Riacho do Cavouco: um patrimônio natural e cultural

Letícia Rocha de Santana, Onilda Gomes Bezerra, Joelmir Marques da Silva

Resumo


As cidades contemporâneas são palco de complexos problemas sociais, econômicos e ambientais, consequência de uma urbanização intensa ocorrida após a década de 1950 que reduziu os cursos d’água e comprometeu sua qualidade, contribuindo para a deterioração dos rios e riachos urbanos. Esse fato evidencia a percepção utilitarista dos recursos naturais por parte de agentes da gestão, não reconhecendo corpos hídricos como patrimônio. Sob essa perspectiva, objetivou-se compreender o processo de gestão da conservação dos valores das águas a partir da análise de um trecho do Riacho do Cavouco, um dos afluentes do Capibaribe, um dos principais rios do estado de Pernambuco. Para tanto, buscou-se entender como o riacho se insere na malha hídrica e urbana; identificar os principais agentes institucionais e grupos sociais envolvidos em sua gestão e apreender a percepção dos diversos atores por meio de entrevistas semiestruturadas, identificando os principais valores naturais e socioculturais atribuídos. Deste modo, foi possível formular recomendações visando contribuir no processo de gestão da conservação do Cavouco enquanto patrimônio natural e cultural.

 

DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.3612323


Palavras-chave


Patrimônio Natural e Cultural. Gestão da Conservação. Valores Patrimoniais.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


BUARQUE, S. C. Metodologia de planejamento do desenvolvimento local e municipal sustentável. 2. ed. Brasília: Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), 1999.

CONSELHO INTERNACIONAL DE MONUMENTOS E SÍTIOS-ICOMOS. Carta de Burra. Austrália, 1980. Disponível em: <>. Acesso em: 01.09.2018.

CONSELHO DA EUROPA. Convenção Europeia da Paisagem. Florença, 2000.

COSTA, F. A. P. da. Arredores do Recife. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2013.

INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE -IUCN/UNESCO/AUSTRALIAN COMMITTEE FOR IUCN. Australian Natural Heritage Charter for the Conservation of Places of Natural Heritage Significance: Standards and principles. Published by the Australian Heritage Comission in association with the Australian Comittee for IUCN. Australia, Sydney NSW, 1996. Disponível em: <>. Acesso: 02.10.2018.

MENESES, A. R. S. de. Desafios da gestão dos parques urbanos de Recife. 2018. 293 f. Dissertação. (Mestrado em Desenvolvimento Urbano) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPE – Recife.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Declaração da “ONU Água” para o Dia Mundial da Água. 2010.

____. Convenção para a proteção do patrimônio mundial, cultural e natural. ONU. Paris, 1972.

PONTUAL, Virgínia. Et al. Gestão do Patrimônio Cultural Integrado. Centro de Conservação Integrada Urbana e Territorial. Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2002.

SANTANA, L. R. de. A conservação do Riacho do Cavouco: recomendações para a gestão dos valores patrimoniais da Paisagem. 2018, 119 folhas. Monografia. (Graduação em Arquitetura e Urbanismo) – UFPE, Recife, 2018.

SANTANA, L. R. de; BEZERRA, O. G.; SILVA, J. M. da. Riacho do Cavouco: análise sobre a gestão de bacias hídricas. João Pessoa: Conferência da Terra, 2018 (prelo).

TUCCI, C. E. M. Temas e tendências: gestão das águas. Campinas: Drenagem Urbana, em Ciência e Cultura. Nº4, 2003.

VIÑAS, S. M. Teoría contemporánea de la Restauración. Madrid: Editorial Síntesis S.A., 2003.

WORLD METEOROLOGICAL ORGANIZATION -GENEVA, CH, WMO. The Dublin statement and report of the Conference. International conference on water and the environment: Development issues for the 21st Century. Dublin, 1992.

Legislação

PERNAMBUCO. Lei nº 12.984, de 30 de dezembro de 2005. Política Estadual de Recursos Hídricos e o Sistema Integrado de Gerenciamento de Recursos Hídricos.

Plano diretor de drenagem urbana do Recife. Prefeitura da cidade do Recife. Emlurb. Fevereiro de 2016.

RECIFE. Lei nº 16.243 de 13 de setembro de 1996. Código do Meio Ambiente e do Equilíbrio Ecológico da Cidade do Recife.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Letícia Rocha de Santana, Onilda Gomes Bezerra, Joelmir Marques da Silva

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn