesquita; BAGOLIN, Izete Pengo. Abordagens acerca da relação crescimento econômico, desigualdade e pobreza. Revista Cadernos de Economia, Chapecó, v.16, n. 30-31, p. 05-20, dez. 2012.

GARCIA, Denise Schmitt Siqueira. Dimensão econômica da sustentabilidade: uma análise com base na economia verde e a teoria do decrescimento. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v.13, n.25, p.133-153. Janeiro/Abril de 2016. Disponível em: http://www.domhelder.edu.br/revista/index.php/veredas/article/view/487/478. Acesso em: 16/07/2019.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LIMA, Cissa Cristina Teles. Aplicação de indicadores de sustentabilidade de resíduos sólidos no município de Araguari-MG. Uberlândia 2017. Universidade Federal de Uberlândia – UFU Instituto de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Ambiental.

NASCIMENTO, Elimar Pinheiro do. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. Estudos avançados 26 (74), 2012.

ROLNIK, Raquel. Resíduos Sólidos Urbanos: Repesando suas dimensões in: Resíduos sólidos urbanos e seus impactos sócioambientais. SANTOS, Maria Cecília Loschiavo dos; DIAS, Sylmara Lopes Francelino Gonçalves (org). IEE-USP, São Paulo, 2012.

SACHS, I. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SIEMIONKO, Adriana Dias; CAPORLINGUA, Vanessa Hernandez. A educação ambiental e os agentes recicladores da cooperativa renascer – Canoas/RS/Brasil. Revista de Educação Ambiental Universidade Federal do Rio Grande – FURG. ISSN - 1413-8638 E-ISSN – 2238-5533. Dossiê Temático Educação Ambiental Não Formal vol. 22, n. 1, 2017. Disponível em: file:///C:/Users/Vania/Downloads/6072-20801-1-PB%20(1).pdf. Acesso em: 18/07/2019.

SIEDENBERG, D. R.. Dicionário do Desenvolvimento Regional. Santa Cruz: Edunisc, 2006.

STOFFEL, Jaime Antonio; COLOGNESE, Silvio Antônio. O desenvolvimento sustentável sob a ótica da sustentabilidade multidimensional. Rev. FAE, Curitiba, v. 18, n. 2, p. 18 - 37, jul./dez. 2015.

WORLD BANK. Poverty and Shared Prosperity Piecing Together the Poverty Puzzle. Washington, DC, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Elenice Bezerra Viana

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn