A relação entre ambiente e sociedade: a importância das práticas de Educação Ambiental no Parque Estadual Horto Dois Irmão (Recife – Brasil)

Aurea Nascimento de Siqueira Mesquita, André Felipe Oliveira da Silva, André dos Santos, Williams Nascimento de Siqueira

Resumo


Numa busca pela compreensão racional dos muitos fenômenos naturais que ocorriam ao longo do espaço geográfico o homem em determinado momento assumiu uma postura de negação da sua essência natural, ou seja, viu-se como parte externa à natureza; como um ser dominante em relação à natureza. É nesse contexto de apropriação e de profundas e recorrentes transformações no espaço geográfico que chegamos aos dias atuais, a era da globalização, no qual momentos de efervescência e contradições continuam tecendo a complexa interação entre natureza e o homem, bem como acentuando ainda mais os impactos negativos no tocante ao meio natural. Refletindo exclusivamente sobre a Mata Atlântica, é notório que esse bioma também tem sofrido, assim como os demais biomas nacionais, com práticas inapropriadas que vem contribuindo para uma diminuição sem precedentes no número de espécies. Partindo desse pressuposto, foi feito um recorte espacial para melhor ponderar em relação ao contexto supracitado (análise de uma parcela da Mata de Dois Irmãos contida no Horto Zoobotânico de Dois Irmãos). Logo, o presente artigo teve como objetivo trazer uma reflexão acerca da complexa relação sociedade – natureza, analisando de forma crítica as práticas de Educação Ambiental no Parque Dois Irmãos, na cidade de Recife – PE. Foram utilizadas as seguintes metodologias: Caracterização da área, estudo de Caso, instrumentos de pesquisa (Levantamento bibliográfico, Pesquisa explicativa, exploratória e descritiva, análise da área de estudo, observação direta e aplicação dos questionários).

 


Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Antunes, L. F. C. (1988). O procedimento administrativo de avaliação de impacto ambiental. Para uma tutela preventiva do ambiente. Coimbra: Almedina, 1988.

ANUÁRIO MATA ATLÂNTICA. (2014). A Mata Atlântica e as Metas Nacionais de Biodiversidade para 2020. Disponível em: . Acessado em: 23/07/2018.

BRASIL, Ministério da Educação. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente e saúde/Secretaria da Educação Fundamental. 2ª Ed, Rio de Janeiro: DP & A.

Carson, R. (1969). Primavera Silenciosa. São Paulo: Editora Melhoramentos.

Cascino, F. (2000). Educação Ambiental: princípios, história, formação de professores. São Paulo: Editora SENAC São Paulo.

Dias, G. F. (1998). Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Global.

Duarte, R. (2002). Adorno/Horkheimer e a dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Freire, P. (1988). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gil, A. C. (2012). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Goode, W., Hatt, P. (1973). Métodos em pesquisa social. São Paulo: Nacional.

Gonçalves, C. W. P. (1996). Os descaminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto.

Goldenberg, M. (1997). A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record.

GOVERNO ESTADUAL DE PERNAMBUCO. (2018). Parque de Dois Irmãos, Recife-PE. Disponível em: Acessado em: 10/01/ 2018.

Grün, M. (1996). Ética e Educação Ambiental: A conexão necessária. Campinas, SP: Papirus.

Guimarães, M. (1995). A dimensão ambiental na educação. Campinas, SP: Papirus.

Loureiro, C. F. B. (1998). Reflexões sobre os conceitos de ecocidadania e de consciência ecológica. In: Mata, S. F.et al. (orgs). Educação ambiental, desafio do século: um apelo ético. Rio de Janeiro: Terceiro milênio.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. (2017). Unidades de Conservação. Disponível em: . Acessado em: 26/12/2017.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. (2019). Biodiversidade Brasileira. Disponível em: . Acessado em: 21/02/2019.

Padua, S. M., Tabanez, M. F. (1997). Educação Ambiental caminhos trilhados no Brasil. Brasília: Instituto de Pesquisas Ecológicas.

PERNAMBUCO, Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade. (2014). Plano de Manejo - Parque Estadual de Dois Irmãos 2014. Disponível em:. Acessado em: 15/10/2018.

Reigota, M. (2007). Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez.

Santos, M. (2006). A Natureza do Espaço. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Santos, A., Lima, M. L. B., Maciel, L. M. N. L., Paz, M. C. P., Paz, R. J. (2017). A interdisciplinaridade na educação ambiental. Revista Educação Ambiental em Ação. n. 61.

Santos, A., Costa, V. S. O., Santos, T. G. (2019) Diagnóstico da gestão dos resíduos sólidos em duas unidades escolares. Revista Brasileira de Educação Ambiental. v.14, n. 04, p. 25-39.

Smith, N. (1988). Desenvolvimento desigual. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Tamaio, I. (2000). A Mediação do professor na construção do conceito de natureza. Dissertação de mestrado, Universidade de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Thomas, T. (1994). A ecologia do absurdo. Lisboa: Edições Dinossauro, 1994.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vygotsky, L. (1991). A Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 siqueira Mesquita Nascimento

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn