Análise da qualidade do ar e fatores meteorológicos na cidade de Nova Iguaçu (Rio de Janeiro - Brasil) entre os anos de 2000 a 2016

Paulo Henrique Moura, David William Lima Santos, Adalgiza Mafra Moreno, Paula Guidone Pereira Sobreira, Fabrício Polifke da Silva, Luiz Francisco Pires G. Maia

Resumo


A cidade de Nova Iguaçu está entre as que possuem maiores índices de poluição do ar e mortalidade da Região Metropolitana no Rio de Janeiro. Seus níveis de Material Particulado (PM) são duas vezes maiores que os estabelecidos pela OMS. Essas substâncias podem desencadear ou exacerbar doenças respiratórias, cardiovasculares, diferentes tipos de câncer e diabetes, além de levar a mortalidade prematura. A pesquisa teve como objetivo estudar a variabilidade da qualidade do ar e parâmetros meteorológicos, conforme a presença de partículas inaláveis (PM10), na cidade de Nova Iguaçu, no período dos anos de 2000 a 2016. O poluente do ar escolhido foi o Material Particulado (PM10) e variáveis meteorológicas que incluem vento, temperatura e umidade do ar. As bases de dados são públicas e fornecidas pelo (INEA), as variáveis meteorológicas foram correlacionadas através do coeficiente de Pearson. O estudo abrangeu um período de 17 anos, o PM10 manteve valores excedentes para os padrões nacionais com média anual de 88,2 mg/m3 (IC74,9-101,5), foram encontrados valores máximos de até 271 mg/m3 mês, o que corresponde a 5,5 vezes mais do que permitido, a maior correlação anual foi entre o PM10 e o vento com coeficiente de R= 0,5. A qualidade do ar na cidade de Nova Iguaçu esteve em desacordo, especialmente entre os anos de 2000 a 2013 extrapolando os valores de 50 mg/m3 em todos os anos.

 

DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.3633889


Palavras-chave


Qualidade do ar, Poluição do ar, Material Particulado (PM10), Meteorologia, Nova Iguaçu

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Andersen, Z. J.; Nazelle A, Mendez, M. A. et al. (2015). A Study of the Combined Effects of Physical Activity and Air Pollution on Mortality in Elderly Urban Residents: The Danish Diet, Cancer, and Health Cohort. Environmental Health Perspectives. v. 123, n. 6, p. 557-563.

Arbex, M. B.; Santos, U. P.; Martins, L. C. et al. (2012). A poluição do ar e o sistema respiratório. J. Bras. pneumol. v.38, n.5, p.643-655.

Cançado, J. E. D.; Braga, A.; Pereira, L. A. A. et al. (2006). Repercussões clínicas da exposição à poluição atmosférica. J. Bras. Pneumol. v.32, n.1, p.5-11.

Carvalho, M. B. F. (2008). Poluição atmosférica e mudanças climáticas. Dissertação, Mestrado em Direito. PUC-Rio de Janeiro. p. 1-39. Brasil.

Clarice, F.; Stephen, A. B.; Nelson, G. et al. (2004) Internações e óbitos e sua relação com a poluição atmosférica em São Paulo, 1993 a 1997, Rev. de Saúde Pública. v.38, n. 6, p. 751-757

Detran. Estatística, Frota por tipo de veículo. Disponível em: http://www.detran.rj.gov.br/_estatisticas.veiculos/02.asp, Acessado em 19 de Março de 2019.

GBD 2015. Risk Factors Collaborators. Global, regional, and national comparative risk assessment of 79 behavioural, environmental and occupational, and metabolic risks or clusters of risks, 1990–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015. Lancet; 2016. N.388: p.1659–724.

Gouveia, N.; Freitas, C. U, Martins, L. C.; Marcilio, I. O. (2006). Hospitalizações por causas respiratórias e cardiovasculares associadas à contaminação atmosférica no Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Publica. v. 22, n. 12, p. 2669-2677.

Guerra, F. P.; Miranda, R. M. (2011). Influência da meteorologia na concentração do poluente atmosférico PM2,5 na RMRJ e na RMSP. Anais do II Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. SP. p. 1-10.

IBGE – 2018. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Nova Iguaçu.

INEA – Instituto Estadual do Meio Ambiente. GEAR – Gerencia de Qualidade do ar. (2015). Relatório de qualidade do ar do estado do Rio de Janeiro.

Instituto de Saúde e Sustentabilidade. Avaliação do impacto da poluição atmosférica no estado do Rio de Jnaneiro sob a visão da saúde. www.saudeesustentabilidade.org.br. Outubro de 2014. Disponível em: https://www.saudeesustentabilidade.org.br/noticias/rio-de-janeiro-tem-indice-de-poluicao-duas-vezes-maior-que-o-recomendado-pela-organizacao-mundial-de-saude/

Jatene, A.; Teixeira, A.; Victora, C. et al. (2008) As Causas Sociais das Iniquidades em Saúde no Brasil. Comissão Nacional Sobre Determinantes Sociais da Saúde. Relatório Final. p. 1-216.

Jovanovic R, Andersen, Nazelle A, Mendez M, et al. 2015. A Study of the Combined Effects of Physical Activity and Air Pollution on Mortality in Elderly Urban Residents: The Danish Diet, Cancer, and Health Cohort. Environmental Health Perspectives. V. 123. n. 6, p.557-563.

Krämer, U.; Herder, C.; Sugiri. D.; Strassburger, K. et al. (2010). Traffic-Related Air Pollution and Incident Type 2 Diabetes: Results from the SALIA Cohort Study. Environmental Health Perspectives. v. 118, n.9 p. 1273-1279.

Künzli, N.; Jerrett, M.; Garcia-Esteban, R.; Basagaña, X. et al. (2010). Ambient Air Pollution and the Progression of Atherosclerosis in Adults. PLOS ONE. v. 5, n. 2, p. 1-10.

Liu, L.; Tang, X.; Liu, H. et al. (2016). Spatial – Temporal Analysis of Air Pollution, Climate Change, and Total Mortality in 120 Cities of China, 2012-2013. Front Public Health. v. 4, n. 143. P. 1-13.

Martins, E. M.; Fortes, J. D. N.; Ribeiro, G. P. et al. (2014). Utilização de Sistema de Informação Geográfica como ferramenta para gestão do monitoramento da qualidade do ar na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Eng. Sanit. Ambient. Edição Especial. v.19, n. spe p. 43-49.

Meimei, X.; Yuming, G.; Yajuan, Z. (2014). Spatiotemporal analysis of particulate air pollution and ischemic heart disease mortality in Beijing, China. Environmental Health. v. 13, n.109, p. 1-12.

Nakagawa, L.; Comaru, F. A.; Trigoso, F. B. M. (2010) Impactos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana da Poluição Atmosférica na Região Metropolitana de São Paulo – SP, Anais do V Encontro Nacional da Anppas, Florianópolis - SC. p. 1-14.

Nascimento, L. F. C.; Pereira, L. A. A.; Braga, A. L. F. et al. (2005). Efeitos da Poluição Atmosférica na Saúde Infantil em São José dos Campos, SP. Rev de Saúde Pública. v.40, n. 1, p. 77-82.

Nuvolone, D.; Balzi, D.; Chini, M.; Scala, D.; Giovannini, F.; Barchielli, A. (2011) Short-Term Association Between Ambient Air Pollution and Risk of Hospitalization for Acute Myocardial Infarction: Results of the Cardiovascular Risk and Air Pollution in Tuscany (RISCAT) Study. Am J. Epidemiol. v. 174, n.1, p. 63–71.

Park, S. Y.; Byun, E. J.; Lee, J. D.; kim, S.; kim, H. S. (2018) Air Pollution, Autophagy, and Skin Aging: Impact of Particulate Matter (PM10) on Human Dermal Fribroblasts. Int J. Mol Sci. v. 19, n. 9, p. 1-15.

Pereira, J. L. G.; Fortes, J. D. N.; Martins, E. M. (2015) Poluição do Ar por Material Particulado em Área Intraurbana no Rio de Janeiro: Aspectos Metorológicos. REEC – Revista Eletrônica de Engenharia Civil. v.10, n. 3, p. 53-67.

PNUD. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. (2008). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Relatório da qualidade do ar do estado do Rio de Janeiro. Ano base 2015. Instituto estadual do meio ambiente (INEA). Gerente de qualidade do ar (GEAR)

Sanchez, C. O. R.; Martins, L. D.; Ynoue, R. Y.; Andrade, M. F. (2007). The impact on tropospheric ozone formation on the implementation of a program for mobile emissions control: a case study in São Paulo, Brazil. Environmental Fluid Mechanics (Dordrecht). v.7, p. 95 119.

Santos, T. C.; Carvalho, V. S. B.; Rebolta, M. S. (2016) Avaliação da influência das condições meteorológicas em dias com altas concentrações de material particulado na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Eng. Sanit. Ambient. v. 21, n. 2, p. 307-313.

Silva, H. (2014). Análise da Temperatura do Ar Fundamentada na Teoria da Complexidade em Floresta de Transição no Norte de Mato Grosso. Dissertação, Mestrado em Física Ambiental. p-93.Universidade Federal de Mato Grosso- Brasil.

Silverman, R. A.; Ito, K.; Freese, J. et al. (2010) Association of Ambient Fine Particles With Out-of-Hospital Cardiac Arrests in New York City. Am. J. Epidemiol. v. 172, n. 8, p. 917-923.

Vermylen, J.; Nemmar, A.; Nemery, B.; Hoylaerts, M. F. (2005) Ambient air pollution and acute myocardial infarction. J. Thromb. Haemost. v. 3, n. 9 p. 1955-1961.

Wikipédia. Nova Iguaçu, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2019. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Paulo Henrique Moura

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn