Um estudo bibliográfico acerca dos surtos de Febre Amarela no Brasil

Clécia Pereira da Silva, Louisiana Regadas de Macedo Quinino, Claudjane Pereira do Rego, Jadson Freire-Silva

Resumo


O objetivo do estudo foi analisar as principais características dos surtos de Febre Amarela no Brasil e os meios utilizados para o controle da epidemia em diferentes contextos na história do país, visto a importância da compreensão desse processo para atuação na atual epidemia. A partir dessa realidade foi realizada uma revisão sistemática, em bases de dados eletrônicas (Lilacs, Portal Regional da BVS e Scielo), de artigos publicados sobre a temática. Foram identificados 15 artigos de acordo com critérios de inclusão para análise da tríade “Febre Amarela”, “Epidemia” e “Brasil”. Nesses estudos, percebeu-se o aumento progressivo de novos casos de febre amarela em seres humanos como em primatas, a área de circulação do vírus vem aumentando consideravelmente nos últimos anos no Brasil, o que dificulta uma delimitação precisa. Essa realidade ressalta a possibilidade da reinfecção da febre amarela em seu ciclo urbano, sendo o último caso registrado no Brasil em 1942, esse contexto demanda a atuação de forma intersetorial no intuito da realização de ações de combate de caráter estrutural

Palavras-chave


Febre Amarela; Evolução; Epidemia.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ARAÚJO, Francisco Anilton Alves; RAMOS, Daniel Garkauskas; SANTOS, Arthur Levantezi; PASSOS, Pedro Henrique de Oliveira; ELKHOURY, Ana Nilce Silveira Maia; COSTA, Zouraide Guerra Antunes; LEAL, Silvana Gomes; ROMANO, Alessandro Pecego Martins. Epizootias em primatas não humanos durante reemergência do vírus da febre amarela no Brasil, 2007 a 2009. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 20(4), p. 527-536, 2011. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Relação de cursos recomendados e reconhecidos. Net. 2018. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Campanha de vacinação terá dose fracionada de febre amarela em três estados. Net. 2018. Disponível em: < http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42289-campanha-de-vacinacao-tera-dose-fracionada-de-febre-amarela-em-tres-estados> Acesso em: 20 fev. 2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Ministério da Saúde atualiza casos de febre amarela. Net. 2018. Disponível em: < http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42422-ministerio-da-saude-atualiza-casos-de-febre-amarela-30-jan> Acesso em: 20 fev. 2018.

CAVALCANTE, Karina Ribeiro Leite Jardim; TAUIL, Pedro Luiz. Características epidemiológicas da febre amarela no Brasil, 2000-2012. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 25, p. 11-20, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n1/2237-9622-ress-25-01-00011.pdf> Acesso em: 20 fev. 2018.

COIMBRA, Teresinha Lisieux M; IVERSSON, Lygia Busch; SPIR, Marlene; ALVES, Venâncio A. Ferreira; BOULOS, Marcos. Investigação Epidemiológica de Casos de Febre Amarela na Região Noroeste do Estado de São Paulo, Brasil. Revista Saúde Pública, v. 21, p. 193-199, 1987. Disponível em: < https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/rsp/v21n3/04.pdf> Acesso em: 20 fev. 2018.

COSTA, Zouraide Guerra Antunes; ELKHOURY, Ana Nilce Maia; ROMANO, Alessandro Pecego Martins; FLANNERY, Brendan. Evolução histórica da vigilância epidemiológica e do controle da febre amarela no Brasil. Rev. Pan-Amaz. Saúde, v. 2(1), p. 11-26, 2011. Disponível em: < http://scielo.iec.gov.br/pdf/rpas/v2n1/v2n1a02.pdf> Acesso em: 15 fev. 2018.

CUETO, Marcos. Febre amarela, retrato da tragédia do subdesenvolvimento. Net. 2018. Disponível em: < http://msiainforma.org/febre-amarela-retrato-da-tragedia-do-subdesenvolvimento/> Acesso em: 15 fev. 2018.

FERREIRA, Karla Vanessa; ROCHA, Katya Cristina; CAPUTTO, Luciana Zambeli; FONSECA1, Alexandre Luiz Affonso ; FONSECA ,Fernando Luiz Affonso. Histórico da febre amarela no Brasil e a importância da vacinação antiamarílica. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, v. 36, n. 1, p. 40-47, 2011 Disponível em: < http://files.bvs.br/upload/S/1983-2451/2011/v36n1/a1923.pdf> Acesso em: 20 fev. 2018.

GOMES, Almério de Castro; TORRES, Maria Amélia Nascimento ; GUTIERREZ, Márcia Fonseca de Castro; LEMOS, Francisco Leopoldo; LIMA, Mauro Lúcio Nascimento; MARTINS, Jaqueline Frasson; COSTA, Zouraide Guerra Antunes. Registro de Aedes albopictus em áreas epizoóticas de febre amarela das Regiões Sudeste e Sul do Brasil (Diptera: Culicidae). Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 17, n. 1, p. 71-76, 2008. Disponível em: < http://www.producao.usp.br/bitstream/handle/BDPI/14525/art_GOMES_Registro_de_Aedes_albopictus_em_areas_epizooticas_de_febre_amarela_2008.pdf?sequence=1> Acesso em: 20 fev. 2018.

GURGEL, Cristina Brandt Friedrich Martin; SILVESTRE, Mayra Bizari; ROMÃO Fernando;. Fragmentos Da História Da Higiene E Saúde Públicas: A Febre Amarela Em Campinas-Sp No Século XIX. Rev. Patol. Trop., v. 43, n. 2, p. 111-120, 2014 Disponível em: Acesso em: 25 fev. 2018.

LIMA, José T. Fiusa. Risco de urbanização da febre amarela no Brasil. Cad. Saúde Pública v. 1, n. 3, 1985. Disponível em: Acesso em: 25 fev. 2018.

MARTINS, Valter. Cidade-laboratório: Campinas e a febre amarela na aurora republicana. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, abr.-jun. 2015, p.507-524.

MASCHERETTII, Melissa; TENGAN, Ciléa H; SATO, Helena Keiko; SUZUKI, Akemi; SOUZA, Renato Pereira de; MAEDAI, Marina; BRASIL, Roosecelis; PEREIRA, Mariza; TUBAKI, Rosa Maria; WANDERLEY, Dalva M V; FORTALEZA, Carlos Magno Castelo Branco; RIBEIRO, Ana Freitas; Febre amarela silvestre: reemergência de transmissão no estado de São Paulo, Brasil, 2009. Rev. Saúde Pública, v. 47, n. 5, p. 881-9, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rsp/v47n5/0034-8910-rsp-47-05-0881.pdf> Acesso em: 21 fev. 2018.

NETO, Francisco Chiaravalloti. Avaliação de ações municipais de combate a vetores da dengue na região de São José do Rio Preto, São Paulo, 1989 a 1995. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 32, n. 4, p. 357-362, 1999. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v32n4/0813.pdf> Acesso em: 21 fev. 2018.

PESSANHA, José Eduardo Marques. Febre Amarela: uma visão do cenário atual. Rev Med Minas Gerais, v. 19, n. 2, p. 97-102, 2009. Disponível em: Acesso em: 25 fev. 2018.

PIVETTA, Marcos. A ameaça da febre amarela. Net. 2018. Disponível em < http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2017/03/060-063_Febre-amarela_253.pdf> Acesso em: 25 fev. 2018.

RIBEIRO, Mirtes; ANTUNES, Carlos Maurício de Figueiredo. Febre amarela: estudo de um surto. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, n. 42, v. 5, p. 523-531, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v42n5/09.pdf> Acesso em: 25 fev. 2018.

RUEDIGER, Marco Aurélio. Febre amarela no Brasil [recurso eletrônico]: um estudo de caso. Net. 2018. Disponível em: Acesso em: 25 fev. 2018.

SIDONE, Otávio José Guerci; HADDAD, Eduardo Amaral; MENA-CHALCO, Jesús Pascual. A ciência nas regiões brasileiras: evolução da produção e das redes de colaboração científica. TransInformação, Campinas, v. 28, p. 15-31, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/tinf/v28n1/0103-3786-tinf-28-01-00015.pdf > Acesso em: 25 fev. 2018.

SBI, Sociedade Brasileira de Infectologia. Febre Amarela - Informativo Para Profissionais de Saúde. Disponível em: < https://www.infectologia.org.br/admin/zcloud/125/2017/02/FA_-_Profissionais_13fev.pdf> Acesso em: 25 fev. 2018.

TAUIL, Pedro Luiz. Aspectos críticos do controle da febre amarela no Brasil. Rev. Saúde Pública, v. 44, n. 3, p. 555-558, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rsp/v44n3/20.pdf> Acesso em: 25 fev. 2018.

TASCO, Aleidys Hernández. O Surto de Febre Amarela no Rio de Janeiro (1928-1929) (Pontos Controversos). Net. 2018. Disponível em: < http://www.13snhct.sbhc.org.br/resources/anais/10/1345081434_ARQUIVO_SurtodefebeamarelanoRiodeJaneiro.pdf> Acesso em: 25 fev. 2018.

VASCONCELOS, Pedro Fernando da Costa. Febre amarela. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 36, n. 2, p. 275-293, 2003. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v36n2/a12v36n2 > Acesso em: 20 fev. 2018.

VASCONCELOS, Pedro Fernando da Costa. Febre amarela: reflexões sobre a doença, as perspectivas para o século XXI e o risco da reurbanização. Rev. Bras. Epidemiol. v. 5, n. 2, 2002. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v5n3/04.pdf > Acesso em: 21 fev. 2018.

VELASCO, Clara. Saneamento melhora, mas metade dos brasileiros segue sem esgoto no país. Net. 2018. Disponível em: Acesso em: 21 fev. 2018.

WERMELINGER, Eduardo Dias; CARVALHO Raimundo Wilson de. Métodos e procedimentos usados no controle do Aedes aegypti na bem-sucedida campanha de profilaxia da febre amarela de 1928 e 1929 no Rio de Janeiro. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v.25, n.4, p.837-844, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ress/v25n4/2237-9622-ress-25-04-00837.pdf > Acesso em: 21 fev. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Clécia Pereira da Silva, Louisiana Regadas de Macedo Quinino, Claudjane Pereira do Rego, Jadson Freire-Silva

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn