Distribuição das concentrações de Ozônio (O3) na área de influência do polo industrial de Camaçari – Bahia: prováveis impactos à Saúde Humana e ao Meio Ambiente

Luciano da Silva Alves, Laís Lage dos Santos, Elizabeth da Rocha Couto

Resumo


O objetivo desta pesquisa consistiu em avaliar do perfil das concentrações do ozônio nas regiões de Camaçari, Lamarão do Passé e Dias D´ Ávila, localizadas em torno do Polo Industrial de Camaçari (PIC), e ponderar sobre os possíveis efeitos à Saúde Humana e ao Meio Ambiente.  Para isto, foram utilizados os dados de monitoramento cedidos pela Cetrel S/A referentes ao detectado nas estações de Câmara (Camaçari), Machadinho (Camaçari), Escola (Dias D’ Ávila) e Lamarão (Lamarão do Passé). As concentrações foram avaliadas conforme as máximas detectadas no período amostral de 1h, Resolução CONAMA nº 491/2018 (71,4 ppb – média móvel de 8h), Organização Mundial da Saúde - WHO (51ppb – média móvel de 8h) e através dos limites da AOT 40 (40 ppb/h). De acordo com os resultados, pôde-se observar que os maiores picos de O3 foram registrados na estação de Lamarão. Destaca-se que durante todo período, os níveis de O3 não ultrapassaram os limites estabelecidos pela Resolução CONAMA nº 491/2018. Contudo, quando comparado com os padrões da WHO, a concentração de 51,21 ppb registrada na estação de Lamarão violou o estabelecido. Dada a avaliação através da AOT 40, foi observado que os níveis de O3 esteve acima do permitido em todas as estações. Em tese, conclui-se que a população de Lamarão do Passé possui tendência em adquirir enfermidades proveniente das concentrações de O3. Quanto aos impactos ao Meio Ambiente, verifica-se que poluição atmosférica é passível de causar danos a vegetação de Camaçari, Dias D’ Ávila e Lamarão do Passé


Palavras-chave


Monitoramento;Poluição; Ar; Ozônio

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ANTUNES, M. L. P.; AGUILAR, A. F.; CAMARGO, S. R. G. Identificação das fontes precursoras de ozônio na troposfera de Sorocaba (S.P.). REA – Revista de Estudos Ambientais, Blumenau, v.10, n. 1, p. 33-39, jan./jun, 2008.

BRAGA, A.; BÖHM, M. G.; PEREIRA, L. A. A.; SALDIVA.P. Poluição atmosférica e saúde humana. Revista USP, São Paulo, n. 51, p. 58-71, set./nov, 2001.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução nº 491 de 19 de novembro de 2018. Dispõe sobre padrões de qualidade do ar. Diário oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 19 nov 2018.

CAMARA, V. F.; LISBOA, H. M.; HOINASKI, L.; DAVID, P. C. Levantamento das emissões atmosféricas da indústria da cerâmica vermelha no sul do estado de Santa Catarina, Brasil. Cerâmica, vol. 61, n. 358, p. 213-218, 2015.

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO - CETESB. Avaliação dos níveis de ozônio troposférico (AOT 40) com referência a proteção da vegetação no estado de São Paulo. Disponivel em: . Acesso em: 20 Maio 2018.

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO - CETESB. Relatório de qualidade do ar no estado de São Paulo. 2014.

COUTO, E.R. Transformações de SO2 e NO2 na atmosfera da área de influência do polo industrial de Camaçari. 2011. 273 f. Tese (Doutorado em Química) Universidade Federal da Bahia, Bahia.

DAPPER, S.N.; SPOHR, C.; ZANINI, R.R. Poluição do ar como fator de risco para a saúde: uma revisão sistemática no estado de São Paulo. Estudos Avançados, v.30, n.86, p.83-97, 2016.

FRANCISCO, A.; ALVIM, D.; GATTI, L.; PESQUERO, C.; ASSUNÇÃO, J. Ozônio troposférico e compostos orgânicos voláteis em região impactada pela agroindústria canavieira. Química Nova, v. 39, n. 10, p. 1177-1183, 2016.

FREITAS, C. U.; LEON, A. C. M. P.; JUNGER, W. L.; GOUVEIA, N. Poluição do ar e impactos na saúde em Vitória, Espírito Santo. Revista de Saúde Pública, v.50, n. 4, 2016.

JÚNIOR, E.P. Distribuição espacial do ozônio troposférico em Jundiaí – SP, como subsídio a estudos de exposição da população. 2018. 139 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) Universidade de São Paulo. São Paulo.

NETTO, F. D.; DAEMME, L. C.; PENTEADO, R.; BELTRÃO, V. C.; SILVA, V. C. B.; CORRÊA, S. M. Formação de ozônio troposférico: uma revisão da literatura. XXV Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva, v. 4. 2017.

NEVES, N.M.S. Formação e dispersão de ozônio na região do recôncavo baiano. 2009. 137 f. Tese (Doutorado em Quimica) Universidade Federal da Bahia, Bahia.

NOGUEIRA, T.; DOMINUTTI, P. A.; CARVALHO, L. R. F.; FORNARO, A. F. A. M. Formaldehyde and acetaldehyde measurements in urban tmosphere impacted by the use of ethanol biofuel: Metropolitan area of Sao Paulo. v. 134, p. 505-513, 2014.

PIMENTA, Maria Antunes. Ozônio troposférico – os efeitos na saúde e no meio ambiente e diretrizes para a região de Belo Horizonte. 2010. 83 f. Monografia (Especialização em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente) Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

WITTIG, I. E.; ELIZABETH, A. A.; NAIDU, S. L.; KARNOSKY, D. F.; LONG, S. P. Quantifying the impact of current and future tropospheric ozone on tree biomass, growth, physiology and biochemistry: a quantitative meta-analysis. Global Change Biology, v.15, p. 396-424, jul. 2008.

World Health Organization – WHO. Quantification of the Health Effects of Exposure to Air Pollution. European Center for Environment and Health, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Luciano da Silva Alves, Laís Lage dos Santos, Elizabeth da Rocha Couto

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn