A utilização da APA Morros Garapenses como ferramenta didática no curso de Ciências Biológicas

Raiana Cristina Simião Araújo, Paula Oliveira de Sousa, Gerciane dos Santos Lima, José Augusto Rodrigues de Carvalho, Thiara Lopes Rocha

Resumo


A Área de Proteção Ambiental (APA) Morros Garapenses, é patrimônio natural e paleobotânico. Engloba quatro municípios pertencentes ao Maranhão: Afonso Cunha, Buriti, Coelho Neto e Duque Bacelar. Criada no decreto Nº 25.087 de 31 de dezembro de 2008, é considerada uma unidade de conservação de recursos ambiental e naturais. É nesse paradigma que a APA se mostra como um importante recurso didático. As políticas nacionais de Educação Ambiental atualmente visam atingir e transformar membros da comunidade no intuito de obter mudanças através de ações educativas permanentes. Este estudo teve como objetivo trabalhar conteúdo do curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) na cidade de Coelho Neto-MA, através do uso de trilhas ecológicas na APA Morros Garapenses e contribuir na formação de discentes de Ciências Biológicas Licenciatura da UEMA. Para alcançar estes objetivos foram desenvolvidas atividades em várias etapas: Visitas às trilhas; Reuniões; Preparação dos roteiros de trilha; e Realização das atividades nas trilhas ecológicas. Para avaliar a atividade foi realizada uma pesquisa de opinião com os participantes. A iniciativa de aula prática em campo, segundo a pesquisa, foi muito importante para despertar o interesse pelo curso. As atividades foram de grande relevância para todos os alunos, não somente pelo sucesso em si e dinâmica de aprendizagem em equipe, mas principalmente pela divulgação positiva das riquezas naturais que existem na APA e a socialização das boas práticas envolvendo a natureza, que contribuíram para a sensibilização dos participantes com as questões relativas ao meio ambiente.

 

DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.3524775


Palavras-chave


Biologia, Unidade de conservação, Educação Ambiental

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Antiqueira, L. M. O. APA da Escarpa Devoniana: uma verdadeira sala de aula. Disponível em: http://www.oeco.org.br/colunas-colunistas/apa-da-escarpa-devoniana-uma-verdadeira-sala-de-aula. Acesso em: 18/09/2018.

Bagliano, V. R.; Alcântara, R. N.; Baccaro, D. C. (2012). Conceituação Histórica e Fundamentação da Educação Ambiental no Mundo e no Brasil. Caderno Meio Ambiente e Sustentabilidade, 1(1), 94-108.

Barros, M. I. A. e Dines, M. (2000). A educação pelas pedras: ecoturismo e educação ambiental. São Paulo, SP: Chronos, p. 47-84.

Brito, F. A.; Câmera, J. B. D.(1998). Democratização e gestão ambiental. Petrópolis, (3a ed.), Editora: Vozes, p.332p.

Câmara, J. e Lima, A. R. (2007). Uso de Trilhas Ecológicas para Trabalhar Educação Ambiental. Educação Ambiental em Ação [Versão Eletrônica], 1, 1-19. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2679.

Costa, M. M. S.; Da Silva, E. B.; De Meneses, L. F. (2012) Proposta de trilha ecológica como atrativo ecoturístico na área de proteção ambiental da barra do rio Mamanguape–PB. Revista Turismo: estudos e práticas, 1(2), 104-117.

Cuba, M. A. (2011). Educação ambiental nas escolas. Educação, Cultura e Comunicação, 1 (2):. 23-31.

Decreto Estadual nº 25.087 de 31.12.2008. Cria a Área de Proteção Ambiental dos Morros Garapenses, com limites que especifica, e dá outras providências. São Luís: Diário Oficial do Estado, 31.12. Disponível em: http://www.stc.ma.gov.br/legisla-documento/?id=2570 Acessado em: março/2018.2008.

De Souza et al. (2012). Trilhas interpretativas como instrumento de educação ambiental. Ensino, Saúde e Ambiente, 5(2), 294-304.

Dias, L. S.; Leal, A. C.; Carpi Junior, S. (2000). Educação ambiental: Princípios e práticas, 6ª Edição. São Paulo: Editora Gaia.

Filho, C. V. M.; Do Amaral, A. A. & De Abreu, P. M. K. (2014) Trilhas ecológicas como instrumento de sensibilização para questões ambientais. Revista Enciclopédia Biosfera – Centro Cientifico Conhecer. 10(18), 36-46.

Hammes, V. S.; Rachwal, M. F. G.(2012). Meio ambiente e a escola. Brasília, DF: Embrapa, v.7, p. 490.

IBGE. Dados do município de Coelho Neto. Disponível: http://cidades.ibge.gov.br/ Acessado em: 17/07/2018

Jacobi, P. R. (2003) Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa, 118, 189-205.

Marcatto, C. (2000) Educação ambiental: conceitos e princípios. Belo Horizonte. Ed. FEAM - Fundação Estadual do Meio Ambiente de Minas Gerais. 64.

Pelicioni, M. C. F. e Philippi Jr., A. (2005) Educação ambiental e sustentabilidade. Coleção ambiental. Barueri, SP: Manole.

Seniciato, T. e Cavassan, O. (2004). Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em Ciências: um estudo com alunos do ensino fundamental. Ciência& Educação, 1 (10): 133-147.

Sick, H.(1972). A ameaça da avifauna brasileira. In: Espécies da fauna brasileira ameaça das de extinção. Academia Brasileira de Ciências. Rio de Janeiro, p. 99.

Zysman, N. (2002). Meio Ambiente, educação e Ecoturismo. Barueri, SP: Editora: Manole, p.133.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Raiana Cristina Simião Araújo

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn