Diagnóstico socioambiental como subsídio para Educação Ambiental em uma bacia hidrográfica

Rhuann Carlo Viero Taques, Stephany Caroline de Souza Martins, Maurício Camargo Filho, Adriana Massê Kataoka

Resumo


A Educação Ambiental é um campo do conhecimento que estimula às comunidades e sujeitos a ampliarem a percepção de suas (inter) relações para com o ambiente e assumir a sua responsabilidade sobre o mesmo. Com objetivo de fomentar práticas e criar subsídios para intervenções educativas ambientais se faz necessário conhecer as comunidades que serão trabalhadas. Na área da Bacia Hidrográfica do Rio das Pedras (BHRP), no município de Guarapuava/PR no Brasil, foram identificados os seguintes grupos sociais representativos: agricultores (as) comerciais, agricultores (as) familiares, empresários, posseiros, grileiros e proprietários com áreas de preservação permanente em seus territórios. A pesquisa objetivou investigar as representações sociais de ambiente e percepção de problemas ambientais dos referidos grupos da Bacia Hidrográfica em foco. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa que utilizou o questionário como instrumento de pesquisa. Foram observadas representações sociais de ambiente bastante semelhantes entre os grupos. Estes majoritariamente o descreveram de maneira naturalista e recursista, o dissociando das esferas sociais, culturais, políticas e históricas da BHRP. Contudo, cada grupo social apontou diferentes problemáticas socioambientais da região, como conflitos sociais, mudanças climáticas, escassez de água e dificuldade de acesso à região. Por fim, concluímos que o embate entre o modelo de desenvolvimento econômico em vigência e a necessidade de preservação da referida Bacia Hidrográfica pode ser o foco das ações educativas na região.


Palavras-chave


Representações sociais, Sociedade, Natureza.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Agudo, M. M., Teixeira, L. A. (2020). Pedagogia histórico-crítica como caminho possível para uma educação ambiental crítica. Debates em Educação, Alagoas, 12(26), 283-201. https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n26p283-301

Battistelli, M., Camargo-Filho, M., Heerdt, B. (2004). Proteção e Manejo da Bacia do Rio das Pedras. (1a ed.). Guarapuava: Editora B & D Ltda.

Cartier, R., Barcellos, C., Hubner, C., Porto, M, F. (2009). Vulnerabilidade social e risco ambiental: uma abordagem metodológica para avaliação de injustiça ambiental. Caderno de Saúde Pública, 25(12), 2695-2704. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009001200016

Carvalho, I. C. M. (2012). Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo, Cortez.

Cunha, M. C., Thomaz, E. L., Vestena, L. R. (2013). Medidas de controle de erosão em estradas rurais na bacia do Rio das Pedras, Guarapuava-PR. Sociedade & Natureza, 25(1), 107-118. https://doi.org/10.1590/S1982-45132013000100009

Fontanella, V. J. B., Ricas, J., Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Caderno de Saúde Pública, 24(1), 17-27. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Frederico, S., Almeida, M. C. (2019). Capital financeiro, land grabbing e a multiescalaridade na grilagem de terra na região do Matopiba. Revista NERA, 22(47), 123-147. https://doi.org/10.47946/rnera.v0i47.6268

Freire, P. (1998). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

Helbel, M. R., Vestena, C. L. B. (2017). Fenomenologia e percepção ambiental como objeto de construção à Educação Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 12(2), 67-78. https://doi.org/10.34024/revbea.2017.v12.2225

Layrargues, P. P. (2017). Antiecologismo no Brasil: reflexões ecopolíticas sobre o modelo de desenvolvimentismo-extrativista-predatório e a desregulação ambiental pública. In: Oliveira, M. M. D. (org.). Cidadania Meio Ambiente e Sustentabilidade, Caxias do Sul, EDUCS.

Layrargues, P. P., Lima, G. F. C. (2014). As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, 17(1), 23-40.

Loureiro, C. F. B. (2019). Questões ontológicas e metodológicas da educação ambiental crítica no capitalismo contemporâneo. Revista Eletrônica Mestrado Educação Ambiental, 36(1), 79-95.

Maia, J. S. S. (2015). Educação Ambiental Crítica e formação de professores. Curitiba: Appris.

Moreira, M. A. (2005). Aprendizagem significativa. Brasília: UnB.

Morin, E. (2015). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina.

Moscovici, S. (1981). On social representation. London: Academy Press.

Moutinho-da-Costa, L. (2011). Territorialidade e racismo ambiental: elementos para se pensar a educação ambiental crítica em unidades de conservação. Pesquisa em Educação Ambiental, 6(1), 101-122. https://doi.org/10.18675/2177-580X.vol6.n1.p101-122

Rabelo, N. N., Lima, F. A. A., Vasconcelos, F. D. M., Faustino, J. C. S. F., Lima, P. V. P. S. (2016). Educação Ambiental e o diagonóstico socioambiental das comunidades beneficiadas pela barrage Umari no município de Madalena-CE. Ambiente & Educação, 21(2), 140-153.

Reigota, M. (2010). Meio Ambiente e Representação Social. São Paulo, Cortez;

Sá, C. P. (1996). A teoria do núcleo central das representações sociais. In: Sá, C. P. Núcleo central das representações sociais. Petrópolis, Vozes.

Shiva, V. (2003). Monoculturas da Mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. São Paulo, Gaia.

Silva, P. V., Jorge, T. A. (2019). Análise de conteúdo por meio de nuvem de palavras de postagens em comunidades virtuais: novas perspectivas e resultados preliminares. Atas CIAIQ, 2 (1), 41-48.

Taques, R. C. V. T., Neumann, P., Kataoka, A. M. K. (2020). Enfrentamentos sociopolíticos e diversidade: uma discussão entre Educação Ambiental Crítica e Teoria Queer. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 37(3), 69-91.

Teles, P. A. (2015). Percepção ambiental como ferramenta diagnóstica para o processo de integração entre uma unidade de conservação e a comunidade do entorno. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, São Paulo, Brasil.

Torres, J. R. (2018). Educação ambiental crítico-transformadora no contexto escolar: um exemplar. Chapecó, Plataforma Acadêmica.

Tozoni-Reis, M. F. C. (2019). Sobre educar e transgredir. Ciências Educacionais, 25(1) 31-42. https://doi.org/10.1590/1516-731320190010001

Weller, W., Pfaff, N. (2013). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação. Petropolis: Vozes, 2013.

WordClouds. (2020). Make your own word cloud. Disponível em: https://www.wordclouds.com/. Acesso em 03/12/2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Rhuann Carlo Viero Taques, Stephany Caroline de Souza Martins, Maurício Camargo Filho, Adriana Massê Kataoka

Revista Brasileira de Meio Ambiente | ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn