Análise da vegetação de um remanescente de Floresta Atlântica: subsídios para o projeto paisagístico

Joelmir Marques da Silva, Célio Henrique Rocha Moura

Resumo


A floresta Atlântica brasileira representa um dos mais trágicos cenários da fragmentação florestal, apresentando a maior parte da sua biodiversidade confinada em arquipélagos de pequenos fragmentos. Diante disso, estudos que visem identificar a composição florística das espécies e fornecer dados sobre a estrutura vegetal dos fragmentos são relevantes e auxiliam na compreensão da organização das comunidades vegetais, da quantificação da riqueza e da diversidade de espécies, servindo como base não só para estudos de cunho ecológico e de conservação, mas também paisagístico. Assim, objetivou-se com este artigo conhecer o padrão florístico e fitossociológico de um remanescente florestal localizado dentro da propriedade da Fábrica da Jeep - Fiat Chrysler Automobiles, Goiana, Pernambuco, como subsídio para seleção de espécies com potencial paisagístico, bem como sua conservação. Obteve-se com o levantamento florístico um total de 188 espécies, pertencentes a 146 gêneros e 64 famílias. As famílias mais representativas em número de espécies foram Fabaceae (20), Poaceae (14), Myrtaceae (10) e Sapindaceae (9). Os gêneros mais significativos em número de espécies foram Cyperus (5), Miconia e Passiflora (com quatro espécies cada), Myrcia, Cupacia, Eragrotis, Guateria, Ipomea, Inga, Psychotria e Talisia (com três espécies cada). No levantamento fitossociológico obteve-se um total de 1.196 indivíduos, pertencentes a 31 famílias e 71 espécies. As espécies com maior abundância foram: Coccoloba latifolia (141 indivíduos), Pogonophora schomburgkiana (119 indivíduos) e Thyrsodium spruceanum (101 indivíduos), as quais, juntas, representam 30,18% do total de indivíduos registrados na área. Os valores de diversidade e equabilidade estão próximos aos encontrados em outros fragmentos de floresta Atlântica, mostrando que pequenos fragmentos florestais ainda exibem uma riqueza e diversidade considerável.


Palavras-chave


floresta Atlântica, diversidade, estrutura da comunidade vegetal, paisagismo

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Amazonas, N. T.; Barbosa, M. R. V. (2012). Levantamento florístico das angiospermas em um remanescente de floresta Atlântica estacional na microbacia hidrográfica do rio timbó. Revista Nordestina de Biologia, 20(2), 67-78.

Añón-Feliú, C. (1994). Del jardín histórico y su rehabilitación. Nueva Revista, s/v, 116-112.

APG III. (2009). Na update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families PF flowering plants. Botanical Journal of the Linnean Society, 161, 105-202.

Barra, E. (2015) Diálogo sobre o uso da vegetação nativa no planejamento e no projeto paisagístico. In: Batista, M.N., Schlee, M.B., Barra, E., Tângari, V.R. A vegetação nativa no planejamento e no projeto paisagístico. Rio de Janeiro: Rio Books, pp. 249-270.

Benítez-Malvido, J. (1998). Impacto f forest fragmentation on seedling abundance in a tropical rain Forest. Conservation Biology, 12, 380-389.

Berjman, S. (2001). El paisaje y El patrimônio. Revista ICOMOS/UNESCO, s/v, 1-11.

Brasil. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 31, de 07 de dezembro de 1994. Tendo em vista o que estabelece a Lei no. 6.938, de 31 de agosto de 1981, alterada pela Lei no. 8.028, de 12 de abril de 1990, regulamentadas pelo Decreto no. 99.274, de 06 de junho de 1990, e Lei no. 8.746, de 09 de dezembro de 1993, considerando o disposto na Lei no. 8.490, de 19 de novembro de 1992, e tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, e pelo que determina a Resolução CONAMA nº 10, de 01 de outubro de 1993, e a fim de orientar os procedimentos para licenciamento de atividades florestais no Estado de Pernambuco. 1994.

Campanello, P. I., Gatti, M. G., Ares, A., Montti, L. e Goldtein. (2007). Tree regeneration and microclimate in a liana and bamboo-dominated semideciduous Atlantic Forest. Forest Ecology and Managemente, 252, 108-117.

Chaves, A. D. C. G., Santos, R. M. S., Santos, J. O., Fernandes, A. A., Maracajá, P. B. (2013). A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. Agropecuária Científica no Semiárido, 9(2), 43-48.

CONSERVATION INTERNATIONAL DO BRASIL. (2005). Hotspots Revistiados – As Regiões Biologicamente Mais Ricas e Ameaçadas do Planeta.

Costa Júnior, R. F., Ferreira R. L. C., Rodal, M. J. N., Feliciano, A. L. P., Marangon, L. C., Silva, W. C. (2007). Florística arbórea de um fragmento de Foresta Atlântica em Catende, Pernambuco – Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 2, 297-302.

Dechoum, M. S., Pessato, R. D. (2010). Invasões Biológicas: Uma ameaça invisível. Recife: AMANE.

Diario da Tarde. A vida na cidade: a reforma dos jardins publicos do Recife. Recife, 22 abril 1935.

Farinaci, J. S., Batistella, M. (2012). Variação na cobertura vegetal nativa em São Paulo: um panorama do conhecimento atual. Revista Árvore, 36(4), 695-705.

Fuhro, D., Vargas, D., Larocca, J. (2005). Levantamento florístico das espécies herbáceas, arbustivas e lianas da floresta de encosta da Ponta do Cego, Reserva Biológica do Lami (RBL), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas Botânica, 56, 239-256.

Guilherme, F. A. G., Oliveira-Filho, A. T., Appolinário, V. e Bearzoti, E. (2004). Effects of flooding regime and Woody bamboos on tree community dynamics in a section of tropical Semideciduous Forest in South-Eastern Brazil. Plant Ecology, 174, 19-36.

Harper, K. A., Macdonald, S. E., Burton, P. J., Chen, J., Brosofske, K. D., Saunders, S. C., Euskirchen, E., Roberts, D., Jaiteh, M. S. E PER-ANDERS, E. (2005). Edge influence on Forest structure and composition in fragmented ladscapes. Conservation Bi-ology, 19, 768-782.

IUCN – International Union for Conservation of Nature (2014). IUCN: Redlist of Threatened Species. Disponível em: https://www.iucnredlist.org/search. Acesso em: 08/06/2014.

Laurance, W. F., Curran, T. J. (2008). Impacts of Wind disturbance on fragmented tropical forests: a review and synthesis. Austral Ecology, 33, 399-408.

Laurance W. F., Camargo, J. L. C., LUIZÃO, R. C. C., Laurance, S. G., Pimm, S. L., Bruna, E. M., Stouffer, P. C., Williamson, G. B., Benítez-Malvido, J., Vasconcelos, H. L., Van Houtan, K. S., Zartman, C. E., Boyle, S. A., Didham, R. K., Andrade, A., Lovejoy, T. E. (2011). The fate of Amazonian forest fragments: A 32-year investigation. Biological Conservation, 144, 56-67.

Leenhardt, J. O jardim: jogos de artifícios. In: Leenhardt, J. (2006). Nos jardins de Burle Marx. São Paulo: Perspectiva S.A. p. 7-46.

Lima, L. F. (2012). Efeito de borda sobre a assembléia de plantas herbáceas em um fragmento de floresta Atlântica, Alagoas, Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Lorenzi, H. (2010). Árvores Brasileiras – manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil – Vol. 01 – 5. Edição. Nova Odessa: Instituto Plantarum.

Lorenzi, H. (2009). Árvores Brasileiras – manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil – Vol. 02 – 3. Edição. Nova Odessa: Instituto Plantarum.

Lorenzi, H., Melo-Filho, L. E. (2001). As plantas tropicais de R. Burle Marx. São Paulo: Instituto Plantarum.

Maraschin-Silva, F., Scherer, A., Baptista, L. R. M. (2009). Diversidade e estrutura do componente herbáceo-subarbustivo em vegetação secundária de Floresta Atlântica no sul do Brasil. Revista Brasileira de Biociências, 7(1), 53-65.

Metzger, J. P. (2009). Conservation issues in the Brazilian Atlantic Forest. Biological Conservation, 142(6), 1138-1140.

Metzger, J. P., Martensen, A. C., Dixo, M., Bernacci, L. C., Ribeiro, M. C., Teixeira, A. M. G., Pardini, R. (2009). Time-lag in biological responses to landscape changes in a highly dynamic Atlantic Forest region. Biological Conservation, 142(6), 1166-1177.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. Áreas prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. Brasília, 2004. 347p.

Morellato, L. P. C., Haddad, C. F. B. (2000). Introduction: the Brazilian Atlantic forest. Biotropica, 32, 786-792.

Mori, L. A., Silva, L. A. M., Lisboa, G. Coradin, L. (1989). Manual de manejo do herbário fanerogâmico. Ilheus: Centro de Pesquisa do Cacau.

Mueller-Dombois, D., Ellenberg, H. (1974). Aims and methods of vegetation ecology. John Wiley, New York.

Myers, N., Mittermeier, R. A., Mittermeier, C. G., Fonseca, G. A. B., Kent, J. (2000). Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, 403, 853-858.

Nascimento, L. M. (2010). Sucessão secundária em áreas de Mata Atlântica de Pernambuco: mudanças florísticas e estruturais. Tese de doutorado, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Oliveira, M. A. (2007). Fragmentação e riqueza de árvores em escala local e regional na floresta Atlântica nordestina: implicações para a conservação. Dissertação de mestrado, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Oliveira, M. A., Grillo, A. S., Tabarelli, M. (2004). Forest edge in the Brazilian Atlantic forest: drastic changes in tree species assemblage. Oryx, 38(4), 389-394.

Pessoa, L. M., Pinheiro, T. S., Alves, M. C. J. L., Pimentel, R. M. M., Zickel, C. S. (2009). Flora lenhosa em um fragmento urbano de floresta Atlântica em Pernambuco. Revista de Geografia, 26(3), 247-262.

Ribeiro, M. C., Metzger, J. P., Martensen, A. C., Ponzoni, F. J., Hirota, M. M. (2009). The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation, 142, 1141-1153.

Santos, B. A., Peres, C. A., Oliveira, M. A., Grillo, A., Alves-Costa, C. P., Tabarelli, M. (2008). Drastic erosion in functional attributes of tree assemblages in Atlantic forest fragments of northeastern Brazil. Biological Conservation, 141, 249-260.

Santos, E. M., Nascimento, M. T. (2012). Estrutura populacional de Symphonia globulifera L. f. (Clusiaceae) em fragmentos de Mata Atlântica de baixada periodicamente alagada. CERNE, 18(2).

Schlee, M.B., Batista, M.N., Barra, E., Tângari, V.R. (2015) Diálogo sobre o uso da vegetação nativa no planejamento e no projeto paisagístico. In: Batista, M.N., Schlee, M.B., Barra, E., Tângari, V.R. A vegetação nativa no planejamento e no projeto paisagístico. Rio de Janeiro: Rio Books.

Shepherd, G. J. (2010). Fitopac 2.1. Manual do usuário. Campinas: UNICAMP.

Silva Junior, J. F., Marangon, L. C., Ferreira, R. L. C., Feliciano, A. L. P., Brandão, C. L. F. S., Alves Júnior, F. T. (2008). Fitossociologia do componente arbóreo em um remanescente de Floresta Atlântica no Município do Cabo de Santo Agostinho, PE. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 3(3), 276-282.

Silva, J. M. C., Tabarelli, M. (2000). Tree species impoverishment and the future flora of the Atlantic Forest of northeast Brazil. Nature, 404, 72-72.

Silva, V. I. S., Menezes, C. M. (2012). Contribuição para o conhecimento da vegetação de restinga de Massarandupió, Município de Entre Rios, BA, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, 12(2), 239-251.

Smith, A. R., Pryer, K. M., Schuettpelz, E., Korall, P., Schneider, H., Wolf, P. G. (2006). A classification for extant ferns. Taxon, 55, 705-731.

Smith, A. R., Pryer, K. M., Schuettpelz, E., Korall, P., Schneider, H., Wolf, P. G. Fern classification. In: Ranker, T. A., Haufler, C. H. (Eds.). (2008). Biology and evolution Ferns and Lycophytes, Cambridge University Press, 417-467.

Tabarelli, M., Gascon, C. (2005). Lessons from fragmentation research: improving management and policy guidelines for biodiversity conservation. Conservation Biology, 19, 1-6.

Tabarelli, M., Lopes, A. V., Peres, C. A. (2008). Edge-effects drive tropical Forest fragments towards an early-successional system. Biotropica, 40(6), 657-661.

Tabarelli, M., Pinto, L. P., Silva, J. M. C., Hirota, M. M., Bedê, L. C. (2005a). Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade, 1(1), 112-138.

Tabarelli, M., Silva, J. M. C., Gascon, C. (2004). Forest fragmentation, synergisms and the impoverishment of neotropical Forest. Biodiversity and Conservation, 13, 419-425.

Tabarelli, M., Siqueira-Filho, J. A., Santos, A. M. M. (2005b). Conservação da Floresta Atlântica ao Norte do Rio São Francisco. In: Pôrto, K. C., Almeida-Cortez, J. S., Tabarelli, M. (Orgs.). BRASIL. Ministério do Meio Ambiente Diversidade Biológica e Conservação da Floresta Atlântica ao Norte do Rio São Francisco. Brasília, Ministério do Meio Ambiente – MMA. Biodiversidade 14, 40-48.

Tabarelli, M., Pinto, L. P., Silva, J. M. C., Hirota, M., Bedê, L. (2005). Challenges and opportunities for biodiversity conservation in the Brazilian Atlantic Forest. Conservation Biology, 19, 697-700.

Thompson, J. N. (1979). Treefalls and Colonizations Patterns of Temperate Forest Herbs. Washington State University, 176-184.

Tilman, D. (1999). The ecological consequences of changes in biodiversity: a search for general principles. Ecology, 80(5), 1455-1474.

Tomimatsu, H., Yamagishi, H., Tanaka, I., Sato, M., Kondo, R., Kondo, Y. (2011). Consequences of Forest fragmentation in an understory plant community: extensive. Plant Species Biology, 26(1), 3-12.

Viana, V. M., Pinheiro, L. A. F. V. (1998). Conservação da biodiversidade em fragmentos florestais. Série Técnica, 12(32), 25-42.

WCMC – World Conservation Monitoring Centre. (1992). Global Biodiversity: Status of the Earths Loving Resources. Chapman and Hall, London, 585p.

Whitmore, T. C. (1997). Tropical Forest disturbance, disappearance, and species loss. In: Lawrance, W. F., Bierregaard Jr, R. O. (Ed.). Tropical Forest remnants: ecology, management and conservation of fragmented communities. Chicago: The University of Chicago Press, 3-12.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Joelmir Marques da Silva, Célio Henrique Rocha Moura

ISSN: 2595-4431

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn