Uso de tanino como alternativa aos coagulantes químicos no tratamento de efluente de laticínio

Bianca Oldoni, Clarice Steffens, Rogério Dallago, Juliana Steffens

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo avaliar a eficiência da aplicação de coagulante natural à base de tanino (Tanfloc SG) em relação à aplicação de coagulantes inorgânicos (sulfato de alumínio, policloreto de alumínio e cloreto férrico) no tratamento de efluente líquido de laticínio. Para tanto, foram realizados testes independentes de coagulação de dois efluentes, avaliando as concentrações mínimas necessárias de cada coagulante para floculação. Na sequência foi avaliada a coagulação-floculação simples a partir da concentração mínima encontrada dos coagulantes. As análises mostraram que os tratamentos geraram um efluente pós-tratamento que atende os padrões estabelecidos pela legislação para lançamento em corpos hídricos, exceto pelo ajuste necessário do pH para algumas amostras coaguladas com cloreto férrico e sulfato de alumínio. Foram observadas diminuições de cor e turbidez (~99%), para todos os coagulantes utilizados. Para o carbono orgânico total e nitrogênio total, verificou-se reduções mais efetivas para o tanino e o policloreto de alumínio, entre 80 e 90%, respectivamente. Os coagulantes foram comparados posteriormente quanto à viabilidade econômica a partir do custo por m³, trazendo o tanino como de menor valor. Portanto, com base nos resultados encontrados, o tanino se apresenta como uma alternativa mais barata, viável e eficaz de tratamento de efluente de laticínios em comparação aos coagulantes químicos, além de causar menor dano ao meio ambiente por ser de origem natural, sendo considerado sustentável.


Palavras-chave


Coagulante natural, Floculação, Carbono orgânico Total

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Almeida, E. J. M. & Grossi, L. J. (2014). Estudo do processo de tratamento de água da indústria de laticínio, Trabalho de Conclusão de Curso, Graduação em Engenharia Química, Universidade Federal de Alfenas, Poços de Caldas, Brasil.

Andrade, L. H. (2011). Tratamento de efluentes de laticínios por duas configurações de biorreator com membranas e nanofiltração visando o reuso, Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Belo Horizonte, 214p, Brasil.

APHA (American Public Health Association). Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. 21ª Ed. Washington – DC: APHA, 2005.

Benazzi, T. L. (2013). Otimização de um sistema de eletrofloculação em fluxo contínuo para o tratamento de efluentes líquidos das indústrias de laticínios, Tese de Doutorado, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, Brasil.

BRASIL. Resolução n° 430, 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução n° 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Diário Oficial da União, 13 de mai. Disponível em:< http://www.adasa.df.gov.br/images/stories/anexos/8Legislacao/Res_CONAMA/Resolucao_CONAMA_430_2011.pdf> Acessado em junho/2020. 2011.

Brião, V. B. & Tavares, C. R. G. (2007). Ultrafiltração como processo de tratamento para o reúso de efluentes de laticínios. Engenharia Sanitária Ambiental, 12(2), 134-138.

Ceni, G. (2017). Estudo da eletrocoagulação aplicada associativamente com peróxido de hidrogênio no tratamento de efluentes líquidos de laticínios. Tese de doutorado, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Erechim, Brasil.

Fonseca, C. R., Freitas, T. P., Noronha, L. L. & Faria, L. L. F. (2010, setembro). Utilização de quitosana e tanino como agentes coagulantes na purificação de hidrolisado de bagaço de cana. Anais do Congresso Brasileiro de Engenharia Química, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil, 29.

Justina, M. D., Kempka, A. P. & Skoronski, E. (2017). Tecnologias empregadas no tratamento de efluentes de laticínios do vale do Rio Braço do Norte – SC. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, 10(3), 809-824.

Mangrich, A. S., Doumer, M. E., Mallmann, A. S. & Wolf, C. R. (2014). Química Verde no Tratamento de Águas: Uso de Coagulante Derivado de Tanino de Acacia mearnsii. Revista Virtual de Química, 6(1), 2-15.

Mello Silva, C., Porto, C.A., Rodrigues, E.M.R. & Anjos Júnior; R.H. (2016, dezembro). Pré-tratamento de efluente de laticínio visando a remoção de turbidez. Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Campina Grande. Paraíba, Brasil, 7.

Molossi, J., Brião, V.B. & Hemkemeier, M. (2014). Pós-tratamento físico químico de efluentes de laticínio para remoção de fósforo. Engenharia Ambiental, 11(2), 124-141.

Muniz, G.L. (2018). Otimização do tratamento de efluente lácteo sintético com o uso de coagulantes alternativos. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Brasil.

Nunes, E.C.S. & Yokoyama, L. (2016, maio). Aplicação de coagulante orgânico no tratamento de efluentes de água oleosa. Anais do Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil, 5.

Ribeiro, I. (2015). Aplicação de coagulantes e floculantes orgânicos alternativos no pós-tratamento de efluente de laticínio. Trabalho de conclusão de curso, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, Brasil.

Santos, H. R. (2006). Coagulação/precipitação de efluentes de reator anaeróbio de leito expandido e de sistema de lodo ativado precedido de reator UASB, com remoção de partículas por sedimentação ou flotação. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Talib, Y., Idris, A. & Aslina, S. A. (2016). Tannin-based agent for coagulation and flocculation of municipal wastewater: chemical composition, performance assessment compared to Polyaluminum chloride, and application in a pilot plant. Journal of Environmental Management, 184(3), 494-503.

Vourch, M., Balannec, B., Chaufer, B. & Dorange, G. (2008). Treatment of dairy industry wastewater by reverse osmosis for water reuse. Desalination, 219(1-3), 190-202.

YIN, C.Y. (2010). Emerging Usage of Plant-Based Coagulants for Water and Wastewater Treatment. Process Biochemistry, 45(9), 1437-1444.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Bianca Oldoni, Clarice Steffens, Rogério Dallago, Juliana Steffens

Revista Brasileira de Meio Ambiente | ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn