Degradação dos manguezais em Aracaju/SE (Brasil): impactos socioeconômicos na atividade de catador do caranguejo-uçá (Ucides cordatus)

Thiago Lima Santana Duarte, Viviane Almeida Rezende

Resumo


Historicamente, o município de Aracaju/SE esteve circundado pelos bosques de mangues. Hoje, restam manchas desse ecossistema, em razão de fatores ambientais e antrópicos, com destaque à ocupação urbana. A produção do caranguejo-uçá (Ucides cordatus) vem reduzindo com a devastação dos manguezais, causando impactos socioeconômicos na atividade de captura dos caranguejeiros, com vistas à subsistência e à comercialização. O objetivo principal desta pesquisa é revelar, a partir da análise das concepções dos catadores, os impactos socioeconômicos na atividade extrativista desses sujeitos, tendo em vista a marginalização e a discriminação a que são submetidos. Esse cenário denuncia a ausência de uma melhor gestão do ambiente, no desempenho da atividade, na vida e na saúde dos catadores, configurando-se num cenário de vulnerabilidade socioambiental. Nesse estudo, a Educação Ambiental contribui para minimizar os impactos ambientais nas áreas de mangue a fim de maximizar a população de caranguejo, e, sobretudo, fortalecer a comunidade catadora como categoria trabalhista, mediante processo educativo que alia desenvolvimento sustentável à participação ativa desta comunidade.

 

DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.3522468


Palavras-chave


Meio Ambiente; Educação Ambiental; Manguezal; Catador de caranguejo-uçá; impacro

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALMEIDA, F. C. (2008). A história da devastação dos manguezais aracajuanos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, SE, Brasil.

ALVES, R.; NISHIDA, A. (2003) Aspectos socioeconômicos e percepção ambiental dos catadores de caranguejo-uçá (Ucides cordatus) (Linnaeus, 1763) (Decapoda, Brachyura) do estuário do rio Mamanguape, Nordeste do Brasil. v.28, n.1. Interciência. Disponível em https://www.scielo.org.ve/. Acesso em: 08/07/2016.

BOTELHO, E. R. O.; SANTOS, M. C. F. & PONTES, A. C. P. (2000). Algumas considerações sobre o uso da redinha na captura do caranguejo-uçá Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) no litoral sul de Pernambuco – Brasil. Pernambuco: Boletim Técnico-Científico do Cepene, v. 8, n. 1, p. 55-7.

CARTIER, R. et al. (2009). Vulnerabilidade social e risco ambiental: uma abordagem metodológica para avaliação de injustiça ambiental. Caderno de Saúde Pública, p. 2695-2704.

DIEGUES, A.C. (2004) A pesca construindo sociedades. São Paulo: NUPAUB/USP.

GARCIA, A. C (2000, 13 de novembro). Ibama faz apreensão de 13 mil caranguejos. Jornal da Cidade, Folha Cidade, Caderno B, p. 6.

HATTORI, G (2006). Densidade populacional do caranguejo-uçá Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustacea, Brachyura, Ocypodidade), na região de Iguape (SP). Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista. São Vicente, SP, Brasil.

IBAMA. Portaria nº 034/03-N, 24 de junho de 2003. Serviço Público Federal. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em http://bioteia.com.br/apadelta/wp-content/uploads/DocumentosAPA/Legislacao/27%20-%20PT0034-03.06.03%20CARANGUEJO.PDF . Acesso em 02/04/2016.

LEGAT, J. F.A, et al (2006). Caranguejo-uçá: métodos para a captura, estocagem e transporte. Teresina: Embrapa Meio Norte.

LUCCAS, M.; SILVA, C. A. (2010, maio) A Educação Ambiental não-formal: algumas propostas. Trabalho apresentado no IV Congresso Internacional das Linguagens – URI, Erechim, RS, Brasil. Disponível em https://www.reitoria.uri.br. Acesso em 01/04/2016.

MANGUEZAIS: Sistemas abertos. Ecologia e Desenvolvimento. Ano 2, nº 27, Ed. 3º Mundo Ltda. Maio de 1993, p. 30-37.

MOURA, G. F. et al (2006). Diagnóstico socioeconômico, ambiental e biológico da região dos estuários dos rios Goiana e Megaó – PE/PB. Brasília: Ibama/MMA.

NASCIMENTO, S. A (2008). Ecofisiologia do Manguezal. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Org.). Sergipe: Degrase.

NETO, J. D.(2011, org). Proposta de Plano Nacional de Gestão para o uso sustentável do caranguejo-uçá, do guiamum e do sirri-azul. Brasília: IBAMA.

ODUM, W. E; JOHANNES, R.E (1975). The response of mangroves to man induced environmental stress. In: WOOD,E.J.F.; JOHANNES, R.E., orgs. Tropical marine pollution., Elsevire Oceanography Series, p. 52-62, Amsterdam, Holanda.

TAMAIO, I. (2000) A mediação do professor na construção do conceito de natureza: uma experiência ambiental na Serra da Cantareira e favela do Flamengo. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, SP, Brasil. Disponível em https://www.webartigos.com. Acesso em 05/04/2016.

VARGAS, M. A. M. (1984, org). Levantamento socioeconômico da população humana envolvida com a captura do caranguejo-uçá/SE. Sergipe: Adema.

WARNER, G.F. (1969) The ocourrence and distribuition of crabs in a Jamaican mangrove Swamp. Journal of Animal Ecology,v. 38, n.2., Jamaica.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Thiago Lima Santana Duarte

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn